Publicidade

Estado de Minas DESCONTOS À VISTA

Black Friday: megaliquidação tem carros e imóveis com descontos atrativos

Descontos e isenção de taxas já são oferecidos por concessionárias de veículos de Belo Horizonte e construtoras que aderiram à megacampanha. Algumas ações prosseguem até 2 de dezembro


postado em 24/11/2019 04:00 / atualizado em 25/11/2019 13:42

A Black Friday começou desde o último dia 18 na Concessionária Jeep, no Bairro Sion(foto: Pixabay)
A Black Friday começou desde o último dia 18 na Concessionária Jeep, no Bairro Sion (foto: Pixabay)
 
A Black Friday, campanha de megapromoções do comércio em novembro, já está incorporada ao calendário de quase todos os setores do varejo. Até mesmo produtos de alto valor, como carros e imóveis, entraram na onda da liquidação inspirada no varejo dos Estados Unidos. Concessionárias de veículos e construtoras lançaram as ações de marketing há dias, preparadas para aproveitar as oportunidades abertas pela data oficial do evento, a sexta-feira, 29 de novembro. Além de descontos nos preços, as empresas anunciam condições facilitadas na aquisição dos bens e, inclusive, a isenção de taxas que envolvem os negócios.
 
Revendedora em Belo Horizonte dos veículos das montadoras Fiat e Jeep, a Tecar participa há pelo menos quatro anos da megaliquidação e quer repetir a dose neste ano. Segundo Hendson de Assis, gestor de Vendas da unidade instalada no Bairro Sion, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, as promoções estão sendo anunciadas desde o último dia 18.
 
Neste ano, a Tenda Imóveis lançou suas promoções, dentro da Black Friday, na quinta-feira. Os descontos podem chegar a R$ 26 mil, segundo a construtora(foto: Construtora Tenda/Divulgação)
Neste ano, a Tenda Imóveis lançou suas promoções, dentro da Black Friday, na quinta-feira. Os descontos podem chegar a R$ 26 mil, segundo a construtora (foto: Construtora Tenda/Divulgação)
 
 
O modelo Mobi, da fabricante italiana, deve ser negociado a R$ 35.990 no período da campanha, enquanto o preço de tabela é de R$ 42.990. A caminhonete Toro deve custar R$ 87 mil, ante R$ 103 mil normalmente. Por fim, o preço do Jeep Renegade deve cair de R$ 81.590 para R$ 76.990 durante a Black Friday. Hendson Assis afirma que os descontos para o consumidor devem ficar na faixa de 12%, em caso de pessoas físicas. “Com certeza, é importante a participação do nosso setor (na megapromoção). É mais uma chamada para o cliente”, afirma.
 
A Carbel, concessionária da montadora Volkswagen, adotou promoções em praticamente toda a linha de veículos, e vai oferecer taxas subsidiadas da semana que vem até dia 30. De acordo com o gerente da unidade localizada na Avenida Cristiano Machado, na região Nordeste de BH, Rodrigo Pla, tanto os modelos mais caros quanto os populares, da linha 2020, serão vendidos com a nota fiscal de fábrica.
 
O modelo T Cross Confortline, por exemplo, deve passar a custar R$ 94.900, redução em comparação à tabela original de R$ 101.490. O preço do Gol sairá de R$ 47.020 para R$ 42.590 ao longo da campanha de vendas. O gerente da loja acredita que é uma oportunidade de atrair clientes. “Está virando uma cultura, as próprias montadoras estão aderindo”, diz o executivo.

Isenção de taxa

 

 

No comércio de imóveis, o apetite das empresas não é menor. A mineira MRV, maior construtora e incorporadora do segmento de imóveis populares do Brasil, criou campanha dirigida aos consumidores com renda inferior a R$ 3 mil por mês, que valerá para todo o estoque de apartamentos. Nas unidades prontas, está sendo ofertada a isenção da taxa de condomínio do cliente por um ano. Além disso, alguns apartamentos também terão a documentação gratuita, com isenção do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o registro do imóvel.
 
As promoções já estão valendo desde ontem. A companhia fez parceira com o aplicativo de viagens Uber para levar os clientes até os pontos de antedimento. “Essa é uma grande oportunidade para as pessoas aproveitarem, não só as nossas condições comerciais, mas também o 13º salário e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para comprar algo que realmente poderá transformar suas vidas”, diz o diretor de Marketing da construtora, Rodrigo Resende.
 
Neste ano, a Tenda Imóveis lançou suas promoções, dentro da Black Friday, na quinta-feira, e elas valerão até 2 de dezembro. A empresa organizou feirão para ofertar apartamentos inseridos no programa Minha casa, minha vida, de subsídio a moradias destinadas à população de baixa renda. Através de subsídio do programa de habitação do governo federal, os descontos nos imóveis podem chegar a R$ 26 mil, dependendo com a renda familiar e o município. 
 
A parcela de entrada no negócio também será facilitada, com a isenção do ITBI, e a possibilidade de parcelamento da compra em até 60 vezes. Em BH, os imóveis participantes da campanha custam R$ 160 mil e nas demais cidades da região metropolitana da capital os apartamentos custam R$ 128 mil. O diretor-executivo de Marketing da Tenda, Luís Martini, conta que este é o terceiro ano consecutivo em que a empresa participa da Black Friday.
 
“Para nós, é muito importante participar de campanhas como essa”, comenta. O executivo sustenta que embora muitos consumidores comprem eletrodomésticos e smartphones nesta época, uma parcela de entrada na compra de um apartamento pode ser igual ou eventualmente mais barato que o valor desses produtos.

Alavanca

 
Segundo o diretor comercial da MRV, Rodrigo Maia, há cinco anos a Black Friday entrou no conjunto de ações da empresa. “Enquanto incorporadora com foco no público econômico, não tem como ficar de fora”, diz. Na avaliação de Maia, o mercado de imóveis está em um momento “extremamente oportuno” com a redução das taxas de financiamento. A expectativa da empresa é boa para a data da megaliquidação. “Deve alavancar as vendas, que é a nossa meta”, afirma.
 
Em 30 de outubro, a Caixa Econômica Federal cortou pela terceira vez, em 2019, os juros do financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a taxa mínima permitida foi a 6,75% ao ano e a máxima a 8,5% anuais. De acordo com a análise da confederação, o movimento da Caixa – que detém 70% do crédito imobiliário no país – deve estimular a demanda pela modalidade de financiamento, ainda mais se as outras instituições financeiras fizerem o mesmo.

*Estagiário sob supervisão da subeditora Marta Vieira


Publicidade