Publicidade

Estado de Minas CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

Preços disparam nas bombas: gasolina sobe 5%; etanol, 9%; e diesel 2%

Preço do insumo subiu 2,48% em postos de BH, depois da paralisação dos caminhoneiros, enquanto a gasolina encareceu 5,78% e o etanol 8,9%, mostra pesquisa do Mercado Mineiro


postado em 02/06/2018 08:22 / atualizado em 02/06/2018 09:54

Recomendação aos motoristas é para que não encham o tanque, porque tendência é de queda nos preços(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Recomendação aos motoristas é para que não encham o tanque, porque tendência é de queda nos preços (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

Os motoristas pagaram em dobro pelo desabastecimento dos combustíveis em razão da greve dos caminhoneiros. Se não bastasse o transtorno com o tanque vazio, os preços subiram depois que as revendas começaram a ser reabastecidas. Houve remarcações nos preços da gasolina, do etanol e até do diesel no comércio varejista da Região Centro-Sul de Belo Horizonte. É a conclusão de uma pesquisa realizada pelo site especializado em levantamento de preços Mercado Mineiro, em parceira com o Estado de Minas. A comparação de preços anunciados nessa sexta-feira nas bombas aos praticados no último dia 20 mostrou que a gasolina encareceu 5,78%, em média; o etanol, 8,91% e o diesel, 2,48%, também na média.

 

A pesquisa foi feita em 20 estabelecimentos (veja os resultados no quadro), cujos preços vêm sendo acompanhados pelo Mercado Mineiro. De acordo com diretor-executivo site, Feliciano Abreu, a incerteza e a ansiedade atrapalham o consumidor. “É necessário abastecer somente em caso de extrema necessidade. Isso porque a tendência é de variação nos preços nas próximas semanas, até a estabilização da oferta”, afirma.

 

Pelo mesmo motivo, ele aconselha o consumidor a não encher o tanque. Outra dica, segundo ele, é optar pelo etanol em detrimento da gasolina, pois o preço, mesmo com o maior reajuste, ainda vale mais a pena.
Ainda segundo Abreu, os percentuais observados na pesquisa de preços antes e depois da greve dos caminhoneiros representam “aumento considerável”, em relação às pesquisas anteriores.

 

Para o diretor-executivo do Mercado Mineiro, isso ocorreu porque os donos de postos aproveitaram a oportunidade para reajustar seus preços. Procurado pela reportagem do EM, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro) defendeu que o setor trabalha num sistema de “livre mercado”, sendo que há leis que protegem os proprietários quanto ao acréscimo de preços. “Ainda que o preço dos combustíveis seja livre, e o Sindicato não desempenha nenhum papel para interferência na composição do valor de bomba. O Minaspetro ressalta que repudia aumento abusivo do preço dos combustíveis, que mancha a imagem dos bons empresários que trabalham no setor”, diz o sindicato em nota.

Causa parcial


"Eles (o governo) deveriam reduzir os preços de todos os combustíveis, não somente o diesel" - Stéfany Vaz da Silva (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Para alguns motoristas, a paralisação foi justa, mas precisaria se voltar também à redução da gasolina e do etanol. “Eles deveriam reduzir os preços de todos os combustíveis, não somente o diesel. O Brasil inteiro deveria aderir à greve e apoiar os caminhoneiros. Eu estou desde o início da greve sem abastecer, mas tive que vir hoje porque não tive opção. Fiquei refém dos postos”, disse a motociclista Stéfany Vaz da Silva, que é irmã de dois caminhoneiros. Para Luiz Kraus, o ato dos caminhoneiros não surtiu efeito algum para o consumidor final. “Eu já abasteci, mas enfrentei muita fila. Os preços da gasolina e do diesel estão mais altos que antes da paralisação”, disse.

 

"Os caminhoneiros precisam cobrar a diminuição (de preços) em todos os combustíveis, senão fica difícil" - José Batista Sobrinho (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Por outro lado, outros condutores não perceberam alteração nas taxas cobradas pelo serviço. “Eu acho que o preço, nos lugares onde abasteci, estão mantidos. Até aqui, não vi irregularidades”, ressaltou Altamiro Soares, que, depois de encher o tanque em um posto no Barreiro, estava numa revenda da Avenida Álvares Cabral na manhã dessa sexta. Já José Batista Sobrinho salientou que, apesar da estabilidade, a situação pode se reverter. “Até aqui, está o mesmo preço de antes. Mas, os caminhoneiros precisam cobrar a diminuição em todos os combustíveis, senão fica difícil. Eles vão parar novamente no futuro, mas o problema vai continuar. Se não resolver isso, vai nos complicar” afirmou, o motorista, que enfrentava a fila para abastecer pela terceira vez na semana.

Política de preços

O governo federal adotou diferentes medidas para redução nos preços do diesel, de R$ 0,46 em cada litro do combustível, por meio do corte de dois tributos: a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e o PIS/COFINS.  A última projeção do diesel era de R$ 2,23 por litro, em média, nas refinarias do Brasil. Apesar da promessa, o desconto ainda não chegou aos fornecedores, de acordo com Minaspetro. Durante a greve dos caminhoneiros se intensificaram também as críticas à política de preços da Petrobras, que vem resultando em aumentos ou algumas quedas em revisões mensais dos preços, atreladas ao comportamento dos preços do petróleo no exterior.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade