UAI
Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Flexibilidade e atualização são pré-requisitos para carreira em TI


24/10/2021 17:59

Ser versátil, acompanhar as tendências do mercado e ter uma cultura de constante aprendizado são características essenciais para os candidatos às novas profissões. Para Luciano Montezzo, da 99Hunters, a carreira do futuro é desafiadora. "Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. Por isso, as pessoas precisam ser flexíveis para acompanhar o mercado."

Gustavo Previatto, de 32 anos, é um exemplo dessa mudança provocada pela revolução tecnológica. Formado em Matemática, ele tinha planos de fazer mestrado e se tornar pesquisador ou professor da matéria. Mas sua vida tomou outros rumos quando conseguiu um estágio no Itaú. Ali, teve o primeiro contato com o mundo de tecnologia e dados.

O interesse pelo assunto o levou a estudar mais sobre esse universo. Sozinho, pesquisou materiais disponíveis na internet, aprendeu a programar e conseguiu um trabalho na Empiricus como analista de BI (inteligência de negócios). Hoje, é especialista em "machine learning" - profissional que programa, desenvolve e "treina" máquinas com capacidade de aprenderem de forma autônoma. "Valeu muito a pena mudar de carreira. Eu gosto e pagam bem", diz Previatto.

Uma característica comum desses profissionais é o desapego e a facilidade em mudar estratégias e o rumo do trabalho. A cientista de computação Daniela Canuta, de 32 anos, pretendia fazer um mestrado, mas largou tudo e foi fazer um curso de big data. Hoje, ela trabalha na startup Olívia como engenheira de inteligência artificial e de "machine learning". "Essa é a profissão do futuro, pois quase tudo a máquina consegue fazer. Hoje, o dado é o novo ouro, mas você precisa agregar contexto a ele."

Maurício Batista, de 29 anos, sabe bem o que é isso. Formado em Engenharia Civil, hoje ele trabalha na análise de dados para resolver problemas das empresas. Ele trabalhou três anos na área de construção civil, com projetos e construção de estações de água. Com a crise do setor, ele migrou para a área de consultoria de negócios e, hoje, está na Neon na área de operação de negócios.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade