Publicidade

Estado de Minas

Inadimplência atinge 61,8 mi de consumidores e é a maior desde 2016

No período, as dívidas somaram R$ 273,4 bilhões, totalizando R$ 4.426 por pessoa


postado em 19/07/2018 12:48 / atualizado em 19/07/2018 12:55

São Paulo - O índice de inadimplência do consumidor cresceu 1,98% em junho na comparação com o mesmo mês de 2017, informou a Serasa Experian, nesta quinta-feira. O número de brasileiros inadimplentes no País atingiu 61,8 milhões em junho, o maior desde o início da série histórica, iniciada em 2016. No período, as dívidas somaram R$ 273,4 bilhões, com média de quatro por CPF, totalizando R$ 4.426 por pessoa.

O enfraquecimento do ritmo de crescimento econômico contribui para manter em nível elevado a taxa de desemprego e, consequentemente, a inadimplência do consumidor, explicam os economistas da entidade.

O montante de inadimplentes com faixa etária acima de 61 anos foi o que mais cresceu nos últimos dois anos, segundo a Serasa, embora não seja o mais elevado. Em junho, 35% dos brasileiros com idade acima dessa idade estavam com contas atrasadas, um crescimento de 2,6 pontos porcentuais em relação ao mesmo mês de 2016.

A faixa etária de pessoas inadimplentes continua sendo a dos adultos entre 36 e 40 anos, com 47,3%, embora tenha crescido menos do que a de idosos. Segundo a Serasa, no Brasil, 40,3% da população adulta está inadimplente.

Apesar de as dívidas atrasadas com bancos e cartões de crédito terem a maior representatividade dentro do índice, a participação desse segmento caiu 1,5 ponto porcentual na comparação com junho do ano passado. Já a parcela dos segmentos de serviços públicos, como telefonia, além de financeira, aumentou.

Estado


Conforme a Serasa, alguns Estados do Norte, como Roraima, Amapá e Amazonas, apresentam uma taxa de inadimplência acima de 50% da população adulta, enquanto no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraíba esta marca está abaixo de 35%.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade