Publicidade

Estado de Minas

IBGE: mesmo com resultado positivo, indústria está 1,3% abaixo do nível de 2017


postado em 05/06/2018 14:42

Rio, 05 - A alta de 0,8% registrada pela indústria em abril ante março mostra uma mudança positiva no ritmo de produção em relação ao que vinha sendo observado neste início de 2018, avaliou André Macedo, gerente na Coordenação de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, o bom desempenho ainda não recupera as perdas registradas nos meses anteriores.

"De fato abril aparece com resultado diferente do que vinha ocorrendo na série com ajuste sazonal", ressaltou Macedo. "A alta de abril é importante, mas ainda insuficiente para compensar a queda desde dezembro. Mesmo com resultado ainda positivo, indústria está 1,3% abaixo do patamar de dezembro de 2017", completou.

Em dezembro ante novembro de 2017, a produção industrial tinha crescido 2,9%. Em janeiro, houve recuo de 2,1%, seguido por ligeiro avanço de 0,1% em fevereiro, e queda de 0,1% em março. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal divulgada nesta terça-feira, 5, pelo IBGE.

Segundo Macedo, a menor intensidade da demanda doméstica ainda atrapalha a indústria. Embora as exportações estejam ajudando a impulsionar alguns setores industriais, ele acredita que um nível mais elevado de produção depende de uma maior absorção de pessoas pelo mercado de trabalho, o que aumentaria também a massa de salários em circulação na economia.

"O mercado de trabalho ainda está com dificuldade de absorção de pessoas que estão fora dele. Claro que você não pode imaginar um nível maior de produção sem que você tenha um mercado interno caminhando de forma mais vigorosa. A demanda doméstica ainda está muito enfraquecida", observou o gerente do IBGE.

A indústria operava em abril 14,6% abaixo do pico de produção registrado em maio de 2011.

"Esse distanciamento já foi maior, atingiu 20,9% em outubro de 2016. Então isso mostra que a gente já teve algum tipo de ganho. Mas essa distância também já foi um pouquinho menor, como, por exemplo, em dezembro do ano passado, quando era de 13,4%. Essa diferença entre o patamar de abril e de dezembro deve-se justamente a essa perda que a indústria está tendo neste início de 2018", justificou Macedo.

(Daniela Amorim)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade