Publicidade

Estado de Minas

A ameaça das criptomoedas

Houve um surto global de mineração mal-intencionada de criptomoeda


postado em 06/12/2018 06:00 / atualizado em 06/12/2018 08:21

(foto: )
(foto: )

As criptomoedas estão gerando oportunidades de negócios – principalmente para os hackers. Segundo a Kaspersky Lab, empresa russa especializada em segurança na internet, o principal vetor de infecção que possibilitou a “corrida do ouro” das criptomoedas foi a instalação e o uso de software e conteúdos não licenciados. Houve um surto global de mineração mal-intencionada de criptomoeda, que resultou em um aumento de mais de 83% no número de ataques, com mais de 5 milhões de usuários afetados nos primeiros noves meses do ano. No mesmo período de 2017, o total de atingidos não passou de 2,7 milhões. “A correlação é clara: quanto mais fácil é distribuir software não licenciado, mais incidentes de malware para mineração de criptomoedas foram detectados”, diz Evgeny Lopatin, especialista em segurança da Kaspersky Lab. “Atividades que normalmente não são consideradas perigosas sustentam o que deve ser a maior ciberameaça deste ano.”

Vendas da Man crescem mais de 40%
A fabricante de caminhões Man deve encerrar 2018 com aumento de mais de 40% nas vendas. “Começamos a retomar os níveis pré-crise”, diz o presidente Roberto Cortes. A empresa está no início de um novo ciclo de investimentos no país, que prevê aportes de R$ 1,5 bilhão nos próximos 5 anos. “Eu sinto que a confiança dos empresários brasileiros vem aumentando”, afirma Cortes. Para 2019, a previsão é avançar também acima de dois dígitos.

Portugal 1: Desemprego em queda
Portugal não para de fornecer boas notícias. Em outubro, segundo o Eurostat, a taxa de desemprego no país chegou a 6,7%. Um ano atrás, o índice era de 8,4%. Grécia (18,9%) e Espanha (14,8%) mantêm as taxas mais altas da região. As mais baixas ficaram novamente com Alemanha (3,3%) e Croácia (2,2%). Além disso, o país é o que tem gerado mais empregos qualificados, aqueles que exigem no mínimo formação superior, e o mais atrativo para startups entre as nações do Velho Continente.

Portugal 2: Preço dos imóveis em alta
O extraordinário momento econômico de Portugal tem seduzido, como se sabe, uma legião de estrangeiros, principalmente brasileiros. Resultado: os preços dos imóveis aceleram sem parar. Segundo estudo da agência Moody’s, eles vão subir 8% ao ano até 2020, mais do que em qualquer nação europeia. As principais cidades do país lideram a disparada. Desde 2016, segundo o Instituto Nacional de Estatística, a valorização dos imóveis foi de 47% em Lisboa (foto) e 34% no Porto.

13,72%
Foi quanto avançaram os preços das commodities entre janeiro e novembro de 2018 ante igual período de 2017. Os dados são do Índice de Commodities Brasil (IC-Br)  


"As redes sociais estão tornando as pessoas más, tristes e paranoicas"
. Jaron Lanier, cientista de computação americano e maior especialista do mundo em realidade virtual

 

RAPIDINHAS


. Se as vendas de veículos novos cresceram 14,1% em 2018, os negócios com usados vão encerrar o ano no 0 a 0. Entre janeiro e novembro, 10,1 milhões de veículos trocaram de dono, apenas 0,5% a mais do que nos mesmos meses de 2017. O fraco desempenho tem uma razão óbvia: o aquecimento das vendas de novos.

. Ainda sobre o setor de automóveis: as vendas de importados aceleraram 29,4% nos 11 primeiros meses do ano ante igual período de 2017.                                   O índice (34,2 mil emplacamentos) é bom, mas não ótimo: a meta era encerrar 2018 com 40 mil unidades comercializadas, o que não irá acontecer. As marcas campeãs de vendas foram a Kia Motors (10,7 mil veículos  até novembro), Volvo (6,1 mil) e JAC Motors (3,7 mil).
. A companhia aérea Azul irá ampliar suas operações no aeroporto de Confins, em BH. A partir de 4 de fevereiro de 2019, entram na malha regular da empresa voos diários da capital mineira para Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. Com isso, a Azul passará a operar, a partir de Confins, 92 voos diários para 43 destinos.

. O comércio de material de construção está feliz da vida. No acumulado do ano, as vendas avançaram 6,5%.  Mas o setor acha que isso é só o começo. O investimento do novo governo em obras de infraestrutura pública deve gerar nova onda de negócios. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade