Publicidade

Estado de Minas

Suspeitos de matar primo de Bruno são presos

Durante operação para apreender motocicletas que podem ter sido usadas no assassinato do primo do goleiro, polícia teria detido dois homens investigados por envolvimento no crime


postado em 04/09/2012 06:00 / atualizado em 04/09/2012 09:28

Um dos suspeitos saiu da delegacia às 22h30 de segunda-feira sem falar com a imprensa(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Um dos suspeitos saiu da delegacia às 22h30 de segunda-feira sem falar com a imprensa (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

Duas motocicletas que podem ter sido usadas no assassinato  de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno, que levou seis tiros no dia 22, no Bairro Minaslândia, Região Nordeste de Belo Horizonte, foram apreendidas nessa segunda-feira por policiais da Corregedoria de Polícia Civil e da Divisão Especializada em Furtos e Roubos de Veículos. As motos – uma de modelo não revelado, mas na cor vermelha, e outra XL-300 – estariam escondidas em um matagal do Bairro Ribeiro de Abreu, na Região Norte. Elas haviam sido roubadas antes da morte de Sérgio e foram devolvidas aos proprietários ontem mesmo. Próximo ao local, os policiais identificaram dois suspeitos de terem roubado as motos, que foram detidos, para prestar depoimento hoje.

Devido à operação, o depoimento da namorada de Sérgio Rosa Sales, uma adolescente de 17 anos, foi adiado na última hora pela Corregedoria da Polícia Civil. Um novo depoimento será marcado posteriormente, mas não há previsão do dia. A advogada da adolescente, Adriana Eymar, disse que as investigações da Corregedoria são sigilosas e que ela não iria comentar nada referente ao caso.

A Corregedoria da Polícia Civil já tomou o depoimento de todos os parentes de Sérgio que haviam sido intimados. A grande aposta dos investigadores pode ser a namorada de Sérgio. No enterro dele, a adolescente estava abalada emocionalmente e por algum motivo sua mãe a mandou para o interior. A polícia acredita que ela possa ter informações relevantes.

Habeas corpus

Com a aposentadoria do ministro Cezar Peluso, o Supremo Tribunal Federal (STF) vai aguardar a posse do seu substituto, a ser indicado pela presidente Dilma Rousseff, para redistribuir o processo em que a defesa do goleiro Bruno, um dos acusados pela morte de Eliza Samudio, pede a revogação da prisão preventiva dele. Não há previsão de julgamento, o que deve atrasar o julgamento dos sete réus. Segundo o STF, a liminar já foi negada e agora será julgado o mérito.

O advogado Rui Caldas Pimenta, defensor do goleiro, está confiante que seu cliente, que está preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH, será libertado até o fim do ano. “O caso deve ir para o ministro Celso de Mello, que é da mesma turma de Cezar Peluso, e tenho esperança de que o julgamento do habeas corpus seja rápido”, disse Pimenta, que impetrou o habeas corpus em dezembro.

Sexta-feira, o advogado juntou ao pedido, em Brasília, o acórdão do Tribunal de Justiça carioca que anulou a sentença do goleiro em outro processo em que ele foi julgado e condenado a quatro anos e seis meses de prisão pelo sequestro e cárcere privado de Eliza na capital fluminense. “A pena foi reduzida para um ano e três meses, mas, como Bruno já está preso há dois anos, ela foi extinta. Tecnicamente, Bruno é primário, pois ele não deve mais nada à Justiça carioca. O goleiro está detido agora por prisão preventiva, sem ter tempo fixado para cumprir. Isso vai ajudar a saída dele pelo habeas corpus”, disse.

Rui Pimenta lembrou que o contrato de Bruno com o Flamengo vence em dezembro e ele acredita que até lá seu cliente será solto para regularizar sua situação junto ao clube. “O Flamengo vai decidir se quer o Bruno de volta ou o libera para assinar contrato com outro clube. O contrato dele está suspenso temporiamente até a reapresentação dele”, disse Pimenta. (Colaborou Landercy Hemerson)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade