Publicidade

Estado de Minas EMPREGO

Lojas de reparos automotivos em Uberaba estão com dificuldades para contratar

Presidente do Sindicato das Indústrias de Mecânica de Uberaba contou que a taxa de reposição dos profissionais neste mercado está inferior à demanda por eles


13/06/2021 12:33 - atualizado 13/06/2021 12:57

Em Uberaba, há poucos jovens em formação dentro do segmento de reparo automotivo(foto: Creative Commons/Divulgação)
Em Uberaba, há poucos jovens em formação dentro do segmento de reparo automotivo (foto: Creative Commons/Divulgação)
 
Apesar do aumento do desemprego que o país vem enfrentando devido à pandemia, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, vários donos de funilarias, retíficas, acessórios automotivos, autoelétricas e mecânicas, em geral, estão com dificuldades para contratar novos profissionais. A afirmação é do presidente do Sindicato das Indústrias de Mecânica de Uberaba (SIMU), Noboru Batistuta Nanya.
 
Segundo Noboru, não está havendo mão de obra para a quantidade de serviços nestes estabelecimentos. Além disso, a taxa de reposição dos profissionais no mercado está inferior à demanda por eles e, somado a isso, os profissionais mais velhos estão se aposentando e há poucos jovens em formação no segmento de reparo automotivo.
 
Ainda de acordo com o presidente do SIMU, os principais motivos deste problema estão ligados à formação profissional e atratividade do setor de manutenção automotiva para os jovens.
 
Como saída para resolver o problema, na opinião de Nanya, não existe uma única solução, mas sim várias ações a médio e longo prazo que convergem para o fortalecimento e valorização do setor.
 
“Percebo que a qualificação de empresas, profissionais e processos são os melhores caminhos para aumentar a produtividade e, consequentemente, os resultados.
 
Por exemplo: dentro de um círculo virtuoso de profissionalização das oficinas e, por conseguinte, de seus profissionais, das parcerias com as instituições de formação profissional como o Senai e o reconhecimento do mercado consumidor da necessidade de empresas e profissionais qualificados para atender os veículos cada vez mais modernos”, considerou.
 
Questionado sobre como o SIMU pode ajudar nesta questão, Nanya disse que o sindicato vem atuando para desenvolver empresas sustentáveis não somente, economicamente, mas participativas na sociedade e ambientalmente responsáveis. “E desta forma preparar empresas e empresários para enfrentar os desafios inerentes à longevidade de suas atividades”, concluiu.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade