Publicidade

Estado de Minas

MERCADO S/A - Empresa de Blairo Maggi vai às compras

A mais recente aquisição, concluída no mês passado, foi a fazenda Itamarati Norte, por R$ 2,2 bilhões


postado em 01/02/2018 15:00 / atualizado em 01/02/2018 15:31

 

Empresa de Blairo Maggi vai às compras
A Amaggi, empresa do setor agropecuário que pertence à família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (foto), está com apetite aguçado por aquisições de terras principalmente no Centro-Oeste e Norte do País. A companhia não revela suas ambições, mas fontes ligadas à diretoria do grupo afirmam que a ordem é comprar fazendas com bons índices de produtividade e potencial para crescimento. A mais recente aquisição, concluída no mês passado, foi a fazenda Itamarati Norte, por R$ 2,2 bilhões. A propriedade pertencia aos herdeiros de Olacyr de Moraes, o antigo rei da soja. Localizada em Campo Novo de Parecis, no Mato Grosso, a área total da fazenda, que já era arrendada pela empresa, é de aproximadamente 100 mil hectares, com 55 mil hectares destinados à agricultura e o restante para a pecuária e reserva ambiental. Segundo o ministro, a ideia é transformar o local em um novo município.

 


Recordes no Porto de Paranaguá
Antigo símbolo do sucateamento da infraestrutura no país, o Porto de Paranaguá, no Paraná, vive hoje situação bem diferente. Em 2017, registrou movimento de cargas recorde, com 51,5 milhões de toneladas transportadas –  alta de 14,2% na comparação com 2016. Boa parte do resultado positivo se deve à soja (foto), com 11,4 milhões de toneladas embarcadas. Depois do grão, aparece o açúcar, com 4,8 milhões de toneladas.

Nikon desiste do Brasil
A Nikon, companhia japonesa de câmeras fotográficas, vai embora do Brasil neste ano. A empresa desistiu do país porque considera a carga tributária pesada demais, o que tira a competitividade de seus produtos. Um exemplo simples: em muitos casos, é mais barato buscar uma câmera em Miami do que adquirir uma no Brasil, mesmo considerado o preço da passagem aérea. A empresa estava por aqui desde 2011. Apesar do fim das vendas, os serviços de assistência serão mantidos.

 

 

GoPro abre mão do mercado de drones
A GoPro, empresa que se apresentou como a potencial líder no mercado de drones (foto), já abortou sua decolagem. O presidente da companhia, famosa por suas câmeras digitais compactas, planeja demitir 20% de seus funcionários e sair de vez no segmento. “As restrições impostas por Estados Unidos e União Europeia ao uso de drones fazem esse negócio se tornar inviável”, disse o CEO Nicholas Woodman. Acionistas já demonstram preocupação com os drones. Os resultados do terceiro trimestre do ano passado, com receita de US$ 340 milhões, veio abaixo do estimado, que era de US$ 475 milhões.

Rapidinhas
O cerco às moedas virtuais está cada vez mais pesado. Ontem, o Facebook informou que vai banir da timeline anúncios de produtos e serviços ligados às criptomoedas. A nova política será aplicada a todas as plataformas da rede social, incluindo o Instagram. A notícia é boa para as instituições financeiras tradicionais, que alegam que as bitcoins e companhia são um risco para o investidor.

A Apple está mesmo disposta a investir em novas fronteiras de negócios. Em 2018, a empresa aumentou de três para 27 sua frota de veículos autônomos – o número pode chegar a 50 no final do ano. Os Lexus RX 450h SUV circulam pelas ruas da Califórnia.

Circo é coisa do passado, certo? Errado. O Brasil será palco de duas grandes produções circenses internacionais inéditas no país: Cirque International Festival Contest e o espetáculo Reverie. O festival foi criado pelo príncipe Rainier III, em 1974, e tornou-se o Oscar do circo no mundo. Atualmente, é presidido pela princesa Stéphanie de Mônaco.

Os direitos no Brasil foram transferidos à La Force Productions, de Jeferson Alexandre, e à Spacial Cultural e Entretenimento, de Marlene Querubim. A expectativa é receber mais de 300 mil pessoas. O festival, de 2 a 6 de maio, terá Eugene Chaplin, filho de Charlie Chaplin, no júri. E o Reverie será de 11 de maio a 12 de agosto. Ambos no Anhembi, na capital paulista.

3,3 milhões
de barris por dia foi a produção do pré-sal brasileiro em dezembro de 2017. É a primeira vez que a produção do pré-sal supera a do pós-sal

“A privatização é o melhor caminho para aliviar as contas públicas e melhorar os serviços oferecidos ao cidadão”
David Barioni,
ex-presidente da TAM e atual presidente da SPTuris, empresa oficial de turismo de São Paulo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade