Publicidade

Estado de Minas

Embraer e Boeing negociam acordo; governo deve vetar


postado em 22/12/2017 07:17

São Paulo e Brasília, 22 - As fabricantes de aviões Embraer e Boeing anunciaram nesta quinta-feira, 21, que estudam uma "potencial combinação", mas sem deixar claro que tipo de negócio seria esse. De acordo com a nota conjunta divulgada pelas empresas, as bases de um potencial acordo ainda estão em discussão, e "qualquer transação estaria sujeita à aprovação do governo brasileiro". A notícia fez as ações da Embraer dispararem na Bolsa de Valores de São Paulo: fecharam em alta de 22,5%.

Reportagem do jornal americano

The Wall Street Journal

aponta que a empresa americana teria interesse em adquirir o controle da companhia brasileira. Mas essa posição deve enfrentar resistência dentro do governo, principalmente nas áreas militares. O comando da Aeronáutica, por exemplo, afirmou considerar a Embraer "uma empresa estratégica e fundamental para a soberania nacional".

Numa conversa com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, e o comandante da Aeronáutica, Nivaldo Rossato, nesta quinta-feira, durante a reunião de cúpula do Mercosul, o presidente Michel Temer teria dito que a Embraer é "inegociável". O que preocupa principalmente o meio militar é que a Embraer, junto com a produção de jatos comerciais leves, tem um braço de indústria aeronáutica de defesa com grande conteúdo tecnológico. Há um receio de que, estando sob o comando da Boeing, essas linhas de produção possam ser interrompidas por influência do Congresso norte-americano, que tem total controle sobre a indústria de defesa local.

Na área econômica, porém, a venda do controle da Embraer não enfrentaria tanta resistência. Uma fonte ouvida pelo

Estadão/Broadcast

avaliou que seria uma operação complicada, porque a Embraer tem muita participação no Brasil em desenvolvimento de tecnologia e na produção de equipamentos militares. Mas disse, porém, que perder o controle da companhia não seria um problema para o governo.

Um acordo entre as duas companhias teria de passar pelo aval do governo brasileiro por conta de uma ação especial (chamada de golden share) que a União detém desde que a Embraer foi privatizada, em 1994. Essa ação especial dá direito de veto em decisões importantes, como a criação ou alteração de programas militares e a transferência do controle acionário.

Apesar do direito de veto, o governo não é um acionista tão relevante da Embraer: tem uma participação de apenas 5,4%, por meio do BNDESPar, o braço de participações do BNDES. A Embraer, na verdade, é uma empresa sem controlador definido. Seu maior acionista é a consultoria de investimentos americana Brandes, com 15% das ações. A maior parte dos papéis, 64,5%, está diluída no mercado. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(Lu Aiko Otta, Igor Gadelha e Fernando Scheller)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade