Publicidade

Estado de Minas

Shoppings têm pior Natal em mais de uma década, diz Alshop

A entidade, que monitora dados do setor desde 2004, considera que nunca teve um resultado de queda nominal de vendas tão acentuado como o de 2016


postado em 26/12/2016 13:25 / atualizado em 26/12/2016 15:51

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

O Natal de 2016 nos shoppings foi o mais fraco da história recente acompanhada pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). A entidade, que monitora dados do setor desde 2004, considera que nunca teve um resultado de queda nominal de vendas tão acentuado como o de 2016, quando as vendas caíram 3% na comparação com igual período do ano anterior. A expectativa, porém, é de um 2017 mais positivo.

Em 2014, as vendas de Natal haviam crescido 3% ante o ano anterior e, em 2015, a queda foi de 2,8%. "É o pior Natal desde que acompanhamos os resultados, mesmo diante de uma base fraca em 2015", afirmou o presidente da entidade, Nabil Sahyoun. Tradicionalmente, o Natal permitia que as lojas registrassem aumento de vendas superior ao crescimento da economia naquele ano, diz, mas os últimos dois anos foram de enfraquecimento da data.

Os números da Alshop não consideram a inflação do período. Em termos reais, a queda seria ainda maior, dada a inflação de 6,58% acumulada em doze meses até dezembro, segundo o IPCA-15.

Apesar de ruim, Sahyoun considera que o resultado fraco era esperado pelo varejo. O cenário político instável desse ano, somado a uma oferta de crédito restrita e alta do desemprego fizeram com que o empresariado já se preparasse para o pior, pondera.

Para 2017, porém, ele enxerga uma "retomada da confiança" dos empresários e um desempenho melhor das vendas. Ele citou ações recém-anunciadas pelo governo federal como responsáveis por melhorar o otimismo do setor.

Sahyoun considera que as perspectivas de redução da taxa básica de juros, Selic, e das taxas de juros no cartão de crédito para consumidores devem estimular as vendas. Ele avaliou ainda que a possibilidade anunciada de saques em contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) deve servir de estímulo à uma melhoria do sentimento das famílias e, com isso, impulsionar o consumo.

Cartões

A Alshop espera que estudos sobre medidas tratadas pelo governo a respeito do setor de cartões sejam concluídos e as medidas implementadas até o final do primeiro trimestre de 2017. A associação considera ainda que deve avançar a redução dos prazos de repasse aos lojistas dos recebíveis no cartão de crédito.

O presidente da entidade se mostrou otimista com iniciativas que foram anunciadas nas últimas semanas pelo governo federal e miram a redução das taxas de juros cobradas dos consumidores no cartão de crédito. Embora ainda esteja sendo discutida com o setor de cartões, a redução no prazo dos repasses foi considerada "irreversível" pelo presidente da Alshop.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade