Publicidade

Estado de Minas

Falha provoca falta de energia em Minas e outros dez estados brasileiros

230 mil consumidores de um total de 7,5 milhões ficaram sem energia em Minas


postado em 04/02/2014 16:02 / atualizado em 04/02/2014 20:21

Minas Gerais e outros dez estados brasileiros ficaram sem energia na tarde desta terça-feira. De acordo com o Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS) foi registrada uma falha em uma linha de energia, que liga o Norte ao Sudeste, o que provocou a falta de energia. Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins tiveram o fornecimento de energia afetado.

De acordo com a ONS, as empresas de energia afetadas pelo apagão foram: Eletrobras Eletronorte, INTESA, TAESA, FURNAS, RACTBEL, ENERPEIXE, LAJEADO, CEMIG-GT, CTEEP, CESP, ELETROSUL, Agentes Distribuidores e consumidores industriais da região Sudeste-Centro-Oeste/Sul.

Em nota divulgada na tarde desta terça, a ONS explicou que "às 14h03, uma perturbação no Sistema Interligado Nacional causou a abertura da interligação em 500 kV entre a Região Norte e as Regiões Sudeste/Sul, entre Colinas e Serra da Mesa, interrompendo o fluxo de 5 mil MW para essas regiões".

A ONS informou em nota consolidada que "ocorreu um curto-circuito monofásico envolvendo a fase A da linha de transmissão 500 kV Miracema – Colinas C3, de propriedade do agente de transmissão Intesa, cujo controlador é o FIP Brasil, sendo a falha eliminada pela atuação correta das proteções da linha. Em seguida, ocorreu um curto-circuito bifásico-terra envolvendo as fases A e B da linha de transmissão 500 kV Miracema – Colinas C2, de propriedade do agente de transmissão Taesa, cujo controlador é a Cemig, sendo a falha eliminada pela atuação correta das proteções da linha".

Após a configuração da perda dupla entre Miracema e Colinas e considerando que o somatório dos fluxos nos três circuitos deste trecho, imediatamente antes dos distúrbios, era de 3.400 MW, foi acionada a lógica de perda dupla do Esquema de Controle de Emergência (ECE) da interligação, comandando o desligamento do circuito remanescente, de propriedade da Eletronorte. "Com a abertura da interligação Norte/Sudeste no trecho Miracema – Colinas, atuou o Esquema de Controle de Emergência – ECE dessa interligação, desligando a LT 500 kV Serra da Mesa 2 - Rio das Éguas, separando fisicamente os sistemas Norte e Nordeste do restante do restante do SIN".

A nota divulgada pelo ógão diz ainda que "para evitar a propagação do evento, houve atuação do primeiro estágio do Esquema Regional de Alívio de Carga (ERAC), causando o desligamento automático de cargas pré-selecionadas pelos agentes distribuidores locais, visando restabelecer a frequência do sistema. Às 14h41, a interligação Norte-Sudeste foi religada e a frequência normalizada. Já foi iniciado o processo de recomposição das cargas desligadas. Com a separação das regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul da região Norte/Nordeste, que antes da perturbação exportava energia, verificou-se déficit nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul, com consequente queda na frequência elétrica. Às 14:41h, a interligação foi restabelecida, dando-se início ao processo de recomposição das cargas, cuja conclusão se deu às 15:30h".

Minas Gerais

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informou nesta tarde que o sistema elétrico que atende os consumidores de Minas foi afetado por um distúrbio que teve origem no Sistema Interligado Nacional, provocando perda de carga e consequente interrupção de energia elétrica, pelo período máximo de 56 minutos, para cerca de 230 mil de um total de 7,5 milhões de consumidores da Empresa.

O desligamento ocorreu às 14h02 desta terça-feira, e o restabelecimento se iniciou a partir da determinação do ONS, às 14h48 e, às 14h58, todos os clientes afetados já tinha sido restabelecidos. A Cemig divulgou em nota "que, desde o início da ocorrência, técnicos e engenheiros trabalharam para restabelecer o fornecimento de energia no menor prazo possível, evitando maiores transtornos para os seus consumidores". De acordo com ONS, as causas que originaram o desligamento estão sendo apuradas.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte foram afetadas a de Venda Nova e os municípios de Ribeirão das Neves, Sete Lagoas, Baldim e Santana do Riacho. As cidades que ficaram sem energia no leste de Minas foram Poté, Ladainha, Malacacheta, Franciscópolis, Novo Cruzeiro, Setubinha, Ladainha, Chapada do Norte, Jenipapo de Minas, Caraí. Oeste de Minas: Arcos, Santo Antonio do Monte, Passos, São João Batista do Gloria, Fortaleza de Minas, Alpinópolis.

No Sul de Minas, os municípios atingidos foram Bom Sucesso, Ibituruna, Itutinga, Santo Antonio do Amparo, São Tiago, Nazareno, Ijaci, Oliveira, Santana do Jacaré, Lavras, Baempeti, Caxambu, Conceição do Rio Verde, Soledade de Minas, São Tomé das Letras, Juruaia, Muzambinho, Bom Jesus da Penha, Nova Resende, Monte Belo, Cabo Verde, São Pedro da União, Guaxupé, Guaranésia.

E no Triângulo Mineiro os consumidores sem energia foram os de Tapira, Araxá, Pratinha, Uberlândia, Carmo do Paranaíba, Serra do Salitre, Rio Paranaíba, Patos de Minas, Arapuá, Lagoa Formosa, Tiros, Matutina, Cruzeiro da Fortaleza, Guimarânia, Presidente Olegário, Lagamar, Coromandel, Uberaba.

Outros estados

A AES Eletropaulo anunciou que a falha no fornecimento de energia afetou Cotia, Vargem Grande Paulista, Embu e Diadema, além de bairros de São Paulo, como Capão Redondo Pedreira, Cidade Ademar, Mooca, São Mateus, Vila Prudente, Itaquera, Vila Mariana, Guaianases e Vila Matilde. A Eletropaulo afirma ter recebido autorização para religar para os clientes às 14h58.

A Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (Celesc) afirmou que a falha também afetou os clientes da empresa. "Quando isso acontece, todas as concessionárias seguem um procedimento técnico predefinido de alívio de carga, coordenado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), o que envolve desligamento de alimentadores. Esse procedimento é chamado de Esquema Regional de Alívio de Carga - Erac", diz o comunicado da Celesc. "Salientamos que o problema é externo à rede de distribuição da Celesc, ou seja, não gerenciável pela Empresa. Quando o sistema estiver estabilizado, com a autorização do ONS, os alimentadores da Celesc serão religados gradualmente".

A distribuidora de energia Light informou que o fornecimento de energia foi normalizado às 16h24, após cerca de duas horas de interrupção. Foram atingidos em torno de 600 mil clientes. O problema ocorreu em 17 subestações, "interrompidas devido ao evento no Sistema Interligado Nacional (SIN)", disse em nota.

Segundo a Light, uma anormalidade registrada às 14h03 no SIN fez com que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) solicitasse o desligamento das 17 subestações da Light. As localidades com o fornecimento interrompido foram: região de Bangu, Campo Grande e Guaratiba; Grande Méier; região de Jacarepaguá; região da Pavuna, Inhaúma e Irajá; região da Penha, Cascadura e Madureira. O problema também ocorreu em algumas regiões de cidades da Baixada Fluminense, tais como Mesquita, Belford Roxo, Queimados e Nova Iguaçu.

No Tocantins, a falha no Sistema Interligado Nacional durou quatro minutos - das 14h03 às 14h07, horário de Brasília. De acordo com a Companhia de Energia Elétrica do Tocantins (Celtins), foram afetadas as regiões Centro, Sul e Sudeste.  A falha não provocou nenhum transtorno em hospitais públicos estaduais, já que todos possuem geradores, informou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau). Em Palmas, também não houve registros de problemas no trânsito ou em departamentos públicos.

Com Agência Estado


Publicidade