Publicidade

Estado de Minas

Aumento da infraestrutura impulsiona as bicicletas

Desde 2014, a malha cicloviária cresceu 133% nas capitais brasileiras, o que representa 3.291 quilômetros de vias


postado em 17/09/2018 06:00 / atualizado em 17/09/2018 08:18

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

O mercado brasileiro de bicicletas desconhece o que é crise. O setor dobrou de tamanho entre 2012 e 2017. Apenas em julho de 2018, a produção no Polo Industrial de Manaus cresceu 31,7% na comparação com o mês anterior. Foram fabricadas 67.068 unidades, contra 50.929 de junho, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). A expansão é puxada pelo aumento da infraestrutura (foto), segundo o vice-presidente da associação Cyro Gazola, que também comanda a Caloi. Desde 2014, a malha cicloviária cresceu 133% nas capitais brasileiras, o que representa 3.291 quilômetros de vias destinadas às magrelas. “As redes cicloviárias continuam a crescer nos municípios e surgem como alternativa para os deslocamentos urbanos”, diz o executivo. A tendência é irreversível. Na Europa e na Ásia, as bicicletas tomaram o espaço urbano. No Brasil não será diferente.

À espera do Cadastro Positivo
O presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Hilgo Gonçalves, está otimista com a iminente aprovação do chamado Cadastro Positivo. Para ele, o sinal verde do Congresso e a regulamentação de uma nova legislação para a análise de crédito vão turbinar os financiamentos no país, ajudando na recuperação do PIB dos próximos anos. “É algo fundamental para a economia e para o reaquecimento do consumo”, afirma.

O peso do Airbnb para o turismo
Uma pesquisa realizada pelo Airbnb reforça o peso da plataforma no estímulo ao turismo no Brasil. Segundo a empresa, no ano passado, 36% dos viajantes brasileiros não teriam ficado tanto tempo no destino escolhido se não fosse o Airbnb, que normalmente oferece preço mais baixos do que hotéis. Além disso, 96% dos usuários responderam que alugaram uma das 180 mil acomodações no país anunciadas na plataforma como forma de economizar.

Argentina preocupa indústria brasileira
As “retenciones”, como são chamadas as tarifas adicionais impostas pelo governo argentino aos exportadores, preocupam a indústria brasileira. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo avalia convidar outras grandes entidades empresariais do país para pressionar o presidente Mauricio Macri a rever as sobretaxas. O argumento é que a indústria da Argentina depende mais do Brasil do que o inverso, e que uma retaliação dentro do Mercosul poderá agravar ainda mais a situação da economia.

 

"Nós vamos usar os mesmos princípios que movimentam a Amazon. O mais importante deles é a nossa obsessão genuína com clientes.
As crianças serão nossos clientes”

 

.Jeff Bezos,
dono da Amazon e homem mais rico do mundo, ao anunciar a criação de um fundo de US$ 2 bilhões para ajudar jovens desabrigados


Quatro rodas

21 milhões
de Fuscas foram produzidos pela Volkswagen desde 1938, quando a primeira unidade saiu da linha de montagem. A história gloriosa de um ícone da indústria automobilística tem data para acabar: a empresa alemã anunciou que deixará de fabricar o modelo em julho de 2019


RAPIDINHAS

» Marcello Spinelli, presidente da VLI, uma das maiores operadoras de logística ferroviária do país, garante que os projetos de ampliação da malha de linhas férreas e a renovação antecipada dos contratos de concessão deverão criar um ambiente favorável à expansão do modal de transporte por trens no Brasil.

» O laboratório suíço Novartis vai investir, até 2022, cerca de R$ 1 bilhão em pesquisa no Brasil, principalmente na busca de remédios para o combate ao câncer. No país, a companhia prevê o lançamento de 50 medicamentos nos próximos cinco anos. De acordo com o presidente da Novartis Brasil, Alexandre Gibim, o objetivo é ampliar o acesso a produtos mais avançados.

» O mercado de compartilhamento está alcançando novos patamares. Prova disso é a iniciativa do Prime Fraction Club, que investiu R$ 3,4 milhões na compra da lancha Cimitarra 540, fabricada pelo estaleiro de mesmo nome, que terá seu uso dividido entre diversos usuários.

» A vinícola portuguesa Casa José Maria da Fonseca, dona da marca de vinho mais antiga de Portugal, a Periquita, tentará ampliar sua presença no mercado brasileiro. Em novembro, desembarcam no Brasil executivos da empresa que terão a missão de negociar novas parcerias com importadores e grandes redes de supermercado.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade