Publicidade

Estado de Minas

Mais consumidores regularizam dívida

Anulação de registros no SPC aumenta 7,58% em fevereiro sobre mesmo mês de 2012. Número de inscritos cresce 1,78%


postado em 12/03/2013 06:00 / atualizado em 12/03/2013 06:52

Com renda e emprego em alta, mais pessoas buscam quitar débitos em BH(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 16/5/12)
Com renda e emprego em alta, mais pessoas buscam quitar débitos em BH (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 16/5/12)
Fatores como aumento dos níveis de renda e emprego, ampliação da oferta de crédito e queda da taxa de juros têm contribuído para que mais belo-horizontinos quitem suas dívidas. Em fevereiro, o número de cancelamentos de registros no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) cresceu 7,58% em relação ao mesmo período de 2012. O percentual é bem superior ao 1,78% de aumento de registros, na comparação do mesmo período – um número considerado pequeno se levado em conta o aumento do consumo da população.

Para Ana Paula Bastos, economista da CDL/BH, a atual conjuntura socioeconômica do país explica o resultado positivo. “Com mais renda, sobra mais dinheiro para pagar as dívidas. A taxa de juros menor possibilita ao devedor negociar com as empresas a um valor mais interessante. Além disso, com a ascensão das classes C, D e E, mais pessoas querem limpar o nome na praça para conseguir financiamento de residência e veículo, por exemplo.” Com o cancelamento dos registros no SPC, os consumidores recuperam a capacidade de compra, o que é ótimo para o comércio.

Já na comparação entre fevereiro e janeiro do indicador de inadimplência da CDL/BH, o número de cancelamentos de registros apresentou queda de 6,93%, ao passo que o volume de registros apresentou aumento de 2,74%. Ainda assim, no acumulado do ano, houve um crescimento de 5,94% nos cancelamentos, acima dos 4,65% do aumento de registros, em grande parte pelas compras parceladas realizadas no Natal que ainda não foram pagas.

Menos dias

“O resultado da comparação com janeiro já era esperado, pelo fato de fevereiro ser um mês com menos dias úteis e com um comprometimento de renda maior. A análise de conjuntura mais importante é a comparação com o ano passado”, explica Ana Paula. Historicamente, os resultados dos primeiros meses do ano refletem os gastos com despesas típicas desse período, como impostos, material e matrículas escolares e viagens de férias e carnaval, gastos que acabam comprometendo a renda dos consumidores.

Ainda que o aumento do número de registros no SPC em fevereiro seja considerado baixo pelo setor, na comparação com o mesmo mês de 2012, pode servir de alerta para os consumidores que ainda gastam de forma não organizada. O maior número de inadimplentes registrados na faixa acima de R$ 250 (72,99%) tem a ver com a flexibilidade das condições de pagamento a prazo, proporcionada pela taxa de juros menor. Para Bruno Falci, presidente da CDL/BH, a maior facilidade de acesso ao crédito pode ser uma armadilha para quem não planeja suas compras. “O planejamento financeiro é o melhor aliado para evitar a inadimplência”, afirma Falci.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade