Publicidade

Estado de Minas

Antes de matar jovem no Cachoeirinha, frentista tentou estuprar outra mulher

Nesta quarta-feira, três vítimas do homem prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios


postado em 30/11/2011 19:39 / atualizado em 30/11/2011 20:10

(foto: Cristina Horta/EM/D.A.Press)
(foto: Cristina Horta/EM/D.A.Press)


O frentista Anderson Cleiton Elariedy tentou estuprar uma outra mulher antes de assassinar a estudante Ludmila Fernanda Almeida Marques, de 18 anos, na terça-feira da semana passada, no Bairro Cachoeirinha, Região Noroeste de Belo Horizonte. A revelação foi feita pela própria vítima que, nesta quarta-feira, prestou depoimento no Divisão de Homicídios do Departamento de Investigações. Outras duas outras vítimas do homem também foram ouvidas pela polícia.

De acordo com o Delegado Hugo Arruda, as mulheres reconheceram Anderson como o agressor. “Duas dessas vítimas foram atacadas no ano passado e outra na madrugada do dia em que Ludmila foi morta”, afirma o delegado. Com as mulheres que prestaram depoimento hoje, já são sete as vítimas atacadas pelo frentista que foram identificadas. “Todas elas sofreram tentativa de estupro ou o estupro consumado. Estamos apurando ainda se houve outros homicídios cometidos por ele”, conta Hugo Arruda.

Prestaram depoimento nesta quarta-feira duas adolescentes de 16 e 17 anos e uma mulher de 34 anos. Com as menores, os crimes aconteceram no ano passado. Segundo o delegado, Anderson agiu da mesma forma nos dois ataques. Ele foi até a casa das vítimas e fingiu ser montador de móveis. Uma das adolescentes contou, emocionada, que estava na sua residência junto com uma sobrinha quando Anderson chegou e amarrou as duas meninas. Depois, levou a adolescente para um quarto e a atacou.

Uma das vítimas teve dificuldade de prestar depoimento e passou mal. A adolescente saiu do departamento de Investigações amparada por familiares. “Nem tivemos chance de colher as declarações, pois a vítima estava muito emocionada”, afirma Hugo Arruda.

As declarações da terceira vítima, a mulher de 34 anos, evidenciou a tara do suspeito em cometer o crime naquele dia. Ela foi atacada horas antes da estudante Ludmila ser morta. “Ele fez a mesma coisa que fez com ela. Abordou a mulher na rua e tentou levá-la para um lote vago. Porém, a vítima resistiu e deitou no chão. Várias pessoas começaram a aglomerar no local e o homem fugiu. Depois continuou a caçar suas vítimas”, disse o delegado.

Os depoimentos colhidos serão anexados no inquérito que investiga a morte da estudante Ludmila. Uma outra cópia será entregue à Delegacia de Crimes Contra a Mulher, que vai apurar os estupros cometidos pelo suspeito.

Com informações de Camila Dias/TV Alterosa


Publicidade