Publicidade

Estado de Minas A CANA COMO HERANÇA

Êxodo rural deixa cidades fantasmas no Vale do Jequitinhonha

Sem opção de trabalho, novas gerações de famílias acabam saindo da região. Roçado é dos poucos bicos ofertados


postado em 17/04/2018 07:00 / atualizado em 17/04/2018 08:07

A Vila São José, em Jenipapo de Minas, é o retrato da falta de oportunidades na região(foto: Solon Queiroz/Especial para o EM )
A Vila São José, em Jenipapo de Minas, é o retrato da falta de oportunidades na região (foto: Solon Queiroz/Especial para o EM )

Minas Novas/Chapada do Norte/Jenipapo de Minas/Araçuaí – Tal como a pobreza e a seca predominantes no Vale do Jequitinhonha, o êxodo rural é um fenômeno antigo na região, diante da saída de milhares de pessoas em busca de sustento no corte de cana-de-açúcar, na colheita de outras lavouras e em atividades desenvolvidas em lugares distantes. Nos últimos anos, a saída dos moradores se intensificou, multiplicando, na zona rural, o número de casas abandonadas.

O cenário de cidade fantasma surge em diversas comunidades, a exemplo da Vila São José, em Jenipapo de Minas, como constatou a equipe do Estado de Minas ao percorrer o vale.

Em um paradoxo, a própria redução da oferta de trabalho nas áreas das usinas de açúcar e álcool do interior de São Paulo, onde a mecanização da colheita da cana expulsou os boias-frias, acabou contribuindo para aumentar o abandono das localidades rurais, também influenciado pelo agravamento dos efeitos da seca, que se intensificou nos últimos anos.

Isso porque a migração para o corte de cana é temporária: o marido deixa para trás a mulher e os filhos, para quem envia mensalmente o dinheiro ganho no duro trabalho braçal, que garante a feirinha e ajuda a movimentar o comércio nos pequenos municípios. Sem o trabalho temporário nas usinas – ou nas colheitas de café – e sem nenhuma perspectiva de alguma melhoria no lugar de origem, o jeito é se mudar para a cidade grande em busca de alguma oportunidade de trabalho, normalmente, na construção civil ou em algum serviço doméstico, devido à falta de instrução, indo embora com toda a família.

“A mecanização do corte de cana criou uma situação muito delicada para os trabalhadores daqui. Acabou o serviço. O pessoal tem que migrar mesmo, caçar algum servicinho fora. Na nossa região não tem empresas e chove muito pouco”, lamenta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jenipapo de Minas, Antonio Pereira de Aguilar.

“Acho que teriam que trazer mais projetos de geração de empregos para que as pessoas que antes migravam para as usinas pudessem permanecer na região. Se tiver emprego, o pessoal não sai”, afirma Aguilar. “O trabalho no corte de cana gera sofrimento por ser um serviço pesado pelo fato de os homens terem que ir para longe. Mas sempre teve o lado bom, por garantir a sobrevivência das famílias aqui mesmo”, comenta Monica Moreira de Caldas, auxiliar administrativa do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jenipapo de Minas, cujo pai é um ex-cortador de cana, e, durante 24 anos seguidos, viajou para a labuta nas usinas do interior de São Paulo em busca de alguma renda para criar os seis filhos, deixados na zona rural de Jenipapo de Minas.

“Tenho orgulho de meu pai ter viajado muito tempo para o corte de cana, em busca do nosso sustento. Hoje, infelizmente, muitas pessoas querem trabalhar nas usinas, mas não encontram serviço e precisam ir embora”, reclama Mônica. Ela também comenta: “Não tenho lembrança do meu pai quando era pequena. Minha mãe conta que nasci em julho e ele estava fora e só voltou em dezembro. Eu estranhava ele”, conta.

Mônica é casada e mãe de uma filha de 3 anos. O marido dela, Vantuil Ferreira de Souza, de 30, também viaja para trabalhar fora. Durante vários anos trabalhou em usinas de açúcar e álcool em São Paulo, como “motorista de safra”. Agora, trabalha numa mineradora em outra região de Minas.

Gerações separadas

 A necessidade de buscar trabalho fora e melhores condições de vida separa gerações da mesma casa. Muitos daqueles que antes viajavam para cortar cana, hoje, com idade mais avançada, estão longe dos filhos. Esse distanciamento é verificado na casa da aposentada Maria do Rosário Soares, de 68, moradora da localidade de Gravatá, no município de Chapada do Norte. Ela é mãe de sete filhos, que foram criados na maior parte do ano longe do pai, que viajava para o corte de cana em São Paulo.

Hoje, Maria do Rosário tem a presença permanente do marido, Joaquim Alves Soares, de 74, que está aposentado. Mas, tem somente a companhia de uma filha, Edileusa Soares Alves, cujo marido também migra todo ano para buscar o sustento em outras regiões. “Eles estão todos esparramados pelo mundo afora”, afirma a aposentada, se referindo à saída dos filhos para Belo Horizonte e São Paulo, em busca de trabalho.

Em Gravatá, a reportagem do EM encontrou várias casas abandonadas, com o aspecto de cidades fantasmas. A moradora Edileusa lamenta o esvaziamento da zona rural. “O pessoal quer ficar. Mas não tem jeito. As condições estão muito complicadas. Falta emprego”, reclama. Segundo ela, o único serviço que aparece de vez em quando na região é de capina ou roçado, com a remuneração de R$ 30 a R$ 50 por dia.

Em alguns casos, antigos moradores construíram casas confortáveis. Com a falta de emprego e renda, tiveram que deixar as habitações abandonadas, mas não perderam o vínculo com as origens, retornando pelo menos uma vez por anopara rever os parentes. Uma das casas vazias de Gravatá pertence a um antigo morador, que se mudou para Santos, no litoral paulista. “Ele só costuma vir aqui no final do ano”, informa Edileusa.

Produção local pode ser a saída


O estímulo à criação de arranjos produtivos locais, como a produção de artesanato, “uma das alternativas para conter o êxodo rural e melhorar as condições dos moradores do Jequitinhonha, altamente atingido pelo desemprego, “herança” ou não da mecanização do corte de cana em São Paulo. A sugestão é de Anderson Bertholi, pesquisador do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Ele coordenou a pesquisa “Os reflexos da transumância na organização sócio-espacial de Minas Novas – Os órfãos da cana”, que avalia as consequências da migração na região.

“A saída dos trabalhadores, agora dispensados pela economia de monopólio da cana para outros setores como o da construção civil, ainda não pode ser considerada um movimento consolidado”, diz Bertholi. O pesquisador ressalta que o estudo realizado pela Unimontes pode servir não somente para “expor uma ferida de décadas e que agora ganha contornos de drama”, mas também para “clarear outras possibilidades criadas pelo novo modelo de organização implementado pelas “viúvas de maridos vivos”. Na avaliação de Bertholi, esse modelo é o da “valorização da cultura local, dos produtos camponeses, da arte do barro, da palha, da culinária que valoriza essas formações ímpares desses rincões brasileiros”.

Solidão como destino

Maria Zilda assume os cuidados pesados de uma pequena lavoura de animais(foto: Solon Queiroz/Especial para o EM )
Maria Zilda assume os cuidados pesados de uma pequena lavoura de animais (foto: Solon Queiroz/Especial para o EM )


Além de casas fechadas, a migração em busca de oportunidades de trabalho provocou no Vale do Jequitinhonha o isolamento de pessoas idosas, que perderam passo a passo a companhia dos parentes. É a situação de Maria Zilda de Matos, de 66 anos,  produtora rural em Chapada do Norte.  Criada numa família de 12 irmãos, ela não se casou e não teve filhos. Perdeu a mãe aos 14 anos e ajudou a criar sete irmãos mais novos.

O pai de Maria Zilda era migrante e, todos os anos, viajava para trabalhar no corte de cana. Ela conta que, ao chegar na fase adulta, cinco irmãos seguiram o caminho do pai e também se empregaram como cortadores de cana no interior de São Paulo. “Como meus irmãos ficavam fora, eu também cuidava dos meus sobrinhos.”

Com a seca e a falta de oportunidades na região, os irmãos e os sobrinhos dela foram embora de vez, em busca de trabalho em São Paulo. Com a morte do pai, Maria Zilda, hoje, mora sozinha, cuidando de sua propriedade, na localidade de Gravatá. Antigos moradores, que eram seus vizinhos mais próximos, também migraram. “Moro com Deus, que é a nossa salvação e minha companhia”, diz a agricultora, que atua como líder comunitária na região.

Apesar da solidão, Maria Zilda não desanima e cuida da pequena propriedade, onde planta lavoura e cria pequenos animais. Assume serviços pesados, como o carregamento de lenha nos braços. “Hoje, as coisas estão mais difíceis. As despesas na roça eram menores. A gente usava roupa de algodão feita em casa. Não tinha que comprar roupas. Também não tinha despesa com telefone, essas coisas”, observa.

Na zona rural de Jenipapo de Minas, a reportagem do EM se deparou com a aposentada Salvina Carvalho Rocha, viúva, de 80 anos. “Aqui, mora somente eu e Deus”, diz. Ela teve seis filhos, dos quais somente dois estão vivos, mas “saíram pelo mundo” em busca de trabalho.  “Antigamente, tinha muita gente novata aqui, Mas hoje, um cado morreu e outros saíram do lugar. Aqui ninguém planta mais roça porque não chove. Quando planta, não dá nada. Aí, o povo esmoreceu”,  afirma. “Tá ruim para todo mundo. Pra mim não tá pior porque estou aposentada”, disse.

Salvina mora perto do povoado de Vila São José, a 12 quilômetros da área urbana. O lugarejo ganhou o aspecto de cidade fantasma, pois a maioria dos antigos moradores foram embora,  à procura de trabalho. Todos os antigos pequenos estabelecimentos comerciais da vila, como uma sorveteria e um boteco, estão fechados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade