Publicidade

Estado de Minas COMPRAS

Lei do Nome Limpo: novas regras facilitam a quitação de dívidas

Lei altera Código de Defesa do Consumidor para evitar endividamento excessivo. Instituições financeiras são obrigadas a renegociar débito de cliente


05/07/2021 12:47 - atualizado 05/07/2021 13:26

(foto: Fonte: Serasa Experian)
(foto: Fonte: Serasa Experian)
Foi sancionada na última sexta-feira (2/7) a Lei do Nome Limpo (nº 14.181/21), que modifica o Código de Defesa do Consumidor (CDC), trazendo regras para prevenção e tratamento do 'superendividamento' das pessoas. Com as mudanças, bancos, financeiras e empresas que vendem a prazo deverão facilitar a renegociação e a quitação de débitos dos consumidores, sem a inclusão de encargos adicionais. A lei também concede ao consumidor o direito de antecipar parcelas e obriga os credores a informar, no ato da contratação, o valor total do produto, incluindo juros e encargos em situações de atraso.

Em nota ao Correio Braziliense/Estado de Minas, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, informou que a sanção da lei demonstra a preocupação do governo federal com os milhões de brasileiros que se encontram em situação de superendividamento. “É uma grande vitória que assegura o resgate da cidadania financeira dos consumidores”, afirmou.

Levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), aponta índice preocupante de inadimplência no Brasil: quatro em cada 10 adultos no país estão com o nome sujo, somando 63 milhões de endividados. Desse total, metade tem a renda inteira comprometida. Em maio, segundo o CNDL, a média de dívidas de cada consumidor negativado foi superior a três salários mínimos, R$ 3.353,31.

Para a secretária de Defesa do Consumidor, Juliana Oliveira Domingues, a nova lei aperfeiçoa o Código de Defesa do Consumidor, que, pela parte principiológica, já podia ser interpretado em favor do cliente para esse tipo de proteção. “Houve um aperfeiçoamento no que diz respeito, especificamente, ao crédito ao consumidor, pois a lei tem mecanismos que visam realmente a prevenção e o tratamento do superendividamento, e trouxe dispositivos legais para garantir que esse crédito seja sustentável e com informações mais transparentes, potencializando a compreensão do produto pelo consumidor mais vulnerável”, afirmou Domingues.

A secretária explica que o problema do superendividamento no Brasil é crônico, e a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus agravou ainda mais a situação.“ Temos um grande grupo de consumidores que não sabe fazer planejamento orçamentário, e isso é um problema social grande. Cada vez mais pessoas vão se endividando, especialmente com o problema econômico gerado com as medidas sanitárias”, alerta.

Para a secretária, a nova lei deve aumentar o poder de compra do consumidor e, ao mesmo tempo, equilibrar as relações entre credores e devedores.“ O acesso ao crédito é extremamente importante, mas tem que ser feito de uma forma a garantir para o consumidor brasileiro maior transparência para que ele também saiba utilizar esse crédito sem cair na espiral de endividamento”, acrescenta Juliana Domingues.

SUPERENDIVIDADOS


O foco da nova lei é exatamente o consumidor superendividado, que, devido à situação de desemprego, problemas de saúde ou por qualquer outro motivo, não tenha conseguido honrar as parcelas. Essas pessoas, agora, poderão renegociar suas dívidas na Justiça, de forma simplificada.

“Se não houver êxito na conciliação em relação a quaisquer credores, o juiz, a pedido do consumidor, instaura processo por superendividamento para revisão e integração dos contratos. No prazo de 15 dias, os credores citados juntam documentos e as razões da negativa de aceder ao plano voluntário ou de renegociar”, diz a lei.

Para o advogado Leandro Nava, especialista em direito do consumidor, a Lei do Nome Limpo busca garantir, além do combate ao superendividamento, a dignidade ao consumidor. “A lei procura garantir o princípio que nós chamamos de 'dignidade da pessoa humana', para garantir ao consumidor o pagamento do seu débito, sem excluir condições mínimas de sobrevivência, como o pagamento das suas contas básicas e da alimentação”, afirma Nava.

Segundo as regras, o plano judicial compulsório de renegociação assegurará aos credores, no mínimo, o valor do principal devido, corrigido monetariamente por índices oficiais de preço.
'É uma grande vitória que assegura o resgate da cidadania financeira dos consumidores', Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
'É uma grande vitória que assegura o resgate da cidadania financeira dos consumidores', Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

PROPAGANDAS ABUSIVAS


Além das novas regras sobre renegociação de dívidas e de transparência sobre valores no ato da contratação de crédito, o novo Código de Defesa do Consumidor garante práticas de crédito responsável e proíbe propagandas abusivas no mercado de empréstimos, como anúncios do tipo “sem consulta ao SPC” ou “sem comprovação de renda”.

Além disso, proíbe o assédio ou a pressão sobre o consumidor para contratar o fornecimento de produto, serviço ou crédito, especialmente se for idoso, analfabeto, doente ou em estado de vulnerabilidade.

Além dessas proibições, o texto original propunha a coibição de propagandas de oferta de créditos ao consumidor do tipo “sem juros”, “sem acréscimos” ou “juros zeros”, pois, neste tipo de operação, os juros costumam estar “embutidos nas prestações”.

O parágrafo, contudo, foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro. “A lei não deve operar para vedar a oferta do crédito em condições específicas, desde que haja regularidade em sua concessão”, justificou o chefe do Executivo federal.

MINAS


Pelo menos 62,56 milhões de brasileiros estavam endividados em maio, mostra o Mapa da Inadimplência no Brasil, divulgado na semana passada pela Serasa. O número é 0,7% menor do que o verificado em abril, quando o indicador apontava que 62,98 milhões se encontravam nessa situação, segundo a Agência Brasil.

Apesar da ligeira diminuição do número de endividados, o valor médio de dívida por pessoa é o maior dos últimos 12 meses e está em R$ 3.937,38, alta de 1,3% em relação ao mês anterior. O valor médio de cada conta em atraso é de R$ 1.162,43.

O maior volume de dívidas está na categoria bancos/ cartão de crédito, representando 29,7% dos mais de R$ 211 milhões de débitos. Em seguida, estão as contas com luz, água e gás, com 22,3%. As compras no varejo representam 13% das dívidas dos brasileiros.

Em números absolutos, São Paulo lidera o número de negativados, com mais de 15 milhões, mais que o dobro do estado segundo colocado. O Rio de Janeiro tem 6,15 milhões e Minas Gerais, 5,9 milhões. Bahia (3,92 milhões) e Paraná (3,27 milhões) aparecem entre os cinco estados com maior número de pessoas inadimplentes.

A Serasa também aponta os brasileiros que estão buscando negociação pelo serviço Limpa Nome. A faixa etária de 31 a 40 anos foi a que mais buscouuma solução financeira para os débitos. Em seguida,vêm as pessoas com idade entre 18 e 25 anos.

SEGURANÇA


Outra pesquisa divulgada na semana passada mostra que grande parte dos brasileiros já sofreu tentativa de fraude de seus dados pessoais ou bancários. O levantamento, feito pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) revela que, para 91% dos entrevistados, esse tipo de crime aumentou durante a pandemia. Entre as fraudes mais citadas está a tentativa de uso fraudulento de cartões de crédito das vítimas.

As situações mais comuns envolvem recebimento de mensagens ou ligação telefônica com solicitação de dados pessoais ou bancários (43%) e pedido transferência de dinheiro para amigo ou parente (34%). Também foram citadas cobrança ou compra indevida no cartão de débito ou crédito (29%), invasão do e-mail ou redes sociais, com alguém assumindo o controle da conta sem permissão (18%); clonagem de celular ou WhatsApp (18%); tentativa de abertura de linha de crédito ou solicitação de empréstimo usando seu nome (15%); a invasão e acesso a dados bancários (14%).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade