Publicidade

Estado de Minas

Fintechs ampliam opções em busca de quem não tem conta em banco

Com investimentos em inovação, startups financeiras criam plataformas digitais para pessoas físicas e microempreendedores movimentarem seu dinheiro


postado em 23/07/2018 06:00 / atualizado em 23/07/2018 07:45


Em tempos digitais, segundo o mais recente estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) cerca de 60 milhões de brasileiros ainda não têm conta em bancos e, consequentemente, cartões de crédito ou débito. Atrás desse mercado potencial de negócios, cresce a atuação das chamadas fintechs, as startups da área de serviços financeiros. Elas já ultrapassam a marca de 400 empreendimentos, segundo estimativa da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), que está trabalhando com a consultoria PricewatherhouseCoopers (PwC) no primeiro censo do setor no país.


A ABFintechs tem 350 associados, que estimam representarem 85% das empresas em atuação no Brasil, com crescimento superior a 40% em relação ao ano passado. Duas dessas empresas intensivas em tecnologia, uma mineira e outra do exterior, estão investindo na proposta de promover a inclusão desses ‘desbancarizados’.

A estratégia é atender, além do consumidor, microempreendedores com dificuldade de acesso aos serviços bancários convencionais. Gente simples, que vive da sua arte, depende de associações locais para comercializar seus produtos, já que parte desses artistas populares não tinham conta em banco, e, em muitas cidades, sequer existia uma agência bancária no raio de 100 quilômetros de onde moram. Essa realidade começou a mudar em 2013, com o surgimento das fintechs.


Nos últimos quatro anos, foi feita a regulamentação de arranjos de pagamento pelo Banco Central, que facilitou o uso do celular e serviços como cartões pré-pago, tudo sem a intermediação de instituições financeiras. A fintech é tipicamente aquela empresa que usa tecnologia de forma intensiva e inovação para oferecer produtos na área de serviços financeiros.

A Fintechlab, instituição nacional de fomento a essas empresas, registrou em novembro do ano passado a presença de seis bancos digitais no país e atuação de mais de 330 empresas nos segmentos de pagamentos, gestão financeira, empréstimos, investimentos, financiamento privado, seguros e negociação de dívidas.

Facilidade


Fundada pelo empresário e advogado Ricardo Capucio, a startup mineira conta.MOBI oferece solução digital destinada a microempreendedores e pessoas físicas que necessitavam de uma conta fácil e descomplicada para movimentar seu dinheiro. Como muitos negócios da população desbancarizada são informais e a maioria das pessoas das classes B e C não consegue comprovar renda, esse público costumar ser esquecido pela rede bancária tradicional.


A plataforma fintech visa também a oferecer assistência rápida e suporte contábil para os usuários. Em expansão, a conta.MOBI criou parceria com os Correios e a operadora de cartões Visa para que seus usuários de contas digitais pudessem realizar transações de depósito e saque na rede de atendimento pública federal.

“Em 2014, fui convidado por investidores para criar uma plataforma para atender os microempresários que sequer tinham conta bancária. Um contingente de 35 milhões de pequenos empreendedores (artesãos, cozinheiros, agricultores, etc) que movimentavam, anualmente, R$ 700 bilhões em negócios no Brasil. Era um mercado promissor”, lembra Ricardo Capucio, CEO da startup.


Ainda de acordo com ele, no ano seguinte foi possível criar a conta digital e hoje o serviço está disponível em todo o país. “O serviço oferece total facilidade para movimentação de dinheiro, sem necessidade de uma conta bancária”, diz o fundador da fintech.

Segundo Ricardo Capucio, a tecnologia permite que empreendedores e pessoas físicas, somente com seu CPF, depositem ou façam saques em qualquer município que disponha de agência postal dos Correios e por meio de um cartão pré-pago Visa. “Atualmente contamos com 50 mil clientes e a tendência é crescer ainda mais nos próximos anos”, observa o fundador da conta.Mobi.

Comércio eletrônico


Desde o ano passado, já atua também no Brasil a PinCash, primeira rede de pagamentos em dinheiro para o comércio eletrônico e vendas diretas do país, que permite aos consumidores efetuar compras usando pins eletrônicos – códigos personalizados – recebidos por mensagem no celular (SMS) e que podem ser pagos em mais de 330 mil estabelecimentos físicos credenciados.

A novidade beneficiará, principalmente, pessoas que não têm acesso a conta bancária, cartão de débito e crédito, ao permitir que esse público, atualmente excluído do chamado e-commerce, tenha condição de usufruir desse serviço por meio de pagamentos em dinheiro.


“Esse público desbancarizado representa hoje 30% da população brasileira, aproximadamente 60 milhões de pessoas, que movimentam anualmente o equivalente ao PIB de Portugal (R$ 665 bilhões). A PinCash tem como missão oferecer acesso às lojas de comércio eletrônico ou por vendas diretas a uma parcela importante destes brasileiros”, diz Greg Descamps, CEO e co-fundador da PinCash.

Saque e depósito em tempo real

 

Lançado em 2017, o pague.MOBI permite que qualquer brasileiro tenha acesso a serviços que antes apenas os bancos podiam oferecer. Aquelas pessoas que enfrentam restrições ao crédito podem ser incluídas na plataforma, que não exige análise dos serviços de proteção ao crédito, SPC ou Serasa. Quem vive em cidades que não têm agências bancárias tem a opção de usar os Correios, presentes na maioria dos municípios do Brasil.


Entre os principais benefícios do usuário conta.MOBI estão abertura gratuita de conta, possibilidade de realizar saques e depósitos apenas com a apresentação de documentos (não há necessidade de número de conta bancária) e o acesso a pagamentos pelas unidades dos Correios.


A PinCash, por sua vez, nasceu com o objetivo de possibilitar que lojas parceiras de comércio eletrônico, autônomos e revendedores ingressem num mercado novo e com potencial de expansão para compras à distância pelos excluídos dos bancos. Com o mote “pagamentos em um Pin”, a empresa oferecerá quatro soluções diferentes: PinCash e-commerce, PinCash mobile, PinCash Chatbot e PinCash SMS, informa o CEO da empresa, Greg Descamps.

DIVERSIFICAÇÃO “Trazemos uma solução completa para o comércio eletrônico e três opções para autônomos e revendedores de produtos. No caso destes últimos, são mais de 10 milhões de micro e pequenos empreendedores distribuídos em todo o território nacional”, explica Descamps. Ao fechar a compra de um produto ou serviço, o consumidor receberá em seu celular, seja ou não smartphone, por meio de SMS, ou por e-mail, um número de Pin eletrônico, o valor da sua compra e o prazo para pagamento, que pode ser efetuado em qualquer ponto da rede credenciada pela PinCash.


No SMS, o consumidor também recebe o link “onde pagar” para ter acesso ao local mais próximo onde poderá efetuar seu pagamento em dinheiro. Ao todo, são mais de 330 mil pontos conveniados em todo o país, incluindo padarias, farmácias, postos de gasolina, mercados, entre outros estabelecimentos. A compensação do pagamento é feita em tempo real, viabilizando ao e-commerce encaminhar rapidamente a encomenda para o consumidor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade