Publicidade

Estado de Minas

Após escândalo de desvio de recursos, Nissan endurece relação com Renault

Novo presidente da montadora japonesa tem a missão de melhorar relação com a francesa, mas, sob pressão de acionistas, prega igualdade de forças e melhoria nos controles internos


postado em 26/06/2019 06:00 / atualizado em 26/06/2019 08:31

Hiroto Saikawa foi nomeado novo presidente da Nissan e prometeu ser firme na relação com a Renault(foto: Behrouz Mehri/AFP )
Hiroto Saikawa foi nomeado novo presidente da Nissan e prometeu ser firme na relação com a Renault (foto: Behrouz Mehri/AFP )
São Paulo – Enquanto Carlos Ghosn aguarda seu julgamento na cela de uma prisão de Tóquio, a Nissan tenta seguir em frente depois de um dos maiores escândalos da história global das montadoras.

Ontem, os acionistas da marca japonesa aprovaram um novo organograma. O objetivo é melhorar os controles internos após a prisão de Ghosn, seu ex-CEO, em dezembro do ano passado, sob acusação de desvio de recursos para fins pessoais.

Também pesa no momento a tensão com a Renault, sua sócia francesa. Em assembleia geral ordinária, Hiroto Saikawa foi confirmado como presidente-executivo da Nissan.

Os acionistas aprovaram ainda a nova composição do Conselho de Administração, que a partir de agora contará com 11 integrantes – sete deles são gestores externos. O novo modelo foi colocado em prática para a adoção do novo sistema, que ocorre depois de o escândalo envolvendo Ghosn ter debilitado a aliança Renault-Nissan, desenhada pelo ex-executivo, nascido no Brasil, criado no Líbano e com cidadania francesa.

A Renault detém 43% da Nissan. Já o grupo japonês é dono de apenas 15% da montadora francesa, sem ter direito a voto. A assembleia da montadora asiática foi acompanhada pelo presidente da Renault, Jean-Dominique Senard, que garantiu tentar minimizar as tensões na aliança desde que assumiu o posto.

Apesar da declaração de Senard, do lado da Nissan o discurso vai em outra direção. Saikawa falou aos acionistas sobre seu desejo de preservar o espírito de igualdade na relação com o parceiro francês. “Queremos uma relação ganha-ganha com a Renault. A aliança tem sido bem-sucedida até agora porque respeitamos a independência um do outro”, disse Saikawa.

Essa foi uma das afirmações feitas durante quase três horas de uma assembleia interrompida por alguns protestos, com parte dos acionistas cobrando do presidente-executivo da Nissan e do conselho da montadora esse equilíbrio de forças. Ao mesmo tempo, Saikawa terá de recuperar a confiança na relação com a Renault, que se depaupera à medida que a companhia europeia tenta avançar ainda mais em controle na Nissan.

Apesar da missão de estreitar os laços com a montadora francesa, o presidente-executivo da Nissan foi duro nas palavras durante a reunião com os acionistas. “Se necessário, vamos colocar nossa estrutura de capital na mesa. Se o relacionamento se tornar um ganha-perde, se romperá muito rapidamente.”

MERCADO BRASILEIRO 


Por aqui, a Nissan começou o ano com queda nas vendas, como mostram os dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No acumulado de janeiro a maio (dado mais recente), a montadora chinesa licenciou 33.251 veículos leves, contra 36.505 nos primeiros cinco meses de 2018; retração de 8,9% no comparativo.

A Renault, por sua vez, apresentou  crescimento bem relevante no mesmo período. O total de veículos leves licenciados até maio foi de 83.015, ante 65.082 nos primeiros cinco meses do ano passado, o que resultou em aumento de 27,6%. O crescimento médio do mercado brasileiro nesse intervalo foi menos da metade do que conseguiu a montadora francesa, 11,3%.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade