Publicidade

Estado de Minas

Falta de dinheiro faz mal à saúde, avalia pesquisa junto ao consumidor

Bra­si­lei­ros com débitos com mais de 90 di­as de atra­so so­frem com an­si­e­da­de, an­gús­tia e tam­bém de­pres­são


postado em 11/10/2016 06:00 / atualizado em 11/10/2016 07:46


O di­nhei­ro po­de não tra­zer fe­li­ci­da­de, mas um des­com­pas­so fi­nan­cei­ro acar­re­ta pro­ble­mas gra­ves de saú­de. Ca­da vez mais en­di­vi­da­dos, os bra­si­lei­ros es­tão so­fren­do com ma­les fí­si­cos e men­tais co­mo an­sie­da­de, an­gús­tia, di­fi­cul­da­des de re­la­cio­na­men­to no tra­ba­lho e até mes­mo de­pres­são. A con­clu­são é do le­van­ta­men­to na­cio­nal rea­li­za­do com con­su­mi­do­res com dí­vi­das em atra­so há mais de 90 dias pe­lo Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC) e pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­cio­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas (CN­DL). De acor­do com a pes­qui­sa, dois em ca­da três (65,6%) inadim­plen­tes se sen­tem de­pri­mi­dos, tris­tes e de­sa­ni­ma­dos por de­ve­rem e, dian­te da si­tua­ção, 16,8% re­cor­rem a ví­cios co­mo ci­gar­ro, co­mi­da ou ál­cool, so­bre­tu­do, as pes­soas das clas­ses C, D e E (17,5%).

Di­vul­ga­da on­tem, a pes­qui­sa en­tre­vis­tou 602 inadim­plen­tes em to­do o Bra­sil com dí­vi­das com mais de 90 dias. “O re­sul­ta­do nos mos­trou que a con­se­quên­cia do en­di­vi­da­men­to não é só pa­ra o bol­so, mas tam­bém pa­ra a saú­de des­sas pes­soas”, co­men­ta a eco­no­mis­ta do SPC, Mar­ce­la Ka­wau­ti. Se­gun­do ela, o le­van­ta­men­to apon­tou que, de­pois que en­tra­ram na lis­ta de de­ve­do­res, seis em ca­da 10 inadim­plen­tes ad­mi­ti­ram fi­car com a au­toes­ti­ma mais bai­xa (57,8%). Ou­tros sen­ti­men­tos que a maio­ria pas­sou a ter fo­ram: in­se­gu­ran­ça em não con­se­guir pa­gar as dí­vi­das (69,9%), an­gús­tia (61,8%), an­sie­da­de (59,8%) e es­tres­se (57,6%). Além dis­so, qua­tro em ca­da 10 inadim­plen­tes (43,9%) sen­tem-se en­ver­go­nha­dos pe­ran­te a fa­mí­lia e ami­gos por es­ta­r nes­sa si­tua­ção e 42,5% de­mons­tram em al­to grau de preo­cu­pa­ção com as dí­vi­das.

Con­for­me da­dos do SPC, há atual­men­te no país 58,8 mi­lhões de en­di­vi­da­dos e, se­gun­do co­men­ta Ka­wau­ti, nes­sa pes­qui­sa, a de­pres­são, por exem­plo, foi diag­nos­ti­ca­da de­pois que as dí­vi­das apa­re­ce­ram. “E, mui­tas ve­zes, há um efei­to loo­ping em que a pes­soa de­pri­mi­da ten­ta ad­qui­rir al­gum pro­du­to pa­ra me­lho­rar, mas aca­ba ge­ran­do ou­tras dí­vi­das”, co­men­ta. As­sim, co­mo des­ta­ca a eco­no­mis­ta, o es­ta­do emo­cio­nal do de­ve­dor tam­bém in­ter­fe­re no mo­do co­mo ele li­da com as suas fi­nan­ças. “Sen­ti­men­tos co­mo per­da de so­no, ir­ri­ta­ção, bai­xa au­toes­ti­ma e fal­ta de con­cen­tra­ção po­dem po­ten­cializar os pro­ble­mas, di­fi­cul­tan­do ain­da mais o pro­ces­so de saí­da do en­di­vi­da­men­to.”

Ain­da de acor­do com a es­pe­cia­lis­ta do SPC, a ques­tão não se li­mi­ta à dí­vi­da e tem im­pac­tos em to­das as es­fe­ras da vi­da. “As pes­soas re­la­tam ter pro­ble­mas de re­la­cio­na­men­to pro­fis­sio­nal, so­cial e fa­mi­liar: 15,9% afir­ma­ram ter fi­ca­do de­sa­ten­tas e pou­co pro­du­ti­vas no tra­ba­lho ou nos es­tu­dos, en­quan­to 12,6% têm es­ta­do mais ner­vo­sos, co­me­ten­do agres­sões ver­bais a fa­mi­lia­res e ami­gos, e 7,6% já par­ti­ram até mes­mo pa­ra agres­sões fí­si­cas”, aler­ta.

Pa­ra a psi­quia­tra Lu­cia­na No­guei­ra de Car­va­lha, que aten­de na Ma­ter­ni­da­de Ode­te Va­la­da­res, pa­ra a pes­soa de­pri­mi­da o mun­do já es­tá sem cor. “Ela se sen­te cul­pa­bi­li­za­da, des­vi­ta­li­za­da, sem von­ta­de de rea­li­zar ta­re­fas sim­ples do dia a dia. Dian­te da cri­se, tan­to ideo­ló­gi­ca quan­to fi­nan­cei­ra pe­la qual nos­so país es­tá, o es­tres­se au­men­tou pa­ra to­dos. Mui­tas pes­soas per­de­ram o em­pre­go e já não po­dem mais vi­ver co­mo fa­ziam an­te­rior­men­te”, ava­lia, acres­cen­tan­do que, o mo­men­to atual ca­ta­li­sa o sen­ti­men­to de inu­ti­li­da­de e de des­cren­ça, co­muns nos qua­dros de­pres­si­vos. “A de­pres­são, mui­tas ve­zes já exis­ten­te em al­gu­mas pes­soas, agra­va-se nes­ta atual si­tua­ção so­cial pe­la qual es­ta­mos pas­san­do”, diz.

No divã


No pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, uma pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to de Psi­quia­tria da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) mos­trou que 80% das pes­soas que acu­mu­lam dé­bi­tos so­frem de de­pres­são. No iní­cio de se­tem­bro, o Es­ta­do de Mi­nas mos­trou que a cri­se eco­nô­mi­ca tem atin­gi­do a saú­de de di­ver­sos per­fis de pro­fis­sio­nais. A re­por­ta­gem mos­trou que re­ces­são es­tá pre­sen­te em 80% das quei­xas dos pa­cien­tes em mui­tos con­sul­tó­rios de psi­quia­tria de Be­lo Ho­ri­zon­te, e a pro­cu­ra por uma aju­da mé­di­ca ou psi­co­ló­gi­ca por cau­sa do ce­ná­rio já cor­res­pon­de a 40% dos ca­sos em al­guns lo­cais, nos úl­ti­mos 12 me­ses. An­sie­da­de, in­sô­nia, dis­túr­bios, de­sâ­ni­mos, de­pres­são e sín­dro­me do pâ­ni­co são al­guns dos qua­dros de­sen­vol­vi­dos por quem sen­tiu o im­pac­to do de­sem­pre­go, in­fla­ção e re­du­ção do po­der de con­su­mo.

Pior do que os ma­les men­tais de­sen­ca­dea­dos, há os ca­sos de pes­soas que, de­ses­pe­ra­das com as per­das eco­nô­mi­cas, che­ga­ram ao ex­tre­mo e pen­sam em ti­rar a pró­pria vi­da. Com da­dos sob si­gi­lo, o Cen­tro de Va­lo­ri­za­ção à Vi­da (CVV) de BH in­for­mou ao EM que as li­ga­ções de pes­soas com es­se ti­po de pen­sa­men­to tem cres­ci­do nos úl­ti­mos me­ses.

Soluções


Quem pas­sa por mo­men­to de pro­ble­mas emo­cio­nais de­ve, pri­mei­ra­men­te, pro­cu­rar uma aju­da mé­di­ca. Além dis­so, de acor­do com a eco­no­mis­ta do SPC Bra­sil, Mar­ce­la Ka­wau­ti o pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro é a ou­tra saí­da. “Quem es­tá com dí­vi­das, de­ve-se or­ga­ni­zar: ano­tar o que ga­nha, o que gas­ta. E, pa­ra qui­tar o que de­ve, fa­zer al­guns cor­tes es­sen­ciais nos gas­tos e lem­brar que is­so é tem­po­rá­rio”, in­di­ca. Ela re­for­ça que o en­di­vi­da­do não de­ve dei­xar pa­ra as dí­vi­das pa­ra de­pois. “De­ve ten­tar en­ca­rar pa­ra re­sol­ver, ca­so con­trá­rio, po­de vi­rar uma bo­la de ne­ve.” Mes­mo pa­ra quem não es­tá nes­sa si­tua­ção, Ka­wau­ti acon­se­lha se pre­ve­nir. “Co­me­ce a se or­ga­ni­zar, pois o im­pre­vis­to po­de ocor­rer com to­do mun­do”, en­fa­ti­za.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade