UAI
Publicidade

Estado de Minas

Cadeirante de sete anos se fere ao cair de elevador de ônibus no Bairro Mangabeiras

A garota sofreu ferimentos no rosto e foi encaminhada para o Hospital João XXIII. A mãe dela passou mal e também foi socorrida. BHTrans diz que vai apurar o caso


postado em 08/09/2014 17:48 / atualizado em 08/09/2014 20:34

O acidente com um cadeirante nesta segunda-feira acende um alerta para o funcionamento dos elevadores dos coletivos de Belo Horizonte. Uma criança de sete anos, que tem problemas de locomoção, acompanhada da mãe, subia em um ônibus da linha 4103 (Aparecida/Mangabeiras) em um ponto na Rua José do Patrocínio Pontes, no Bairro Mangabeiras, na Região Centro-Sul, quando as duas caíram. Elas foram atendidas pelo Corpo de Bombeiros e encaminhadas para o hospital. Segundo a BHTrans, nos últimos 11 meses, 155 multas foram aplicadas às empresas pelo não funcionamento ou defeito nos equipamentos.

O ônibus da linha 4103 passava pela Rua José do Patrocínio Pontes quando parou em um ponto em frente ao Hospital Hilton Rocha. Rosileide da Silva Gomes, de 48 anos, estava com a filha, a cadeirante V.G.S, de 7. Elas usaram o elevador quando acabaram caindo do equipamento.

Em depoimento, a mulher contou que o motorista parou no ponto de ônibus e ela foi embarcar. O cobrador desceu para ajudar e mãe e filha subiram no elevador. Conforme Rosineide, quando o aparelho já estava quase no alto, ele desabou.  O cobrador afirmou que quando o aparelho estava quase no alto, a cadeira de rodas foi para frente e mãe e filha acabaram desequilibrando. O motorista disse apenas que parou no ponto de ônibus em uma subida e que não viu o acidente acontecer.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a garota sofreu ferimentos no rosto e a mãe precisou de atendimento, pois passou mal diante da situação.  Ambas foram encaminhadas para o Hospital João XXIII. De acordo com a unidade de saúde, elas estão estáveis e passam por exames. Não há previsão de alta.

A BHTrans informou que não vai se pronunciar sobre o caso até ter acesso ao boletim de ocorrência do acidente. A empresa adiantou que fará a apuração do ocorrido, estando o consórcio operador sujeito às penalidades previstas no regulamento do serviço de transporte coletivo, que podem ser multa, retenção do veículo, dentre outros.

Belo Horizonte tem atualmente uma frota de 3.297 veículos. Desses, 86% contam com elevador e sistema de acessibilidade. A BHTrans informou que os veículos com as adaptações passam por vistorias periódicas. Uma dessas aferições é realizada nos pontos finais de ônibus, por equipes de técnicos e fiscais da empresa.

De agosto do ano passado até 31 de julho deste ano, a empresa que administra o trânsito de BH aplicou 155 multas pelo não funcionamento ou defeito mecânico nos elevadores dos veículos do transporte coletivo.

A BHTrans ressaltou que vem discutindo com as entidades representativas das pessoas com deficiência as questões de acessibilidade no sistema e a possibilidade de melhorar os caminhamentos e equipamentos que ajudem as pessoas a se movimentarem com maior segurança.

Em abril deste ano, o jornal Estado de Minas já havia mostrado o drama de uma mulher para pegar os ônibus adaptados que seguem para o Bairro Mangabeiras. Dona de casa Maria José Almeida Santos Ribeiro, de 30 anos, mãe de Caio Francisco Almeida Menes e Vítor Ribeiro Menes, dois meninos cadeirantes, de 7 e 2 anos e meio, e de Paulo Alexandre, um bebê sem problemas de saúde, de 4 meses, deixa a cidade de Ribeirão das Neves, na Grande BH, em dois dias da semana para seguir até o bairro. Ela sofre para conseguir os motoristas de ônibus que negam viagens por ter duas cadeiras de rodas ou por causa dos elevadores estarem estragados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade