Publicidade

Estado de Minas

Governo de Minas lança DataViva, plataforma de dados econômicos dos últimos 10 anos

Objetivo é subsidiar estratégias de desenvolvimento


postado em 27/11/2013 14:49 / atualizado em 27/11/2013 16:14

Ao fazer a apresentação da dinâmica do DataViva, o professor Cesar Hidalgo de Massachusetts Institute of Technology (MIT) elogiou o Governo de Minas pela iniciativa pioneira(foto: Omar Freire / Imprensa MG)
Ao fazer a apresentação da dinâmica do DataViva, o professor Cesar Hidalgo de Massachusetts Institute of Technology (MIT) elogiou o Governo de Minas pela iniciativa pioneira (foto: Omar Freire / Imprensa MG)

O Governo de Minas lançou esta semana o site DataViva - dataviva.info - ferramenta desenvolvida por meio do Escritório de Prioridades Estratégicas, em parceria com o professor Cesar Hidalgo, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT). A plataforma aberta oferece principalmente dados econômicos, entre outras informações dos mais diversos setores governamentais. Desenvolvido 100% em software livre e com acesso aberto, o projeto recebeu aporte de R$ 1,2 milhão da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Entre os dados econômicos, podem ser encontrados números das profissões com as melhores médias salariais, as melhores opções de investimento no Estado, dicas sobre como desenvolver um negócio para integrá-lo à cadeia produtiva de automóveis e até mesmo quais as cidades que mais produziram queijo no país, por exemplo.

O objetivo da ferramenta é subsidiar o processo de identificação dos melhores caminhos para diversificar a estrutura produtiva e promover o desenvolvimento econômico de cada localidade. Por meio de oito aplicativos, é possível ter acesso a cerca de 100 milhões de visualizações interativas de registros de exportações, de dados da indústria e de ocupações formais de cada um dos mais de cinco mil municípios brasileiros.

O governador Antonio Anastasia considerou o DataViva uma revolução. Ele lembrou que faltava a Minas e ao Brasil um banco de dados sistematizado para um correto planejamento das políticas públicas e indução do desenvolvimento econômico e social.

“No momento em que Minas Gerais tomou a coragem de se associar ao MIT e trazer para nosso Estado a capacidade intelectual de seus pesquisadores, passamos a ter um patamar superior no uso dos dados. São informações públicas, mas que estavam dispersas e não eram conexas. Agora, passamos a ter aqui algumas centenas de milhões de combinações que vão permitir de modo muito claro que a nossa indústria, o nosso comércio, agricultura e serviços possam usufruir desses dados, juntamente com o poder público, para fazerem planejamento e para atraírem mais empresas. É, portanto, uma ferramenta única, primeira vez apresentada pelo poder público no mundo, em que Minas Gerais, mais uma vez, felizmente, inova”, afirmou.

O diretor-presidente do Escritório de Prioridades Estratégicas, André Barrence, ressaltou que a ferramenta também é útil para auxiliar o cidadão comum. “O DataViva não é só uma ferramenta para o Governo pensar as suas políticas pública, mas também uma ferramenta de transparência e de distribuição de conhecimento que serve ao cidadão comum, por exemplo, para guiar as suas escolhas de carreira, quais municípios pagam melhor a sua ocupação, quais indústrias tem maior potencial de desenvolvimento e, assim, servem para a sociedade no geral, setor privado e cidadãos como um todo”, afirmou.

Segundo Barrence, as informações foram disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho e Emprego e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Em sua versão atual, o DataViva apresenta dados dos últimos 10 anos, relativos à exportação de 1.256 produtos (da Secretaria de Comércio Exterior) e a 865 ocupações em 427 atividades econômicas da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais). São cerca de 2 milhões de registros de exportação e cerca de 40 milhões de empregados por ano.

Financiado pela Fapemig, a implantação da plataforma contou também com o apoio das instituições que compõem o Sistema de Desenvolvimento Econômico do Estado, juntamente com a Fundação João Pinheiro. Para o presidente da Fapemig, Mário Neto Borges, o DataViva é para o Governo de Minas uma ferramenta estratégica para o desenvolvimento de políticas públicas. “O que a Fapemig está fazendo, ao longo desses 10 anos, é lutar para transformar esse conhecimento em riqueza, em empregos de qualidade em desenvolvimento de longo prazo”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade