Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Ferreira: leilão da Cepisa demonstra de que privatização é melhor para todos


postado em 26/07/2018 13:36

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, destacou nesta quinta-feira, 26, em conversa com jornalistas, que o leilão da Cepisa, distribuidora do Piauí atualmente operada pela estatal, "é uma demonstração de que (a venda das distribuidoras do grupo) é a solução melhor para todos", disse. Ele se referiu ao fato de que o processo competitivo levará a uma redução das tarifas da empresa da ordem de 8,5% até o final deste ano, gera cerca de R$ 95 milhões em recursos para a União e ainda levará a uma capitalização da empresa da ordem de R$ 720 milhões. Isso sem contar o fato de que a Eletrobras, que atualmente anota prejuízos com a operação, sairá da empresa.

A declaração foi feita quando jornalistas questionavam o executivo sobre a assembleia de acionistas da Eletrobras marcada para o próximo dia 30 e que vai deliberar sobre uma nova prorrogação do prazo para a venda das distribuidoras do grupo, para até o fim do ano, de modo a evitar a liquidação imediata dessas empresas, que levaria a maiores prejuízos para a estatal. Anteriormente, quando a perspectiva era de que o leilão ocorresse até o final de abril, os acionistas votaram para que a operação das distribuidoras fosse feita até 31 de julho, data a partir da qual a diretoria da estatal deveria realizar a operação de liquidação das empresas, que geram altos prejuízos para a empresa.

Ele lembrou que o conselho de administração da Eletrobras já fez uma recomendação expressa para assembleia, pela prorrogação até o fim do ano, ou 90 dias após a privatização, o que ocorrer primeiro, desde que garantidas algumas "neutralidades".

Mesmo com a eventual aprovação de prorrogação do prazo pelos acionistas da Eletrobras, o cenário é desafiador, já que para vender as quatro distribuidoras do Norte operadas pela estatal ainda é necessário que o Senado aprove o projeto de lei que saneia essas empresas, um tema que tem gerado polêmica no Congresso, mas que é considerado essencial para dar atratividade aos ativos. Para Ferreira Junior, a "situação ideal" é que o projeto de lei seja aprovado no máximo até a data do aporte de garantias para o leilão, que deve ser marcada para cinco dias antes do certame, marcado para 30 de agosto.

No caso da Amazonas Energia, a privatização ainda enfrenta o desafio da conclusão da desverticalização da empresa, com a separação das atividades de geração das de distribuição, o que atualmente depende de negociações com a distribuidora de gás local, Cigás. Ferreira Junior disse que as conversas estão "em fase final" e o processo tende a estar concluído também antes do prazo para o aporte das garantias.

A expectativa da Eletrobras também é leiloar em 30 de agosto a distribuidora alagoana Ceal. Atualmente o governo ainda se vê impossibilitado de leiloar a empresa por conta de uma disputa envolvendo governo federal e o Estado de Alagoas. Ferreira Junior indicou esperar um rápido entendimento entre as partes tão logo se encerre o recesso do Judiciário. Ele evitou comentar sobre a possibilidade de liquidação desta empresa e disse que, caso os acionistas aprovem a prorrogação do prazo de operação das distribuidoras, haveria tempo até setembro para realização do leilão de venda da empresa, tendo em vista os processos burocráticos de troca de controle.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade