Publicidade

Estado de Minas

Interpol deve ir atrás de decorador suspeito de aplicar golpes em noivas

Netto Galvão vai figuar em lista internacional quando a Justiça decretar a prisão preventiva dele. Fornecedores também reclamam de dívidas


postado em 12/05/2015 08:19

"É um claro estelionatário. Quando ele recebeu os valores, sabia que não poderia prestar o serviço. Ele quis tirar vantagem sobre o sonho de várias noivas" Cláudia Alcântara, delegada-chefe da 3ª DP (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Depois de ter aplicado golpe em mais de 100 noivas no Distrito Federal e deixado uma dívida avaliada em mais de R$ 1,2 milhão, o decorador de eventos Chrisanto Lopes Netto Galvão foi indiciado por estelionato. A Polícia Civil pediu à Justiça a prisão preventiva do suspeito, que, ao fechar as portas da empresa, na última quinta-feira, embarcou para a França. Nesse caso, o nome do empresário deve ser incluído na lista dos procurados pela Interpol, o que quer dizer que ele será considerado foragido não somente no Brasil, mas também no exterior. Dos contratos fechados, 58 noivas registraram ocorrência contra Galvão, que ainda deixou prejuízos para fornecedores de Brasília e de Goiânia.

Sócio de uma empresa de locação de mobiliário para eventos, Diogo Eterno Amorim Santo calcula um prejuízo de R$ 39 mil. “Ele tinha 31 festas agendadas comigo. Jamais pensei que uma pessoa com tantas reservas e com tantas festas organizadas para a alta sociedade de Brasília poderia fazer isso. Já tinha ouvido falar que ele não estava bem de dinheiro, mas não acreditava, porque ele continuava a fazer eventos”, disse. Há mais de dois anos, o estabelecimento Diogo era fornecedor de Netto Galvão.

A 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro) investiga o caso. A delegada-chefe da unidade, Cláudia Alcântara, esclareceu que o decorador responderá por cada um dos inquéritos abertos. “É um claro estelionatário. Quando ele recebeu os valores, sabia que não poderia prestar o serviço. Ele quis tirar vantagem sobre o sonho de várias noivas”, comentou. Além de ser indiciado por estelionato, com pena que varia de 1 a 5 anos, Netto Galvão pode ser processado por crime contra a ordem tributária, pois nenhum dos contratos apresentados pelas noivas tinha nota fiscal.

ENTENDA O CASO


Golpe e fuga para Paris


O que era para ser a realização de um sonho se transformou em caso de polícia na última quinta-feira, quando várias noivas com casamento marcado procuraram as delegacias do Distrito Federal, principalmente a 3ª DP (Cruzeiro). As vítimas registraram ocorrência contra a empresa de decoração e fotografia de eventos Chrisanto Lopes Netto Galvão, na Quadra 303 do Sudoeste. Sob a alegação de um suposto golpe, elas afirmaram que a firma teria fechado as portas e que, depois disso, Galvão desapareceu e não atendia as ligações telefônicas ou respondia mensagens. Naquele dia, as noivas teria recebido uma carta eletrônica, supostamente enviada por ele, alegando problemas psicológicos e falência, o que fez com que elas reagissem e procurassem as autoridades. Muitas delas estão com casamentos marcados para este mês e depositaram valores à vista para o decorador. As investigações da 3ª DP apontam que cerca de 100 pessoas teriam sido lesadas. A Polícia Federal confirmou que Netto Galvão embarcou para Paris no último dia 6.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade