Publicidade

Estado de Minas

Justiça nega recurso e autoriza Comunidade Dandara a continuar em terreno invadido em BH

Em decisão unânime, os desembargadores da 1ª Câmara Cívil negaram o recurso da Construtora dona do terreno


postado em 19/02/2013 15:18 / atualizado em 19/02/2013 15:32

Integrantes da comunidade fizeram uma passeata pela cidade nesta terça-feira(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Press)
Integrantes da comunidade fizeram uma passeata pela cidade nesta terça-feira (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Press)

Os desembargadores da 1ª Câmara Cívil negaram, por unanimidade, na tarde desta terça-feira, o recurso impetrado pela construtora dona do terreno onde a Comunidade Dandara ocupou no Bairro Céu Azul, na Região da Pampulha, há quatro anos. Com a decisão dos magistrados, Vanessa Verdolim, Armando Freire e Alberto Vilas Boas, os integrantes do movimento poderão permanecer no terreno.

A construtora, dona do terreno, entrou com o recurso contra a decisão do juiz de 1º grau que revogou a liminar de reintegração de posse contra a Comunidade Dandara. Caso a 1ª Câmara Cível do TJMG aceitasse o recurso da empresa, as mil famílias que ocupam o terreno teriam de ser desalojadas.

O julgamento foi acompanhado por vários integrantes do grupo. Eles saíram em passeata por volta das 4h e seguiram para a Rua Goiás, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O grupo passou pela Avenida Portugal, Avenida Presidente Antônio Carlos e fez uma parada na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Depois seguiram para o Centro, também pela Antônio Carlos até a chegada no Complexo da Lagoinha. Depois seguiram para porta do tribunal. Durante todo o trajeto eles ocuparam apenas um faixa das vias sem impedir o trânsito de veículo, mas deixando lento alguns trechos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade