Publicidade

Estado de Minas

Banco do Brasil escolhe MG para projeto de energia solar

Com o investimento, a instituição espera reduzir em cerca de R$ 82 milhões, em um período de 15 anos, a sua conta de luz


postado em 04/10/2018 06:00 / atualizado em 04/10/2018 09:45

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Em parceria com a EDP, o Banco do Brasil passará a contar com uma usina de captação de energia solar. O local escolhido é Januária, no Norte de Minas. A energia gerada nas instalações de 150 mil metros quadrados vai ajudar a abastecer 58 agências da instituição financeira no estado. A operação de abastecimento com energia solar deve acontecer ainda em 2019. Já há planos para construir mais duas usinas em Minas, além de Goiás, Distrito Federal, Pará e Bahia. O BB passa a ser o primeiro banco a usar essa fonte em seu negócio.  Com o investimento, a instituição espera reduzir em cerca de R$ 82 milhões, em um período de 15 anos, a sua conta de luz. O valor equivale à economia de 58% nas despesas com energia dessas unidades. Atualmente, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil tem 37.107 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede.

RAPIDINHAS
» Um estudo da consultoria Minsait, empresa do grupo espanhol Indra, estima que o potencial econômico de digitalização da indústria global deve representar um mercado de US$ 3,7 trilhões até 2025. Os investimentos em digitalização vão responder pela maior parte dos recursos injetados na chamada indústria 4.0.

» A rede hoteleira americana Aspen Hospitality, operadora das marcas The Little Nell e Limelight, está com segundas intenções no mercado brasileiro. A companhia recrutou o brasileiro Alinio Azevedo, responsável por trazer a canadense Four Seasons ao Brasil. Ele comandará o setor de hotelaria, com a missão de expandir a marca Limelight.

» Maior rede social do mundo, o Facebook está na mira do Ministério Público do Distrito Federal. No início da semana, o órgão anunciou que vai investigar os estragos causados pela falha de segurança da companhia, problema que permitiu que hackers acessassem dados de mais 50 milhões de perfis.

» Em nota, o Facebook afirmou que “adotou ações imediatas para proteger a segurança das pessoas”. A empresa de Mark Zuckerberg (foto) está enfrentando problema semelhante na Europa, onde poderá ser obrigada a pagar uma multa equivalente a 4% das receitas por falhas na guarda das informações de seus clientes.

Novo fundo de investimento na infraestrutura

A gestora de ativos americana Blackrock está de olho na América Latina, especialmente no Brasil. A companhia fechou uma parceria com as fundações Hewlett, da França, Grantham, da Alemanha, e IKEA, da Suécia, para criar um fundo de investimento para incentivar o setor de infraestrutura (foto) nos países emergentes. Segundo Jim Barry, presidente mundial da Blackrock, os detalhes do acordo para formação do fundo serão divulgados no primeiro trimestre de 2019.

Da estrada para os ares

Especializada na venda on-line de passagens rodoviárias, a Quero Passagem vai investir na oferta de tíquetes aéreos. Não que o negócio ande mal. No primeiro semestre, a startup superou o faturamento de todo o ano passado e chegou a uma receita de R$ 20 milhões, com tráfego mensal de 2 milhões de usuários. A ideia é aproveitar a sinergia entre os dois tipos de transporte. A Quero Passagem funcionará como um buscador de viagens aéreas e a operação de venda será fechada pelo Grupo Flytour.

Porto Seguro desconecta

A Porto Seguro Conecta, primeira operadora de telefonia móvel virtual a atuar no Brasil, deve encerrar suas operações nos próximos meses. Um comunicado da operadora TIM, provedora de infraestrutura de rede da Porto Conecta, afirma que haverá a migração de mais de 500 mil linhas. A operação será finalizada somente depois de avaliada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

75%

dos brasileiros temem ter o voto influenciado por fake news, segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)


"O Waze surgiu porque sempre
estávamos pensando sobre como nós odiamos o trânsito. Precisávamos encontrar um jeito de ajudar as pessoas a escapar daquilo e chegar ao seu destino de forma mais rápida”

. Uri Levine, cofundador do Waze, durante o evento
Premium Partner Meeting & Potencializando 2018, realizado em Campinas (SP)

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade