UAI
Publicidade

Estado de Minas

Priorização de hidrelétricas agravou crise de energia no Brasil

Brasil priorizou instalação de hidrelétricas pelo custo mais baixo, mas se outras fontes tivessem sido exploradas nos últimos anos já estariam operando e crise seria afastada


postado em 12/05/2014 06:00 / atualizado em 12/05/2014 07:23

Brasília – O Brasil está pagando caro por ter escolhido a opção mais barata para sua matriz energética em vez de ter ampliado o mix de possibilidades, investindo mais em fontes alternativas de energia. O setor elétrico está afundado num gargalo sem fim porque o país se tornou dependente das hidrelétricas. Com a falta de chuvas e o baixo nível dos reservatórios, as termelétricas, que deveriam ser acionadas apenas em casos emergenciais, foram incorporadas ao sistema, elevando o custo do megawatt/hora (MWh) a níveis recordes.

Atualmente, térmicas e grandes usinas hidrelétricas geram mais de 90% da energia consumida no país. Mas não faltam alternativas e iniciativas capazes de reduzir essa dependência e a exposição ao preço do MWh no mercado livre, que voltou ao teto de R$ 822,23. Usinas de biomassa, energia solar e eólica e as pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) são apenas algumas fontes não convencionais de eletricidade. Projetos de eficiência energética, aproveitamento do oceano, maior utilização do carvão como combustível termelétrico e a microgeração residencial também têm potencial para minimizar o caos do setor, que já está provocando aumento nas tarifas da conta de luz de todos os brasileiros.

Na avaliação de especialistas, se tais fontes alternativas tivessem participado de mais leilões no passado, já estariam operando. No entanto, só agora, depois do aumento no risco de déficit de energia, o governo prevê uma maior participação desses segmentos. Ainda assim, pouco, dizem os analistas. A previsão da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) é contratar uma capacidade instalada de 38.269 megawatts (MW) em geração elétrica nos leilões do período 2014-2018. Desse total, 14.679 MW, ou quase 38%, ainda serão de hidrelétricas. Energias alternativas ficarão com a menor fatia: eólica, com 9.000 MW, solar, 3.500 MW, biomassa, 2.380 MW, térmicas a carvão e gás com 7.500 MW e as PCHs com 1.210 MW.

Vento a favor

Para a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeolica), Elbia Melo, nenhuma fonte isolada seria solução para o problema estrutural do Brasil. O conjunto das alternativas, contudo, poderia contribuir mais para a redução do risco. “Há 10 anos, energia eólica era proibitiva pelo alto preço. Hoje, o cenário é outro. É a segunda fonte mais competitiva, com preço de R$ 130 o MWh, só perde para hidrelétricas. Mas tem a vantagem de iniciar as operações em dois anos, enquanto as grandes usinas precisam de, pelo menos, cinco anos”, observa.

Atualmente, a energia dos ventos tem capacidade instalada para contribuir com 3% do total, destaca Elbia. “Mas temos projetos para aumentar isso para 14 mil MW até 2018, ou seja, um salto para 8% de participação”, observa, acrescentando que, de janeiro a maio, o uso de energia eólica já garantiu uma economia de R$ 1,5 bilhão ao país.

Combustível de menor custo na geração de energia térmica, o carvão mineral ficou de fora dos últimos leilões de energia porque o governo ofereceu um preço máximo de R$ 144 o MWh, considerado pouco para garantir a viabilidade dos projetos. No entanto, diante do caos energético, as usinas já existentes voltaram a operar com força e hoje o despacho é recorde, garante o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral, Fernando Luiz Zancan. “Ao trocar 1 mil MW de óleo combustível pelo carvão, a economia é de R$ 500 milhões por mês”, diz.

Economia


O carvão brasileiro, usado nas usinas do Sul do país, é responsável pela geração de 1.700 MW, enquanto o minério importado que abastece os empreendimentos do Nordeste, por mais 1.400 MW. “Isso equivale a 2,4% da matriz brasileira. Já no leilão de setembro temos como cadastrar mais 1.800 MW de carvão nacional, mas tudo vai depender do preço. Os investimentos podem alcançar R$ 10 bilhões se fizermos tudo", diz Zancan.

As prioridades equivocadas do governo brasileiro tornaram a atual crise no setor elétrico uma crônica anunciada, na opinião do pesquisador da Embrapa Agroenergia José Dilcio Rocha. Ele defende a maior utilização de biomassa na geração de energia. “O uso de resíduos como o bagaço da cana de açúcar, cavaco de madeira ou casca de arroz como combustível poderia gerar 14 mil MW, o equivalente à produção da usina de Itaipu”, revela.

Nos oceanos

Além das fontes alternativas já em aplicação no Brasil, o uso do oceano também poderia mitigar o caos energético. Em aplicação em vários países, as grandes energias utilizáveis se dividem em exploração do gradiente térmico entre a superfície e o fundo do mar, o uso da força das marés e das ondas, e a exploração das correntes marinhas. Entre as vantagens, estão a constância e previsibilidade da ocorrência das marés e o fato de serem uma fonte inesgotável de energia não poluente. Porém, especialistas alertam para os altos custos de instalação de usinas e a dificuldade de transmissão, além do grande impacto ambiental no bioma marinho.

Usina de pequeno porte em Minas: potencial negligenciado pelo governo(foto: Adriana Barbosa/Divulgação -2013 13/11/09)
Usina de pequeno porte em Minas: potencial negligenciado pelo governo (foto: Adriana Barbosa/Divulgação -2013 13/11/09)
Pequenas opções viáveis

Com uma participação de 3,6% da matriz brasileira, 462 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) geram 4.600 mil MW atualmente. O presidente da Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel), Charles Lenzi, sublinha que 669 projetos já protocolados e 141 ainda em elaboração seriam capazes de dobrar a capacidade para 8 mil MW. Os investimentos possíveis são estimados em R$ 60 bilhões, com a vantagem das PCHs serem pulverizadas por todo o país e próximas dos centros de consumo, gerando economia em linhas de transmissão. “No entanto, precisamos de uma precificação melhor, de pelo menos R$ 175 o MWh para não desestimular os empreendedores”, diz Lenzi.


O presidente da Associação Brasileira de Fomento às Pequenas Centrais Hidrelétricas (ABRAPCH), Ivo Augusto de Abreu Pugnaloni, diz que o preço teto de R$ 112 por MWh limitou a participação das PCHs nos leilões. “Agora melhoraram um pouco, em R$ 148. Mas é o tipo da economia que sai cara porque ao usar termelétrica o MWh vai para mais de R$ 800. O governo não simpatiza com nossa fonte”, lamenta ele.


Com uma participação ainda insignificante na matriz energética, a energia solar deveria ser mais utilizada, na opinião do presidente do Instituto de Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal), Mauro Passos. “Pouco se tem feito no Brasil, mas a insolação é grande em todo o território. É uma alternativa subaproveitada”, observa. Passos diz que algumas iniciativas usam painéis solares para aquecimento de água, o que reduz o uso do chuveiro elétrico.


Mas o potencial é muito maior. “As casas, locais comerciais e agroindustriais podem gerar energia para o consumo e ainda comercializar o excedente, gerando a partir de painéis fotovoltaicos nos telhados. A residência passa a ser um local de microgeração de energia. Isso reduziria o problema atual do setor”, diz. O presidente do Ideal estima em até R$ 15 mil o custo de implantação de um painel em casas de classe média.


Se a presidente Dilma Rousseff desbloquear as verbas do Minha casa, minha vida, o Brasil poderia colocar em prática o maior programa de aquecimento solar para moradias populares da América Latina, defende o Departamento Nacional de Aquecimento Solar, da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Dasol/Abrava). (SK)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade