Publicidade

Estado de Minas

Suspeito de matar jovem no Cachoeirinha já teria cometido três estupros, diz polícia

Ludmila Fernanda Almeida Marques, de 18 anos, foi encontrada em um lote na manhã desta terça-feira. Ela estava desaparecida desde a manhã dessa segunda-feira


postado em 22/11/2011 16:44 / atualizado em 22/11/2011 17:27

Ao ser questionado sobre o crime, o suspeito se defendeu afirmando que não conhece a jovem morta(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
Ao ser questionado sobre o crime, o suspeito se defendeu afirmando que não conhece a jovem morta (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)


O frentista Anderson Cleiton Elariedy, suspeito de assassinar a jovem Ludmila Fernanda Almeida Marques, de 18 anos, na manhã desta terça-feira, no Bairro Cachoeirinha, na Região Noroeste de BH, já é acusado por estuprar outras três mulheres, informou nesta tarde a Polícia Civil. Ele foi preso horas depois do crime, após a polícia ter acesso às imagens das câmeras de segurança de um centro automotivo que o flagraram com a garota pouco tempo antes do crime.

O corpo da jovem foi encontrado em uma casa abandonada que fica ao lado do posto de gasolina onde Anderson trabalha. Segundo a polícia, Ludmila saiu nessa segunda-feira de manhã e foi para a aula. Como não chegou em casa, a família da jovem fez uma queixa na Delegacia de Desaparecidos de Belo Horizonte.

Uma equipe da delegacia fazia buscas na região e chegou até o posto, onde funcionários encontraram a mochila da menina. O corpo de Ludmila tinha marcas de arame e 20 perfurações no abdômen e no tórax. Uma chave de fenda foi encontrada no local, que pertence ao dono do posto de gasolina. Há também indícios de estupro, mas apenas exames confirmarão a hipótese.

Nas imagens das câmeras, ele aparece entrando no posto ao lado da menina. Depois disso, o homem anda na rua de maneira suspeita e desnorteado. Na casa dele, foi encontrado o celular da vítima e diversos preservativos.

As investigações apontam que Anderson agiu sozinho. Porém, a polícia vai investigar se o tio dele, que também trabalha no posto e mora com o suspeito, teve participação no crime. Isso porque, nesta manhã, o homem ligou para o dono do posto e disse que não poderia trabalhar pois teria de resolver alguns problemas.

Suspeito nega o crime

Anderson foi apresentado nesta tarde no Departamento de Investigações. Ao ser questionado sobre o crime, o suspeito se defendeu afirmando que não conhece a jovem morta. Ele disse que não sabe como o celular da jovem foi parar em suas coisas.

Veja a reportagem da TV Alterosa



Publicidade