UAI
Publicidade

Estado de Minas RODOVIA DA MORTE

Leilão de concessão das BRs 381 e 262 é remarcado para 25 de fevereiro

ANTT atendeu a solicitação das empresas interessadas no certame. O projeto de concessão foi aprovado em 28 de julho do ano passado pelo TCU


21/01/2022 15:28 - atualizado 21/01/2022 15:52

Rodovia BR-381, sentido Espírito Santo/ Belo Horizonte
Privatização é estratégia do governo federal para alavancar duplicações em Minas Gerais (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) comunicou, nesta sexta-feira (21/1), o adiamento do leilão de concessão da rodovia BR-381, entre Belo Horizonte e Governador Valadares, e da BR-262, entre João Monlevade e Viana, no Espírito Santo, de 7 de fevereiro para 22 de fevereiro de 2022. 

 

 


A autarquia informou que decidiu “atender a solicitação das empresas que demostraram interesse em participar do certame, concedendo pelo menos 60 dias para reformulação de propostas a partir das adequações do edital. O pedido do prazo foi protocolado pelas interessadas no final de dezembro de 2021.”

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, em 28 de julho do ano passado, o projeto de concessão das BRs 381 e 262. As empresas ganhadoras terão outorga das rodovias por 30 anos, com a possibilidade de prorrogação por mais cinco anos. O setor privado deverá aportar R$ 7,7 bilhões para financiar melhorias na estrutura das vias, bem como R$ 6,9 bilhões no custeio de despesas de operação.

A duplicação deve ser feita em 590,5 quilômetros das BRs 381 e 262. Desses, 200 quilômetros deverão ser feitos entre o terceiro e oitavo anos de concessão. O restante entre os anos 16 e 21.

A BR-381 é chamada de "rodovia da morte" por causa do número de acidentes por lá ocorridos.

O Plano de Priorização de Investimentos (PPI) do governo federal prevê a geração de 12 mil empregos diretos e indiretos a partir das obras nas rodovias que cortam Minas Gerais. O cronograma de intervenções determina a abertura de 131,3 quilômetros de vias marginais, 138,1 de faixas adicionais, 50 passarelas e três túneis.

O projeto prevê 11 praças de pedágio distribuídas entre a 381 e a 262. Na primeira rodovia, são cinco estações. Já na segunda, são seis postos de cobrança, mas dois estão em Ibatiba e Viana, já no território capixaba. O valor da tarifa inicial deve ficar entre R$ 7,33 e R$ 8,81. O trecho em questão tem extensão de 686,1 quilômetros, mas vai passar para 670,6 quilômetros após as obras.

No relatório do TCU, há recomendação para que as ambulâncias sejam isentas da tarifa.

A duplicação das estradas é reivindicação antiga de entidades ligadas a empresários e cidades do entorno.
 
Estagiária sob supervisão  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade