Publicidade

Estado de Minas

Passe livre para o calote

Eventual decisão favorável à Eletrobras no STJ servirá de alerta, já que a União terá jurisprudência para pagar apenas uma parte do que é devido


postado em 05/10/2018 06:00 / atualizado em 05/10/2018 08:28


A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar na próxima quarta-feira a correção dos empréstimos compulsórios da Eletrobras. A estatal questiona o pagamento de juros remuneratórios de 6% ao ano, o que está previsto em lei. Para quem não se lembra, os empréstimos compulsórios foram aplicados no país de 1977 a 1993. Eram embutidos nas contas de luz e obrigatoriamente pagos por consumidores industriais com a promessa do governo de receber de volta os valores em 20 anos, com correção integral e juros de 6% ao ano. Muita gente nem sequer viu a cor do dinheiro, já que os resgates foram prescrevendo. Só uma pequena parcela de credores conseguiu entrar na Justiça. Esse caso é importante porque uma eventual decisão favorável à Eletrobras no STJ servirá de alerta para aqueles que têm títulos do governo, já que a União terá jurisprudência para pagar apenas uma parte do que é devido e deixar de quitar juros remuneratórios sobre o capital que não for liquidado.



Campus Party, a segunda maior do mundo
Com o anúncio do adiamento da realização da Campus Party México para 2019, a edição do evento (foto) em Brasília firmou-se como a segunda que mais atraiu público entre os 12 países que sediaram a feira em 2018. Realizada em junho, no Estádio Mané Garrincha, a Campus reuniu 100 mil pessoas em cinco dias, 35% a mais do que a expectativa da organização, e só não foi maior do que a edição nacional, que ocorreu em janeiro, em São Paulo.

Aéreas preocupadas com mudança de horário de verão
A decisão do governo de transferir, aos 45 minutos do segundo tempo, o início do horário de verão enfureceu as companhias aéreas. Isso ocorreu porque mais de 3 milhões de passageiros, em 42 mil voos, serão prejudicados com a mudança de 4 para 18 de novembro, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A entidade diz que a troca de datas afeta o planejamento da operação e traz prejuízos para empresas e consumidores.

A estratégia natural do Carrefour

Em 2019, a rede supermercadista francesa Carrefour vai investir R$ 1,8 bilhão na operação brasileira (foto), tanto para acelerar os negócios no atacado quanto no varejo. Parte do plano é dobrar, até 2020, as vendas de alimentos orgânicos, iniciativa que está em linha com o posicionamento global da marca de fomentar a área de produtos saudáveis. Outra frente é a expansão do programa “Únicos”, que incentiva a venda, com descontos, de frutas e legumes fora do padrão estético.

Rapidinhas
Maior plataforma de caronas do Brasil, a BlaBlaCar vai lançar campanha entre usuários para estimular a presença nas urnas no primeiro turno das eleições e, se houver, no segundo. Nas eleições de 2014, houve mais de 17,2 milhões de justificativas daqueles que não votaram. Segundo o presidente da empresa, Ricardo Leite, será possível encontrar mais de 40 mil rotas intermunicipais e interestaduais.

Quando ocorre um vazamento de dados, os prejuízos podem ir muito além do campo financeiro, da reputação da marca e da privacidade dos clientes. As carreiras dos funcionários envolvidos também podem ser afetadas por ocorrências desse tipo.

Segundo um estudo da Kaspersky Lab e da B2B International, quase um terço (31%) dos incidentes revelados no ano passado resultou na demissão dos profissionais envolvidos. Entre eles, 27% trabalhavam em grandes corporações e ocupavam cargos no alto escalão não relacionados necessariamente à área de tecnologia da informação.

A geração solar fotovoltaica começa a incomodar grandes grupos econômicos, segundo o presidente da associação do setor, Rodrigo Sauaia. Ele afirma que um forte lobby está sendo encampado por entidades que representam as distribuidoras, com o objetivo de pressionar autoridades para alterar regulamentações que dinamizaram o mercado.

2,2 pontos percentuais

foi quanto caiu o Índice de Medo do Desemprego na comparação entre junho e setembro, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria. Trata-se de uma boa notícia: quanto maior o índice, maior o medo do desemprego.

"Quando eu desejo algo, não meço esforços. No começo da carreira, atendia de domingo a domingo. Isso me fazia mal? Pelo contrário, eu ia trabalhar feliz porque aquele era o meu sonho"
Carla Sarni, fundadora e presidente da rede de franquias Sorridents

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade