Publicidade

Estado de Minas

Joaquim Levy critica subsídios

Subsídio é um mecanismo de acomodação. Quem recebe arruma um cantinho e tenta levar a vida desse modo


postado em 27/02/2019 06:00 / atualizado em 27/02/2019 08:10


Joaquim Levy, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), defendeu ontem a revisão dos subsídios concedidos pelo governo brasileiro para diversos setores da economia. A declaração foi feita na 20ª edição do CEO Conference, evento do banco BTG Pactual realizado em São Paulo. No encontro, o ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff criticou os rotineiros incentivos concedidos pelo Estado brasileiro às empresas. “Subsídio é um mecanismo de acomodação”, afirmou Levy. “Em vez de tentar consertar o problema, quem recebe o benefício arruma um cantinho e tenta levar a vida desse modo.” Questionado sobre o s empréstimos do BNDES para países como Venezuela e Cuba nos anos petistas, Levy declarou que uma parcela do dinheiro emprestado deve ser recuperada, mas reconheceu que a devolução dos recursos por parte dos venezuelanos vai “envolver uma grande negociação internacional”.  

Cubo Itaú e Schneider Electric lançam ar-condicionado “democrático”
A nova sede do Cubo Itaú, hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico, passou a contar com mecanismos de automação predial da Schneider Electric, multinacional francesa da área de automação. Entre outras novidades, o edifício em São Paulo terá ar-condicionado “democrático”. Em vez de acionar uma central pedindo a mudança de temperatura, os usuários do espaço acessam o site para votar a favor do clima que lhes agrada mais. De acordo com o resultado, o sistema regula automaticamente o ambiente.

Empresário brasileiro investe em combustível   no Paraguai
O governo do Paraguai e o ECB Group, holding de investimentos do empresário brasileiro Erasmo Carlos Battistella, assinaram um acordo para a construção de uma planta de combustíveis renováveis na cidade de Villeta, a 40 quilômetros da capital, Assunção. Segundo os envolvidos, os aportes chegarão a US$ 800 milhões. A ideia é produzir diesel para aviação civil e militar. Em uma década, o projeto deverá adicionar US$ 8 bilhões ao PIB paraguaio.

Roupas para esqui ganham espaço no Brasil

 

Fundada em 2010 por Laura Zanni, uma ex-campeã mundial de iatismo, a Benevento tem conquistado espaço no Brasil com um produto inusitado: roupas para esquiadores. O negócio começou como um projeto familiar sem muita ambição, mas agora virou coisa séria. Já são duas lojas em São Paulo e outra em Campinas, no interior paulista. Laura não revela valores, mas diz que cresce acima de dois dígitos há bastante tempo ao oferecer roupas para esqui com valor médio de R$ 2 mil.

77% dos deputados consideram que a reforma da Previdência é primordial para o país, segundo pesquisa da XP/Ipespe realizada com 212 parlamentares. Outros 18% afirmaram que a mudança não é necessária e 5% não quiseram opinar

"Nossa dívida é cara demais, maior do que projetamos e diminui muito lentamente”
.Warren Buffett, bilionário americano, sobre a compra da Kraft pela Heinz. Nesta semana, a Kraft Heinz divulgou seu balanço com uma baixa contábil de US$ 15,4 bilhões

RAPIDINHAS

A discussão da reforma da Previdência inflou a procura por planos privados. Na Ciclic, primeira fintech de seguros a oferecer a contratação de previdência privada de forma 100% on-line, a contratação de planos cresceu 115% no último trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período do ano anterior.  

A fabricante brasileira de baterias Moura, a empresa de transporte público Eletra e a americana Xalt Energy, especializada em tecnologias de armazenamento de energia, firmaram uma parceria para a produção do primeiro ônibus elétrico 100% fabricado no Brasil. As empresas não definiram uma data para o lançamento do veículo.

Desde julho do ano passado, quando o Banco Central liberou a portabilidade de salários para contas digitais, 140 mil trabalhadores mudaram de banco. Fintechs como banco Inter e Nubank foram os principais destinos. Os apelos para a transferência são a desburocratização e o alto preço cobrado pelos serviços nos bancos tradicionais.

A americana Hewlett Packard Enterprise (HPE), empresa de tecnologia para o mercado corporativo, e a fabricante de pneus alemã Continental anunciaram uma plataforma de compartilhamento de dados de veículos. A novidade vai ser oferecida para o mercado em 2019 por meio de blockchain, a tecnologia das moedas virtuais.  

 


Publicidade