Publicidade

Estado de Minas PROVAS ERRADAS

Polícia Civil cancela concurso

Decisão foi tomada depois que candidatos a perito criminal encontraram perguntas não previstas no edital


postado em 27/05/2013 07:36

Caderno que tinha questões incorretas, o que levou à marcação de um novo exame, em 30 dias (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Caderno que tinha questões incorretas, o que levou à marcação de um novo exame, em 30 dias (foto: Túlio Santos/EM/D.A PRESS)
Cerca de 25 mil candidatos a 95 vagas de perito criminal da Polícia Civil de Minas Gerais terão que refazer as provas do concurso realizado ontem em Belo Horizonte. O certame foi cancelado por problemas na montagem dos cadernos com as questões do exame em pelo menos duas salas da Pontifícia Universidade Católica (PUC/MG), Bairro Coração Eucarístico, Região Noroeste da capital. Nessas duas salas, alguns participantes que estavam com o caderno B, de cor verde, conseguiram fazer apenas as provas de direitos humanos e português. As outras disciplinas tinham questões relacionadas a diferentes temas, como odontologia, que não estão previstos no edital.

Segundo um dos candidatos, a prova começou às 14h10 e teria duração de quatro horas. Pouco mais de 20 minutos depois, foi notado que a parte de medicina legal só trazia questões de odontologia. “A confusão durou quase duas horas. Como não foi resolvido, eles mandaram recolher a prova e nos dispensaram”, diz o policial civil carioca D.B.S., 49. Ele então se dirigiu à delegacia do Juizado Especial Criminal e fez um boletim de ocorrência sobre a situação. Na mesma sala de D. estava o estudante de engenharia Jamil Darub, 27, que veio do Acre para fazer a prova . “Estava tudo certo com meu caderno, mas não tive mais condição de fazer as questões, fiquei totalmente desconcentrado”, diz ele, que também foi até a delegacia. “Tive muitos gastos para chegar aqui e quero saber como serei ressarcido”, completa.

A biomédica Fernanda Luiza de Oliveira, 25, saiu de Divinópolis, na Região Centro-Oeste, e conta que na sala dela não houve nenhum problema. “Tanto a prova branca quanto a verde estavam normais. Porém, quando foi 17h eles avisaram que o concurso tinha sido cancelado”, diz Fernanda, também preocupada com os gastos para participar do exame. As questões foram divididas em sete grupos: português, direitos humanos, matemática, medicina legal, criminalística, contabilidade e noções de informática.

EXPLICAÇÕES A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que o diretor geral da Academia de Polícia Civil (Acadepol), Marco Antônio Monteiro de Castro, e o diretor da Fundação Mariana Resende Costa (Fumarc), Tarcísio José de Almeida, responsável pela confecção das provas, decidiram cancelar a “etapa eliminatória da prova objetiva porque parte dos exemplares do caderno B foi montada incorretamente, o que poderia resultar em prejuízo para os candidatos que receberam os formulários indevidos”, diz a nota enviada pela Polícia Civil.

Ainda segundo o texto, nova prova será aplicada para os 24.987 candidatos às 95 vagas de perito criminal em, no mínimo, 30 dias. Apesar dos problemas no processo de seleção dos futuros peritos, ontem também foram aplicados os exames para os candidatos a 121 vagas de médico legista e 1.291 posições para servidores administrativos. Nesses dois casos não houve nenhum erro e os concurso seguem normalmente.


Publicidade