Publicidade

Estado de Minas

Produção industrial cai 2,4% em novembro, a sexta seguida

Queda registrada em novembro foi a mais intensa desde dezembro de 2013 (-2,8%)


postado em 07/01/2016 09:31 / atualizado em 07/01/2016 09:59

A produção industrial brasileira registrou queda de 2,4% de outubro a novembro de 2015, o sexto resultado consecutivo frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, fechando os primeiros onze meses do ano com retração acumulada de 8,3%.

Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Brasil (PIM-Brasil) e foram divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles indicam que a queda registrada em novembro foi a mais intensa desde dezembro de 2013 (-2,8%).


Quando comparada com novembro do ano passado, a série sem ajuste sazonal, a produção industrial chegou a cair 12,4% - neste caso a 21ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação e a mais acentuada desde abril de 2009 (-14,1%).

Já a taxa anualizada, o indicador acumulado nos últimos 12 meses, é negativa em 7,7%, assinalando a perda mais intensa desde novembro de 2009 (-9,4%) e mantendo a trajetória descendente iniciada em março de 2014 (2,1%).

Segundo o IBGE, a queda de 2,4% de outubro para novembro reflete o predomínio de resultados negativos no parque fabril do país, atingindo três das quatro grandes categorias econômicas e 14 dos 24 ramos pesquisados.

Atividades

O recuo de 2,4% na produção industrial em novembro ante outubro foi acompanhada por 14 das 24 atividades analisadas pelo IBGE. A maior pressão veio da indústria extrativa, cuja atividade recuou 10,9% no período, apontou o órgão.

Nesse mês, a indústria extrativa, que vinha registrando bom desempenho no ano, foi afetada pela greve dos petroleiros ligados à Petrobras e pelo desastre em Mariana (MG), quando duas barragens da Samarco se romperam. A mineradora parou a produção desde o acidente.

O segundo maior impacto negativo veio da produção de derivados de petróleo e biocombustíveis, que recuou 7,8% em novembro ante outubro. Segundo o IBGE, esse setor também foi impactado pela greve dos petroleiros.

Também tiveram recuos significativos as atividades de produtos alimentícios (-2,2%), minerais não metálicos (-3,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e óticos (-6 0%) e farmacêutica (-3,9%).

No sentido contrário, a alta de 1,3% na produção de veículos em novembro ante outubro foi destaque, segundo o IBGE. Em seguida veio a atividade de metalurgia, que melhorou 1,4% na passagem do mês. A produção de bebidas também subiu 1,4% no período. (Com agências)


Publicidade