Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Pequenos negócios que ampliaram faturamento durante a crise

Levantamento feito pelo Sebrae mostra que, apesar da queda no faturamento de 88% dos entrevistados, 400 mil empresas registraram aumento médio de 47% na receita


postado em 29/04/2020 04:00 / atualizado em 29/04/2020 08:04

A maior parcela dos entrevistados aposta fortemente nas vendas on-line, principalmente no setor de alimentos(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
A maior parcela dos entrevistados aposta fortemente nas vendas on-line, principalmente no setor de alimentos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

São Paulo – Flexibilidade e resiliência. São esses os dois principais atributos que têm garantido a sobrevivência e o faturamento das pequenas e médias empresas brasileiras na crise. Isso porque donos de pequenos negócios que se adaptaram mais rapidamente ao momento de pandemia estão com mais chances de se manter no mercado, segundo pesquisa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O levantamento mostra que, para além do amplo impacto negativo para quase 88% dos empresários, alguns segmentos, mesmo afetados pelo avanço do novo coronavírus, como o comércio varejista e o ramo de alimentos e bebidas, conseguiram equilibrar o fluxo de caixa e até registrar crescimento no faturamento. O estudo, que ouviu 6.080 empreendedores de todo o país, concluiu que 400 mil pequenos negócios tiveram aumento médio de 47% na receita.
 
De acordo com o presidente do Sebrae, Carlos Melles, pequenas empresas que passaram a inovar e mudaram seu modelo de negócio estão conseguindo se manter. “Observamos que, ainda que em um percentual baixo, se comparado ao resultado macro da pesquisa, os empresários que enxergaram oportunidades e se reinventaram saltaram na frente dos outros. Segundo nossa pesquisa, entre as micro e pequenas empresas que tiveram crescimento na receita durante a crise, cerca de 48% mudaram o modo de funcionamento, apostando mais em entregas on-line e serviços na internet”, disse o executivo.
 
Entre os 14 segmentos analisados na sondagem, restaurantes, lanchonetes, marmitarias e afins, são exemplos de como a adaptação e a inovação podem render resultados positivos. No segmento de alimentos e bebidas, por exemplo, 92% dos que aumentaram o faturamento adaptaram o negócio ao modelo de entrega (delivery). Percebemos que os empresários que apresentaram crescimento no faturamento encontraram uma oportunidade de negócio, conseguiram capturar o mercado. Muitos deles já faziam entregas e investiam em marketing digital,” destacou o Melles.
 
A maior parcela dos entrevistados aposta fortemente nas vendas on-line (41,9%), mas um percentual igualmente representativo reduziu o horário para minimizar os gastos e ganhar fôlego (41,2%). O teletrabalho ocupa o terceiro lugar no ranking que elenca as principais medidas adotadas pelos pequenos para se manter de pé em meio aos abalos sísmicos causados pela COVID-19 (21,6%).

PROCURA


O número de empreendedores que buscam o Sebrae neste momento de crise causada pelo avanço do Coronavírus teve um aumento significativo. Segundo a entidade, entre 18 e 24 de março, cresceu 49% a quantidade de visitas ao Portal Sebrae em relação à semana anterior, com 1,1 milhão de acessos e 767 mil usuários, entre novos e antigos. O período coincide com o anúncio das principais medidas de contenção da pandemia no país, com a determinação do distanciamento social, suspensão de serviços e fechamento do comércio nas principais capitais brasileiras.
 
O portal Sebrae alcançou 5,1 milhões de acessos no mês de março, com 3,2 milhões de usuários, o que representa um acréscimo de 73% de acessos em relação a fevereiro. O perfil dos usuários é de maioria de mulheres, principalmente jovens entre 18 e 34 anos. Entre os serviços mais acessados no portal, destacam-se os cursos on-line totalmente gratuitos. Um dos mais procurados é o curso sobre gestão financeira, que registrou um crescimento de 370% na procura. Outro curso muito procurado é de marketing digital para o empreendedor.
 
Para a analista de relacionamento com o cliente do Sebrae, Nadja Nahuz, o aumento do número de empreendedores que buscam os serviços do Sebrae neste momento de crise demonstra um reconhecimento da instituição como ponto de apoio importante para superar os desafios. “Ao analisarmos os acessos ao portal, percebemos que aumentou de 29% para 38% os acessos diretos ao portal, ou seja, aqueles que acontecem sem passar pelos sites de busca”, destacou.

Além de webinários diários, produzidos pela rede Sebrae nos estados, o Portal Sebrae oferece desde 20 de março uma página exclusiva com orientações para os empreendedores enfrentarem a pandemia. Nela, o empresário encontra dicas e conteúdos específicos para proteger o negócio e minimizar os prejuízos. Recente pesquisa do Sebrae revelou que 89% dos pequenos negócios já enfrentam queda no faturamento.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade