Publicidade

Estado de Minas

Defesa tenta passar goleiro Bruno para o regime semiaberto

O advogado Fábio Gama Leite, que representa o atleta, alega que remissão de dias no total da pena por causa do trabalho e o estudo, já é suficiente para a mudança de regime


postado em 24/09/2018 17:36 / atualizado em 24/09/2018 17:52

Se conseguir o benefício, goleiro poderá voltar a atuar pelo Boa Esportes(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Se conseguir o benefício, goleiro poderá voltar a atuar pelo Boa Esportes (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Já está nas mãos do juiz Tarciso Moreira, da comarca de Varginha, na Região Sul de Minas Gerais, mais uma tentativa da defesa do goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza de colocá-lo no regime semiaberto. O advogado Fábio Gama Leite, que representa o atleta, alega que remissão de dias no total da pena por causa do trabalho e o estudo, já é suficiente para a mudança de regime. Bruno foi condenado a mais de 20 anos por homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio, ocultação do cadáver e sequestro do filho, Bruninho.

Segundo o advogado do atleta, já era para Bruno estar no semiaberto há tempo. “As remissões são juntadas mês a mês. As que aportaram agora, referentes ao trabalho na Apac, no Corpo de Bombeiros e no presídio de Varginha, já são suficientes para a mudança de regime”, explicou Fábio Grama. Ele juntou os documentos e fez o pedido à Justiça

Se for beneficiado pela mudança de regime, Bruno deve voltar a jogar futebol pelo Boa Esporte. “A condição do semiaberto domiciliar, em Varginha, permite trabalhar durante o dia, e dormir em casa à noite e nos fins de semana. Como exerce o trabalho de jogador, vai volta a jogar pelo Boa Esporte”, contou o advogado.
Fábio Gama criticou a demora da Justiça. “Queria ressaltar que a situação vem há um tempo lenta, morosa. É lamentável a postura do judiciário, que tem um reeducando com este direito, mas se tratando de Bruno, nada acontece”, comentou.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o advogado apresentou certificados e documentos sobre a remissão de pena. O material já está com o juiz Tarciso Moreira, da comarca de Varginha, para análise.

Outro envolvido no assassinato de Eliza Samudio já conseguiu a troca de regime. Em março deste ano, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, passou a cumprir sua pena em regime aberto. Ele estava cumprindo pena no presídio de Pará de Minas, na Região Centro-Oeste de Minas.  Luiz Henrique  foi condenado a 15 anos de prisão em regime fechado,

Condenação

Bruno Fernandes havia sido condenado a 22 anos e três meses por homicídio triplamente qualificado de Eliza Samúdio, ocultação do cadáver e sequestro do filho, Bruninho. Porém, em setembro do ano passado, a pena de Bruno Fernandes foi reduzida para 20 anos e nove meses.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade