Publicidade

Estado de Minas

Preços do quilo de comida variam até 580% em BH

Pesquisa realizada entre 24 e 27 de agosto avalia como restaurantes reagiram à pandemia e recomenda atenção dos consumidores às ofertas da alimentação fora de casa


31/08/2020 10:49

Restaurantes retomam de forma gradual o atendimento presencial em BH, mas preços estão mais salgados(foto: flickr.com)
Restaurantes retomam de forma gradual o atendimento presencial em BH, mas preços estão mais salgados (foto: flickr.com)

Os preços pagos pelo quilo de comida em restaurantes self-service de Belo Horizonte caíram, em média, 4% em relação a fevereiro. Entretando os os valores cobrados, em agosto, variam entre R$11,00 até R$74,90, (580%) dependendo da localização e da variedade de alimentos oferecidos. Os dados são da pesquisa do site Mercado Mineiro, realizada entre 24 a 27 de agosto, ouvindo 85 estabelecimentos. Normalmente os levantamentos levam em conta 100 endereços, mas 15 não respoderam ou estavam fechados devido a pandemia.
Para os clientes que preferem as opções mais baratas, os resultados apontaram também variação elevada. O prato feito (PF), muito popular na capital, foi apontando com a segunda maior variação de valor, 329%. Esta escolha pode custar ao bolso do consumidor entre R$10 e R$42,90.
 
Quem compra comida em restaurante e leva para casa ou trabalho paga entre R$10 e R$28, no marmitex grande (uma variação de 180%) e no pequeno entre R$8 e R$19, (variação de 137%).  O levantamento apontou variação de 125% no preço suco natural de laranja, de 300ml,  que pode ser encontrado entre R$4 e R$9. Já o refrigerante em lata de 350ml varia de R$3,80 a R$6,50, (diferença de 71%).
 
De acordo com Feliciano Abreu, do Mercado Mineiro, "as variações entre os estabelecimentos são sempre muito grandes e justificáveis em virtude da variedade de opções, localização e em alguns casos devido a qualidade." Mas a elevação de preços pode ser justificada pelo tempo que os restaurantes ficaram parados, acumulando prejuízos, e na volta se depararam com aumento de preços das carnes e do arroz, ítens comuns na alimentação do brasileiro. Ele sugere que consumidores e comerciantes busquem um equilíbrio e busquem no aplicativo do Mercado Mineiro as melhores ofertas. "Afinal ninguém teve aumento de salário também."
 
A variação de preços médios calculados entre fevereiro, antes da quarentena, e agosto, já com  retomada gradual do atendimento dos restaurantes, apontam que prato feito subiu de R$17,09 para R$19,88, um aumento de 16%. O marmitex grande foi de R$14,08 para R$16,66 (18%). E o pequeno de R$10,65 para R$12,68 (19%). O suco de laranja natural, com variação de 2,5%  subiu de R$5,29 para R$5,42. 
 
Sobre os preços cobrados em rodízios na Capital, as variações chegaram a 69%, por pessoa, no fim de semana e feriados apresentando valores entre R$52,90 e R$89,90.  Os dias de semana têm preços um pouco mais em conta, entre R$42,90 até R$79,90, mas a variação é significativa 86%. 
 
Em virtude das promoções que estão ocorrendo na reabertura desse segmento, o preço médio durante o fim de semana, que em novembro do ano passado era de R$70,44, caiu para R$69,15, uma redução de 1,83%. O valor durante a semana que era de R$72,32 caiu para R$62,82, redução de 13%.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade