Publicidade

Estado de Minas

SOS caminhoneiro: governo lança contato para denúncias de violência durante paralisação

Pelo número (61) 99154-4645, governo vai receber mensagens de WhatsApp para monitorar casos de violência entre caminhoneiros


postado em 30/05/2018 21:27 / atualizado em 30/05/2018 21:31

Para ajudar motoristas a denunciar possíveis casos de violência durante a paralisação, o governo federal lançou o contato SOS caminhoneiro. O canal funciona pelo número (61) 99154-4645 e recebe mensagens pelo aplicativo WhatsApp.


A iniciativa se dá após o governo constatar abusos de defensores da paralisação contra motoristas que queriam deixar o movimento. Na manhã de hoje, o Estado de Minas publicou áudios de profissionais ameaçados durante o locaute.


"A gente tem grupos de WhatsApp e recebemos essas ameaças por lá. Desse jeito, não tem a menor condição de a gente colocar nosso caminhão para carregar, nem com a polícia. Porque se não, depois, a gente acaba sendo marcado", disse um autônomo de 50 anos, morador da Grande BH e que não se sente seguro.


(foto: Divulgação/Governo Federal)
(foto: Divulgação/Governo Federal)
"Só empresas grandes estão conseguindo carregar e transportar combustível. Mesmo assim sofrem ameaças e a polícia escolta. Mas são muito grandes, têm muitos caminhões. Nós, que somos pequenos, estamos acuados. Se alguém põe fogo no meu caminhão, acabou para mim", conta o tanqueiro.


Ainda de acordo com o profissional autônomo, as pessoas que fazem ameaças são ligadas ao movimento sindical, apesar de não serem integrantes de uma entidade de classe.


Um outro caminhoneiro chegou a ter o seu caminhão avariado pelos manifestantes. "Tive um prejuízo de R$ 400. Cheguei com o caminhão na frente de uma distribuidora de gás e umas 10 pessoas fecharam a entrada. Mandaram eu sair do caminhão, porque não era para ninguém carregar nada", lembra o profissional autônomo, de 61 anos, que mora em Belo Horizonte.

 

Com informações de Mateus Parreiras. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade