Publicidade

Estado de Minas STARTUPS

Agritechs avançam no Brasil com novas tecnologias

De drone à internet das coisas, Brasil já tem 135 startups dedicadas à pesquisa e desenvolvimento de técnicas que permitem mais produtividade no agronegócio


postado em 04/07/2018 06:00 / atualizado em 04/07/2018 07:56

Rafael Coelho, da Agronow, acredita que o uso da tecnologia no campo está apenas começando no país(foto: Agroshow/Divulgação)
Rafael Coelho, da Agronow, acredita que o uso da tecnologia no campo está apenas começando no país (foto: Agroshow/Divulgação)

São Paulo – Nos últimos cinco anos, a participação do agronegócio no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro saltou de 19% para 23%. Boa parte desse avanço se deve à adoção de novas tecnologias e à chegada das agritechs, as startups que estão se multiplicando e fazendo uma nova revolução no campo, trazendo ganhos de produtividade e aumento de renda aos agricultores.

Para André Luiz Monaretti, a busca por inovação é uma necessidade para os produtores(foto: KPMG/Divulgação)
Para André Luiz Monaretti, a busca por inovação é uma necessidade para os produtores (foto: KPMG/Divulgação)
A exemplo das fintechs, que invadiram o setor financeiro, o fenômeno das inovações no setor agrícola é irreversível e as empresas começam a ganhar musculatura financeira para deslanchar nos próximos dois a três anos. A consultoria KPMG, em parceria com a Distrito, mapeou esse movimento empresarial e contou pelo menos 135 empresas voltadas exclusivamente para o desenvolvimento de tecnologias para o mercado agro, em um universo de 7 mil startups em todo o país.

Sócio-diretor da SP Venture, Francisco Jardim defende mais infraestrutura para acelerar avanço das novas técnicas(foto: SP/Divulgação)
Sócio-diretor da SP Venture, Francisco Jardim defende mais infraestrutura para acelerar avanço das novas técnicas (foto: SP/Divulgação)

Na lista de novidades oferecidas pelas agritechs, destaque para as ferramentas voltadas à agricultura de precisão, drones e robótica aplicada no campo, uso de satélites, big data, internet das coisas (IoT), inteligência artificial e sistemas de gestão em nuvem.

“A busca por inovação não é só uma prioridade, mas uma necessidade em um ambiente econômico altamente complexo e de crescente pressão por parte dos consumidores, governos e reguladores que demandam mais eficiência, controle, rastreabilidade e sustentabilidade”, diz André Luiz Monaretti, sócio da KPMG Agronegócios.

Tecnologia


Outro ponto que tem ajudado a tecnologia a chegar mais rapidamente ao campo é a mudança de cultura dos agricultores, hoje mais abertos às novidades e às facilidades introduzidas por sistemas digitais. “A maior aceitação da tecnologia pelo agricultor é o primeiro ponto desse avanço grande das agritechs. Isso tem impacto diretamente no crescimento do nosso segmento”, afirma Rafael Ribeiro, gerente-executivo da Associação Brasileira das Startups (ABStartups), entidade que nasceu para organizar o crescimento dessas empresas no país, hoje com mais de mil associados e cerca de 7 mil registradas, “com CNPJ e faturamento”.

Até pouco tempo atrás, lembra Ribeiro, o agricultor utilizava muito a sua intuição na hora de plantar, mas hoje isso está sendo substituído por informação e tecnologia trazidas pelas startups agrícolas. Além dos agricultores, principais alvos desses empreendedores, as agritechs também estão atraindo investidores de peso. Grandes companhias nacionais e internacionais viram nesse negócio uma oportunidade de investimento e uma forma de participar desse mundo de inovações e se reinventar para acompanhar as mudanças e, claro, continuar gerando valor nos seus mercados. Raízen, Monsanto, Bayer e Basf são algumas que passaram a investir pesado nessas novas empresas.

A SP Venture, gestora de investimentos em venture capital de São Paulo, elegeu, desde 2013, as startups de agricultura como prioridade sua estratégia de fomento. Eleita uma das 10 maiores investidoras ativas do mundo, a agência destinou cerca de R$ 60 milhões para fomentar cerca de 20 agritechs.

Internet


Francisco Jardim, sócio-diretor da SP, diz que essa onda de startups agrícolas no Brasil ganhou relevância porque a internet alcançou um bom grau de maturidade e há muita tecnologia disponível para uma série de produtos e serviços destinados ao setor agrícola. Mas, pondera o executivo, ainda existem desafios a serem vencidos, como a melhoria das conexões nas áreas rurais, onde apenas 39% das pessoas conseguem navegar na rede, metade do índice das que vivem nas cidades.

Segundo Jardim, as empresas voltadas para a implementação de tecnologias no campo estão pelo menos três anos atrasadas em relação as fintechs do setor financeiro, por conta dessa lentidão na implantação de infraestrutura tecnológica nas regiões mais remotas e onde estão grande parte dos produtores rurais e suas fazendas. “As transformações que estão acontecendo no campo andariam mais rápido se houvesse infraestrutura adequada”, observa o executivo, salientando que, apesar da precariedade das conexões, estudos mostram que de cada 10 agricultores brasileiros, sete acessam a internet,  97% são usuários do WhatsApp e do Facebook, e utilizam o smartphone para isso.

Produtividade

Rafael Coelho, CEO da Agronow, startup voltada ao mercado agro em toda a sua cadeia, especializada em mapeamentos e previsão de produtividade para a gestão agrícola e monitoramento de safras, não tem dúvidas de que a adoção de tecnologias pelos produtores agrícolas brasileiros está apenas começando e segue o modelo americano de levar inovação e produtividade para o campo. Mas lembra que o mercado brasileiro ainda está amadurecendo.

“Já vi muita gente do mercado de tecnologia que conhecia muito de inovação e pouco de agricultura. Hoje, já se sabe que tecnologia é importante, mas é preciso entender de agricultura e um pouco a cabeça do agricultor. Vender nossas ideias para os produtores não é uma tarefa fácil”, explica o CEO da Agronow. Em um futuro muito próximo, o CEO da Agronow espera que as fazendas pequenas (com cerca de 2 mil hectares) passem a adotar estruturas empresariais e a investir mais em tecnologia, da mesma forma que as grandes fazem hoje.

Dinheiro

Para aproveitar esse novo ciclo de desenvolvimento, a Agronow está captando recursos para levar seus produtos para a vizinha Argentina e expandir a área de inteligência artificial para poder trabalhar com análises mercadológicas cada vez mais macro, de forma automatizada e periodicidade semanal. “Das análises mercadológicas que fazemos hoje (como soja, milho e cana-de-açúcar), queremos colocar trigo e algodão e fazer isso por estado, região ou país”.

O executivo afirma ainda que as agritechs, aos poucos, estão conquistando a confiança dos agricultores e a criação de hubs de fazendas – locais onde são realizados testes e experimentações – o que tem ajudado muito nesse crescimento. “Poucos agricultores querem ser os primeiros a experimentar. Eles querem saber os resultados que foram conseguidos antes, ou como foi em outra fazenda ou no seu vizinho. Ninguém quer se arriscar no pioneirismo”, conta Coelho. Por isso, a necessidade de aumentar o número das chamadas “fazendas alfa”, como as que existem em Cuiabá, no Mato Grosso, e em Piracicaba, interior de São Paulo, a chamada “Vale do Silício” do agronegócio brasileiro.

Como diz Monaretti, da KPMG, fomentar o desenvolvimento tecnológico é imprescindível para o Brasil ter um agronegócio cada vez mais inovador, competitivo e sustentável.

Domínio masculino, concentração no Sudeste e poucos funcionários


A maioria dos empreendedores das agritechs é homem e tem entre 26 e 45 anos, segundo relatório elaborado pela Distrito, plataforma de inovação para startups e investidores, em conjunto com a consultoria KPMG. As mulheres representam apenas 13% desse universo. A região Sudeste abriga boa parte das startups agrícolas, com 72% do total de 135 empresas pesquisas pela consultoria.

Em relação ao número de funcionários, 41,8% delas não têm um único empregado registrado e funciona apenas com o trabalho de seus fundadores; outras 49% têm de 1 a 20 empregados. As 38 startups voltadas para a agricultura de precisão lideram o nível de emprego, com 30 funcionários no total, seguidas das especializadas em gerenciamento de negócios, com uma média de 20 funcionários.

Em termos de faturamento presumido, 46,7% têm receitas entre R$ 60 mil a R$ 360 mil, e apenas 1,3% delas tem faturamento acima de R$ 30 milhões. Pelos dados da ABStartup, a média do crescimento anual das startups em geral no Brasil é de 25% ao ano, desde 2012. Hoje, tanto a KPMG quanto a associação, calculam que existam no país em torno de 7 mil startups, sendo 135 a 150 voltadas exclusivamente para o agronegócio. O maior número de startups está na área de educação, com 400 empresas. Outro dado interessante é sobre a idade dessas empresas: 64,5% nasceram entre os anos de 2010 e 2017, e apenas 11,4% foram abertas antes de 2000.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade