Publicidade

Estado de Minas

Bons ventos na economia

Entre janeiro e novembro, os pedidos de falência recuaram 14,7%, segundo dados da Boa Vista SCPC


postado em 05/12/2018 06:00 / atualizado em 05/12/2018 08:13

(foto: )
(foto: )

Apesar de a recuperação econômica estar distante do ritmo ideal, alguns indicadores demonstram que ela começa a ser sentida com mais intensidade por empresas e trabalhadores. Entre janeiro e novembro, os pedidos de falência recuaram 14,7%, segundo dados da Boa Vista SCPC. Se as empresas não quebram, significa que o país tem oferecido melhores condições para que prosperem – eis a tradução do número acima. O noticiário tem sido pródigo em boas notícias. Ontem, o IBGE divulgou que a produção industrial brasileira avançou 0,2% entre setembro e outubro. É pouco, mas deve-se olhar o número em perspectiva: foi a primeira variação positiva após três meses de quedas. Também nesta semana, os economistas das instituições financeiras reduziram a estimativa para a inflação de 2018 de 3,94% para 3,89% e há alguns dias o IBGE relevou que os investimentos estão acelerando em torno de 5% ao ano. Ainda é pouco perto do que o Brasil precisa, mas é inegável que a tempestade ficou para trás.

Rio cai em ranking das mais visitadas

 

Depois de ser a cidade anfitriã dos Jogos Olímpicos em 2016, a capital brasileira do turismo apresentou uma queda de 2,5% no número de chegadas internacionais em 2017, segundo a consultoria Euromonitor. O desempenho fez com que a cidade caísse oito posições no ranking, para se tornar a 94ª mais visitada do mundo. Em 2018, é esperada uma recuperação, com crescimento de 2,4%. Apesar disso, o Rio passará a ocupar a posição 101ª entre os campeões do turismo.

Morte de cachorro gera crise de imagem no Carrefour

 

Um dos assuntos mais comentados no Twitter brasileiro nos últimos dias é a morte de um cachorro na loja do Carrefour de Osasco, na Grande São Paulo. Segundo ativistas, o cão foi morto a pauladas por um segurança da empresa, que teria recebido a orientação de se livrar do animal porque o lugar seria visitado por executivos graduados. Ontem, a empresa montou um gabinete de crise para debater o problema. Um boicote maciço defendido nas redes sociais é o que preocupa a direção do grupo.

O avanço da reciclagem de animais
Se a reciclagem de metais, papéis e plásticos é algo consolidado no Brasil, um novo mercado vem crescendo no país: o de reciclagem de animais. Uma das maiores empresas do setor, a Eurotec Nutrition, que atende gigantes como JBS e Aurora, está multiplicando os negócios ao transformar, após o abate, partes não comestíveis de aves, suínos, bovinos e peixes em ração, farelos e grãos voltados à nutrição animal, além de produtos de limpeza e biodiesel. A linha de aditivos inclui mais de 100 produtos.

600 vagas
foram abertas pela Mercedes-Benz na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. É mais um sinal de que a retomada é para valer. Com isso, a empresa volta a adotar os sistemas de dois turnos na linha de produção de caminhões, o que não acontecia desde 2014

RAPIDINHAS

A empresa alemã Jungheinrich, segunda maior empresa de intralogística na Europa e líder global em bateria de lítio, vai ampliar seus negócios no Brasil. Neste mês, começa a funcionar, na sede da empresa, em Jundiaí, um novo centro de treinamento, que promoverá capacitação para toda a área comercial da América Latina.

A rede de hotéis Marriot admitiu ter sofrido um ataque hacker no último dia 30, e que os dados de pelo menos 327 hóspedes foram roubados. Neles constam informações como nome, endereço, telefone, contas de e-mail, data de nascimento e número do passaporte. O total de clientes que tiveram seus dados expostos pode ser maior: o Marriot tem 500 milhões de hóspedes cadastrados.

E por falar em hotéis, a francesa AccorHotels definiu uma meta ambiciosa para turbinar seu desempenho financeiro: dobrar o Ebitda (lucro antes de juros e impostos) até 2022. De acordo com o CEO, Sébastien Bazin, a empresa colocará em prática uma série de iniciativas voltadas para a melhoria de gestão.

As agritechs brasileiras estão desbravando mercados. A paulista Solinftec, empresa líder em agricultura digital no país, vai abrir uma operação nos Estados Unidos dentro da Purdue University, em Indianápolis, o maior centro de formação de profissionais do agronegócio no mundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade