Publicidade

Estado de Minas

Dnit está sem dinheiro para salvar pontes de Minas

Governo adia projeto para recuperar 59 viadutos e pontilhões com sérios riscos de segurança nas rodovias federais de Minas


postado em 30/04/2011 07:00 / atualizado em 30/04/2011 07:05

Viaduto no km 631 da BR-040, em Conselheiro Lafaiete, tem grandes rachaduras e grades de proteção quebradas(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 20/01/11)
Viaduto no km 631 da BR-040, em Conselheiro Lafaiete, tem grandes rachaduras e grades de proteção quebradas (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 20/01/11)


O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) não tem dinheiro para recuperar os 59 viadutos, pontes e pontilhões em péssimas condições de conservação, que põem em risco a segurança de motoristas e passageiros nas rodovias federais em Minas. A informação é do diretor-geral do órgão, Luís Antônio Pagot: “O projeto ainda não está aprovado no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Por enquanto, devemos aguardar. Só poderei falar sobre isso daqui a 60 dias, quando serão estabelecidos os planos de trabalho”, disse Pagot nessa sexta-feira, em Belo Horizonte.

A preocupação com a manutenção dessas obras de arte, como são chamadas as pontes, viadutos e pontilhões, se tornou maior depois que a estrutura da ponte no Rio das Velhas, na BR-381, em Sabará, na Grande BH, cedeu e foi interditada no dia 20, dificultando a principal ligação de Minas com o Espírito Santo e o Nordeste. Para especialistas, deve ser urgente a recuperação dos viadutos, pontes e pontilhões das BRs em Minas para evitar prejuízos e acidentes.

Em janeiro, levantamento do Estado de Minas revelou a péssima manutenção das estruturas em quase todas as rodovias federais mineiras. Na época, com base em estudo da sua unidade de programas especiais, o Dnit informou que estavam previstos R$ 5,8 bilhões para melhoria em 2,5 mil obras de arte em todo o país, entre as 4.302 sob responsabilidade do órgão, com prioridade para as em pior estado de conservação.

Também foi anunciado que as obras da primeira etapa do programa seriam iniciadas ainda no primeiro semestre, com um total de 500 obras de arte especiais sendo beneficiadas. Desse número, 59 estruturas em Minas seriam restauradas na primeira fase do programa. O Dnit chegou a revelar que os editais de licitação seriam publicados em março e que em Minas seriam investidos R$ 49,4 milhões, com as 59 estruturas divididas em nove lotes.

Situação caótica

Uma das estruturas em pior situação em Minas é a ponte no Rio das Velhas, na BR-365, em Várzea da Palma, no Norte de Minas. A estrutura é estreita, cheia de buracos e há risco de acidente toda vez que dois veículos se cruzam, principalmente carretas e caminhões.

Na BR-116, segundo o Programa de Reabilitação das Obras de Arte Especiais (Proarte), está prevista a recuperação de 13 obras de arte, entre elas a ponte no Rio Doce, no km 414, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. A estrutura tem 448 metros de extensão.

As BRs 354 e 365 têm sete pontes em estado crítico e, na BR-452, no Triângulo Mineiro, a preocupação é com um viaduto totalmente desgastado. Em janeiro, Francisco Thormann, coordenador de unidades especiais do Dnit, disse ao EM que seriam iniciadas em Minas, em caráter de urgência, as obras de recuperação de 15 estruturas em pior situação. Ele afirmou ainda que o trabalho não se restringiria à mera recuperação das pontes, viadutos e pontilhões, já que as pontes com largura inferior a 13 metros seriam alargadas e em todas seriam instalados guarda-corpos. (Com Thobias Almeida e Pedro Rocha Franco)


Publicidade