UAI
Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Medo do coronavírus provoca corrida a supermercados em BH

Segundo gerente, alguns produtos já começam a faltar nas prateleiras


postado em 16/03/2020 22:10 / atualizado em 16/03/2020 22:56

Por medo do coronavírus, consumidores encheram os carrinhos(foto: Tulio Santos/EM/D.A. Press)
Por medo do coronavírus, consumidores encheram os carrinhos (foto: Tulio Santos/EM/D.A. Press)

Nem na greve dos caminhoneiros vi nada parecido.” As palavras são do gerente de um supermercado localizado no Bairro Serra, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. O que causou espanto no funcionário foi a corrida de clientes à loja onde ele trabalha. Pessoas comprando alimentos para serem estocados em casa, por causa da pandemia de coronavírus.

 

“Começamos a vivenciar, desde sexta-feira, um aumento expressivo no volume de vendas. Pessoas comprando muitas coisas, principalmente da parte de higiene e limpeza e produtos básicos como arroz e feijão. Está sendo fora do normal, fora da curva. Tenho 12 anos de varejo e nunca vi o que estou vendo agora”, disse o gerente. Ele contou ainda que muitos consumidores estão indo ao supermercado usando máscara e luvas.

 

Na fila do supermercado, foi possível ver carrinhos abarrotados, principalmente de alimentos e produtos de limpeza. “Estou fazendo compra para mim e para minha mãe. Ela tem 75 anos e queria sair para fazer as compras hoje. Falei: ‘Não, mãe, fica em casa! Você está no grupo de risco. Eu faço as compras e levo para você.’ É uma compra para duas casas. Não quero que ela saia”, disse a arquiteta Adriana Paiva, de 49 anos, que estava na fila com um carrinho lotado de mantimentos e itens de higiene.

 

Sem o costume de levar tantos produtos para casa, Adriana disse não ter ideia de quanto gastaria a mais pela compra. Dentre os vários itens desejados, um ficou de fora do carrinho, pois não foi encontrado na prateleira: “Faltou papel higiênico.”

 

A servidora pública Carolina, de 39, não sentiu falta de nenhum item e deixou o supermercado levando tudo o que queria. Ela contou que fez uma compra maior do que normalmente faz, para diminuir as saídas de casa e para ter um estoque de produtos. “Estou querendo garantir as coisas que tenho costume de comprar. Tenho receio de faltar. As aulas foram suspensas em algumas escolas a partir de amanhã. Em vários lugares, as pessoas não estão podendo mais ir para o trabalho, vão fazer home office. Acho que as pessoas vão começar a entrar em pânico um pouquinho e as coisas vão começar a faltar”, projetou a servidora.

Escassez de produtos

Alguns produtos como papel higiênico e açúcar já começam a sumir das prateleiras(foto: Humberto Martins/EM/D.A. Press)
Alguns produtos como papel higiênico e açúcar já começam a sumir das prateleiras (foto: Humberto Martins/EM/D.A. Press)
Na visita ao supermercado, foi possível perceber que alguns produtos já estão disponíveis em menor quantidade. Apesar do ritmo acelerado dos repositores, itens como papel higiênico, sabão em pó, carne, amaciante de roupas, macarrão, açúcar farinha começam a rarear.

 

Álcool em gel desde quarta-feira não tinha. Hoje chegou uma quantidade, mas não durou uma hora nas prateleiras. Papel higiênico acabou hoje de manhã. Ainda não teve reposição, mas vai ter nesta semana. Pão de forma, o que chegou foi para a loja e acabou”, contou o gerente do supermercado.

“Loucura”

Apesar do grande fluxo de consumidores no supermercado, há quem discorde da atitude de estocar produtos. O advogado João Barbosa, de 55 anos, é um deles. “Acho uma loucura! É insano! As pessoas estão ficando malucas! Não tem crise de desabastecimento. Não estou entendendo. As pessoas estão passando da razoabilidade”, analisou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade