Publicidade

Estado de Minas

Florada dos ipês empresta cor ao inverno de BH

Floração da espécie rosa brilha em ruas e avenidas de Belo Horizonte, deslumbrando moradores e turistas na abertura da temporada, que será seguida pelo espetáculo das espécies amarela e branca


postado em 30/07/2017 06:00 / atualizado em 30/07/2017 08:33

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Espécie mais abundante da capital, a variedade de tons rosados floresce depois de ondas de frio e empresta sua beleza a todas as regionais da cidade. Segundo urbanista, disposição obedece a projeto paisagístico(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Espécie mais abundante da capital, a variedade de tons rosados floresce depois de ondas de frio e empresta sua beleza a todas as regionais da cidade. Segundo urbanista, disposição obedece a projeto paisagístico (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Basta olhar para o alto para ver que o tom do inverno mudou, ganhou mais vida, cor. A copa dos ipês dá o ar de sua graça e algumas chegam quase a brilhar em vários pontos de Belo Horizonte: nesses dias de manhãs frias, é a vez do rosa, que inunda praças, avenidas e ruas de bairros por todas as regionais.

Depois, virá o amarelo, típico de agosto, dominando a paisagem urbana e também as matas dos arredores. Finalmente, chegará o branco, anunciando a proximidade da primavera. “Mas, desses, temos poucos na cidade, alguns aqui no câmpus da Pampulha”, diz o botânico Fernando Augusto Silveira, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


Segundo ele, as florações em Belo Horizonte são bem sequenciadas e agora a predominância é mesmo do rosa, conforme atestou a equipe do Estado de Minas. Por todo canto é comum ver moradores e visitantes em férias tirando fotos, fazendo selfies e comentando: “Que beleza!”.

Passando uns dias em BH, o economista Milton Daemon, e a mulher, Beatriz, arquiteta, residentes no Rio de Janeiro, apreciaram o que viram. “Achei o máximo tanta árvore florida na vias urbanas.

Beatriz e Milton, do Rio de Janeiro, se encantaram com a profusão de cores nas ruas de BH(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Beatriz e Milton, do Rio de Janeiro, se encantaram com a profusão de cores nas ruas de BH (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

No Rio não temos isso, há mais nos parques e no Aterro do Flamengo”, disse Beatriz, ao sair de uma padaria na esquina das avenidas Afonso Pena e Getúlio Vargas, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul. Ao posar para a foto, o casal se encantou com o azul do céu, o verde das árvores e o tom dos ipês.

Na Avenida Afonso Pena, perto da Rua Professor Moraes, a estudante de direito Gabriela Fidelis, de 22 anos, moradora do Bairro Cruzeiro, confessou que o ipê-rosa é seu exemplar preferido na cidade. “Traz alegria e calma”, resume.

Para a jovem, que na tarde de ontem admirou o Sol batendo na copa das árvores e depois no para-brisa dos carros, a combinação de céu azul e pétalas é perfeita.

Símbolo


O botânico Silveira diz que o inverno, ao que tudo indica, não interfere na profusão de flores nesta estação. Tecnicamente, informa, a floração é controlada pela temperatura, chuva e duração dos dias, que são mais curtos no inverno.

Gabriela Fidelis tem na árvore de flores cor-de-rosa sua variedade favorita(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Gabriela Fidelis tem na árvore de flores cor-de-rosa sua variedade favorita (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Árvore símbolo do Brasil, o ipê-amarelo é mais facilmente identificado pela população. “Para mim, é o mais bonito, tem mais a cara o país”, diz um estudante.

Mesmo já perdendo as flores em algumas ruas, as estrelas da estação mantêm a beleza e a elegância, criando um tapete sobre grama e ruas com as pétalas que giram no ar, como piorras, e vão caindo.

O certo mesmo é que, em todos os bairros, pessoas de todas as gerações enaltecem o valor das árvores para humanizar o meio urbano, atrair pássaros, embelezar o ambiente e reduzir o estresse.

Na Praça da Liberdade, cachos coloridos dão ainda mais charme ao cartão-postal(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Na Praça da Liberdade, cachos coloridos dão ainda mais charme ao cartão-postal (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

De acordo com informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, BH tem 27,1 mil ipês ou 9% do total das árvores cadastradas na cidade, sendo a maioria deles da cor rosa.

O arquiteto e urbanista Júlio De Marco, da secretaria, explica que há nove espécies de ipê na capital – a maioria nativa da região Sudeste, principalmente. Todos os que fazem parte da área pública são parte de um projeto de paisagismo, acrescenta, “e foram trazidos para esses pontos com a intenção de provocar esse espetáculo”.

As avenidas Afonso Pena, Getúlio Vargas e Contorno são alguns dos palcos desse show da natureza. Júlio De Marco afirma que os ipês-rosas florescem sempre depois de uma onda de frio. Depois dessa explicação, quem tem passado os últimos dias em Belo Horizonte entende bem o porquê de tantas flores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade