Publicidade

Estado de Minas

Silvio Santos e a concorrência por Chaves e Chapolin -ercado s/a

A Globo comprou 273 episódios de Chaves e 250 de Chapolin, personagens que estão no SBT há quase quatro décadas


postado em 31/01/2018 12:00 / atualizado em 31/01/2018 08:06



(foto: Reprodução twitter)
(foto: Reprodução twitter)

Silvio Santos tem duas grandes preocupações no momento. A primeira delas: preparar a sucessão no SBT, ainda envolta em incertezas. A segunda: resolver a questão Chaves e Chapolin. Isso mesmo. O empresário ficou furioso ao descobrir que a rival Globosat fechou parceria com a rede mexicana Televisa para exibir Chaves e Chapolin na programação do Multishow. A Globo comprou 273 episódios de Chaves e 250 de Chapolin, personagens que estão no SBT há quase quatro décadas – e que, nesse período, sempre foram sucesso de audiência, garantindo muitas vezes o segundo lugar no Ibope.
Silvio escalou um time de executivos para conversar pessoalmente com a Televisa, no México, e assim passar o assunto a limpo. Segundo um diretor do SBT, ele não admite que a histórica parceria fique de alguma forma ameaçada. Enquanto o imbróglio não se resolve, o apresentador se diverte entrevistando o presidente da República (foto).


Os negócios amargos das empresas de chocolate
A pressão midiática e da comunidade médica contra a obesidade está prejudicando os negócios da suíça Nestlé, maior empresa de alimentos do mundo. A companhia estuda a venda de sua divisão de chocolates nos Estados Unidos, avaliada em US$ 3 bilhões. Não se trata de um caso isolado. A Lindt (foto), outra gigante suíça da área de chocolates, atribui ao mercado americano o seu pior resultado trimestral em oito anos.

Na Europa, o melhor PIB em 10 anos
Para um país recém-saído do atoleiro, como o Brasil, o desempenho da economia global pode determinar a velocidade da recuperação. Nesse aspecto, os ventos internacionais não poderiam ser mais favoráveis. Segundo a Eurostat, o PIB da zona do euro cresceu 2,5% em 2017, o melhor resultado em 10 anos. Em 2016, o índice foi de 1,8%. As perspectivas para 2018 apontam para um resultado próximo ou levemente superior ao do ano passado.

Ministério Público pressiona Netshoes
O Ministério Público está colocando a Netshoes contra a parede. A gigante do e-commerce terá de comunicar o vazamento de dados pessoais a cada um dos cerca de 2 milhões de clientes atingidos pelos recentes ataques. Embora os hackers não tenham conseguido acessar dados de cartão de crédito, informações como data de nascimento, CPF, valor gasto e data da última compra foram vazadas. Trata-se de um dos maiores incidentes de segurança virtual registrados no Brasil

Rapidinhas
O laboratório francês Sanofi está de olho na disparada dos casos de febre amarela no país. Enquanto os postos de saúde (foto) são abastecidos pela Fundação Oswaldo Cruz, a Sanofi é líder no fornecimento de vacinas para clínicas privadas, que receberão doses ainda neste mês. A divisão de vacinas da empresa atua em parceria com o Instituto Pasteur, que vende a dose às clínicas privadas por R$ 150.

Existem operações de fusão e aquisição que são difíceis de entender, mas a que está sendo elaborada pela americana Dell é mais do que estranha. A empresa VMware, que tem a Dell como dona de 80% de seu capital, pode comprar a própria Dell.

A manobra, chamada de fusão reversa, geralmente ajuda companhias em apuro financeiro a equacionar suas dívidas. Em 2015, a Dell pagou US$ 67 bilhões pela EMC, na maior aquisição da história do setor de tecnologia. Com esse novo negócio, a Dell poderia se capitalizar no mercado de ações, já que a VMware segue listada na Nasdaq.

O crédito para compra e construção de imóveis caiu em 2017, mas num ritmo menor do que em 2016. Segundo a Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), a queda foi de 7,4% – de R$ 46,6 bilhões para R$ 43,1 bilhões. Em 2016, o recuo foi de 36%. Para 2018, a Abecip projeta alta de 10%, para R$ 48 bilhões.


“Entendemos que é preciso pagar as contas da máquina estatal, mas precisamos cobrar do governo quais são as possibilidades de redução de impostos”
Daniel Mendez, presidente da Sapore, maior rede de restaurantes corporativos do país

6%
é quanto deve crescer o faturamento de shoppings em 2018, segundo estimativa da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). Em 2017, os shoppings faturaram R$ 167,7 bilhões

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade