Publicidade

Estado de Minas

Fim do Exame da Ordem preocupa OAB

O Brasil conta com um dos maiores números de advogados do mundo - e o contingente não para de crescer


postado em 28/02/2019 06:00 / atualizado em 28/02/2019 10:06


O Projeto de Lei 832, apresentado pelo deputado federal José Medeiros, do Podemos, partido que faz parte da base aliada do governo, está tirando o sono dos advogados. Ele propõe o fim do Exame de Ordem para ingresso na advocacia, sob o argumento de que “a eliminação da exigência do exame da OAB é uma forma de garantir o direito dos formados de exercerem a atividade de advogado.” A ideia preocupa a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que teme um enfraquecimento da advocacia e o ingresso de uma multidão de novos profissionais no mercado de trabalho. A preocupação se justifica. O Brasil conta com um dos maiores números de advogados do mundo – e o contingente não para de crescer. Em novembro de 2016, superou a marca de 1 milhão de advogados com registro profissional válido. Desde então, 177 profissionais estreiam na carreira diariamente, formados em uma das 1.561 universidades estabelecidas no país.

Energia 1
Enel não resiste à temporada de chuvas em São Paulo
Em junho do ano passado, a multinacional italiana Enel comemorou com estardalhaço a compra da paulista Eletropaulo, o que a tornou líder em distribuição de energia no Brasil. Oito meses depois, os italianos estão fazendo feio ao enfrentar a primeira temporada de chuvas em São Paulo. Alguns bairros da capital paulista e diversos municípios na região metropolitana que foram atingidos por uma tempestade (foto) completaram na tarde de ontem 48 horas sem energia.
 
Energia 2

Consumidores sofrem e ações da Enel sobem
A ironia da história é que enquanto os consumidores sofriam com o caos provocado pela ineficiência da Enel, as ações da empresa subiam na Bolsa de São Paulo. No final da tarde de ontem, os papéis chegaram a avançar 2%. Como se deu o milagre? Ele foi resultado da melhor performance financeira da companhia, que diminuiu em 64% o prejuízo de 2018. Não custa perguntar: se há mais dinheiro no caixa, a Enel não deveria tratar melhor os consumidores?
 
Energia 3
Enel diz que investiu R$ 1,3 bilhão na modernização da rede
Procurada pela coluna, a Enel diz que em 2018 investiu R$ 1,3 bilhão na modernização da rede de distribuição, principalmente em sistemas de automação e novas subestações. Segundo a empresa, os aportes superaram recordes históricos na companhia. Em relação ao temporal em São Paulo, a Enel garante que reforçou em 480% as equipes em campo: “São 3,9 mil técnicos atuando no restabelecimento de energia para os clientes que tiveram o fornecimento afetado”.  

RAPIDINHAS

. Salim Mattar (foto), secretário de Desestatização e Desinvestimento do governo Jair Bolsonaro, afirmou ontem que, nos próximos meses, a equipe econômica vai focar na aprovação da reforma da Previdência. “Essa é a mãe de todas as reformas”, disse Mattar durante evento do BTG Pactual, em São Paulo.

. O fundador da Localiza também afirmou que o governo pretende acelerar as privatizações. “Estamos elaborando um plano minucioso para que as desestatizações ocorram sem falhas”, disse. Entre as privatizações previstas, o secretário sinalizou que a venda da Eletrobras deve ser realizada ainda em 2019.

. “Tem que acontecer. Precisamos desses R$ 12 bilhões que ela deverá render. ”Apesar de as ações dos grandes bancos negociadas na Bolsa de São Paulo subirem em 2019, o cenário pode não ser tão positivo no longo prazo. Para Guilherme Aché, sócio da Squadra Investimentos, os bancos de varejo tendem a sofrer com o surgimento de novas fintechs, que oferecem serviços mais baratos. Segundo ele, essa é uma tendência irreversível.

. Aché apresentou uma análise completa desse mercado durante evento do BTG Pactual, em São Paulo. “Quando o peso de determinado setor no Ibovespa fica muito grande, é hora de ficar atento”, disse o executivo. “Os grandes bancos têm participação superior a 25% no índice.”

"Se a esquerda gritar, eu vou gritar mais alto”
. João Doria, governador de São Paulo

32,2% foi quanto cresceu, com recursos da poupança, o crédito imobiliário em janeiro ante igual mês do ano passado, segundo dados da Abecip, instituição que representa as financiadoras de imóveis 


Publicidade