Publicidade

Estado de Minas

Orações pela harmonia mundial marcaram as celebrações do Dia da Assunção de Nossa Senhora

Celebrações ocorreram em Belo Horizonte e na Serra da Piedade, em Caeté. Crise no Brasil, Venezuela e Síria foi o foco dos fiéis


postado em 16/08/2017 06:00 / atualizado em 16/08/2017 08:19

Em BH, devotos seguiram procissão de Nossa Senhora da Boa Viagem(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Em BH, devotos seguiram procissão de Nossa Senhora da Boa Viagem (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Corrente de orações pela paz mundial e com os elos principais no Brasil, Venezuela e Síria na capital mineira e na Região Metropolitana. Milhares de pessoas participaram, ontem, da 22ª Peregrinação da Juventude ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, no alto da Serra da Piedade, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, como parte das celebrações do Dia da Assunção de Nossa Senhora e dos 250 anos de romarias ao topo da montanha. “Vivemos tempos de violência e crise. A Síria está numa guerra civil, mas aqui no Brasil há também um clima de guerra. A única saída é termos um coração de paz”, afirmou o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, antes de celebrar a missa campal, às 11h30, em frente da ermida barroca que guarda a imagem da padroeira de Minas, Nossa Senhora da Piedade. No início da noite, uma celebração especial na Praça da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, precedida por procissão luminosa, marcou o dia da padroeira de Belo Horizonte.


Desde bem cedo, as caravanas de jovens provenientes dos 28 municípios, num total de 277 paróquias que compõem a Arquidiocese de BH, começaram a chegar à Serra da Piedade. Muitos cumprindo a pé, e no frio, o percurso sinuoso de cinco quilômetros morro acima, a exemplo do músico Gustavo Marttir, de 24 anos, morador do Bairro Juliana, na Região Norte da capital. “Estou feliz de estar aqui. Nem me cansei com a subida da serra”, disse o jovem, com seu violão em punho e ao lado dos amigos Fábio Emanuel, de 14, e Juan Péricles, de 25.

Segundo os organizadores, cerca de 10 mil jovens participaram da tradicional peregrinação anual, o que representa 2 mil a mais do que o esperado. O número elevado deve-se aos 117 ônibus que foram até certa parte da serra, além de vans, veículos particulares e motos. Para o reitor do santuário, padre Fernando César do Nascimento, a jornada quer dizer alegria. “Os jovens alimentam a esperança de viver num mundo melhor, já que estamos num mundo com muitos problemas sociais e políticos. É notório que há dificuldades e tudo que devemos fazer é pedir a ajuda de Deus”, disse o padre.

Um dos momentos mais emocionantes ocorreu às 10h35, quando a imagem de Nossa Senhora da Piedade, réplica da existente no altar da ermida e esculpida por Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foi transportada no andor no meio da multidão. Rapazes e moças abriram caminho – e foi bonito ver a mistura colorida de roupas de lã, mochilas, gorros, bandeiras, cartazes com palavras de comunhão e sorrisos de confiança. Nos momentos de oração, muitos rezaram de joelhos sobre as pedras da ladeira que dá acesso ao santuário ou ficaram unidos acompanhando a liturgia.

SILÊNCIO Logo depois da chegada da imagem de Nossa Senhora da Piedade, trazida no andar ao som da canção “Maria cheia de graça e consolo, Vem caminhar com teu povo, Nossa Mãe sempre será”, os jovens fizeram um minuto de silêncio pedindo a paz na Síria, conflito que já matou milhares de pessoas, com predominância de jovens. Com camisas trazendo palavras alusivas à manifestação também ocorrida na Praça da Liberdade (leia texto nesta página), na Região Centro-Sul de BH, representantes da Paróquia de São José, de BH, deram as mãos, no altar montado na porta da ermida, e participaram da reza do terço.

Ao lado da namorada Dara Cristina Souza Santos, de 21, que faz cursinho para medicina, o estudante de eletrotécnica Emanuel Júnior Ferreira Rocha, de 22, destacou a importância da solidariedade dos jovens e da peregrinação à serra, da qual participa pela quarta vez. “Estamos aqui para renovar a fé, não apenas a nossa, como de todos os jovens do mundo. Queremos a fé viva”, afirmou o estudante, com a camisa do movimento Paz na Síria doada pelo consulado do país do Oriente Médio em Minas. “É minha primeira vez aqui na serra. Ele me trouxe”, disse Dara, com um sorriso, apontando para o namorado.

Caravanas de fiéis participaram de missa na frente da ermida que guarda imagem da padroeira de Minas(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)
Caravanas de fiéis participaram de missa na frente da ermida que guarda imagem da padroeira de Minas (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)
Integrando a caravana da Paróquia São Bernardo, do Bairro Planalto, na Região Norte de BH, Célia de Oliveira, de 18, destacou a reunião dos jovens como fato relevante. “Deus é maravilhoso e o futuro da Igreja está nos jovens. Quem vem fortalece a fé”, disse a garota, que está em sua quarta romaria ao local. De terço na mão e ao lado dos amigos da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, num grupo de 34 pessoas, a mestranda Stephanie Almeida, de 22, acompanhou a missa celebrada por dom Walmor e afirmou a devoção católica.

O vice-reitor do santuário, padre Carlos Antônio da Silva, também citou a Venezuela e a Síria, ao saudar os jovens. E conclamou os grupos para que “sejam ousados, criativos e profetas no amor, para uma sociedade humana mais fraterna”. E concluiu: “Rezemos pela Venezuela, o Brasil, a Síria e o mundo”, afirmou.

Elevação de corpo e alma

 

O dogma da Assunção da Virgem Maria foi proclamado, solenemente, pelo Papa Pio XII (1876-1958), em 1º de novembro de 1950. A Sagrada Tradição da Igreja ensina que Nossa Senhora foi elevada ao céu de corpo e alma, após sua morte. Quando o sumo pontífice decretou o dogma por meio da Constituição Apostólica Munificientissimus Deus foi uma verdadeira apoteose no mundo inteiro. No documento, ele registrou: “Cristo, com Sua morte, venceu o pecado e a morte, e sobre essa e sobre aquele alcançará também vitória pelos merecimentos de Cristo quem for regenerado sobrenaturalmente pelo batismo. Mas, por lei natural, Deus não quer conceder aos justos o completo efeito dessa vitória sobre a morte, senão quando chegar o fim dos tempos. Por isso, os corpos dos justos se dissolvem depois da morte, e somente no último dia tornarão a unir-se, cada um com sua própria alma gloriosa. Mas desta lei geral, Deus quis excetuar a Bem-Aventurada Virgem Maria. Ela, por um privilégio todo singular, venceu o pecado; por sua Imaculada Conceição, não estando por isso sujeita à lei natural de ficar na corrupção do sepulcro, não foi preciso que esperasse até o fim do mundo para obter a ressurreição do corpo”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade