Publicidade

Estado de Minas TRANSFORMAÇÕES

Mecanização no campo muda as relações de trabalho

Profissional rural passa por qualificação e, mesmo com a tecnologia, continua disputado


postado em 14/01/2013 00:12 / atualizado em 14/01/2013 07:49

Lavoura de cana-de-acúçar em Minas: no estado, plantio e colheita da planta já são 80% mecanizados e até 2014 não deverão contar mais com trabalho humano(foto: (Beto Novaes/EM/D.A Press - 24/6/10) )
Lavoura de cana-de-acúçar em Minas: no estado, plantio e colheita da planta já são 80% mecanizados e até 2014 não deverão contar mais com trabalho humano (foto: (Beto Novaes/EM/D.A Press - 24/6/10) )

A mecanização no campo está modificando as relações de trabalho no agronegócio brasileiro. O trabalhador rural, antes contratado para fazer o plantio e colheita manual de culturas como a cana-de-açúcar, café e algodão, agora está controlando máquinas. O antigo boia-fria troca também o campo pelo trabalho na cidade, em setores como a construção civil. Para especialistas, o crescimento econômico que amplia a produção tem compensado os impactos da tecnologia no emprego, em que uma única máquina pode substituir 100 ou mais trabalhadores.

As vendas de máquinas agrícolas no país são um termômetro da transformação no campo. O número mais que dobrou nos últimos sete anos. Seja no cultivo para exportação ou para consumo nacional, as grandes lavouras de grãos – soja, milho e feijão – já são 100% mecanizadas. Outras culturas, como a cana-de-açúcar e o café, avançam a passos rápidos em direção às máquinas, que criam escala e potencializam o lucro. Até mesmo a fruticultura já experimenta a colheita sem as mãos do homem.


Em 2006, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), foram comercializadas no país 25,6 mil máquinas agrícolas, incluindo tratores e colheitadeiras. Em 2012, o número já havia mais que dobrado: foram 69,3 mil máquinas, alta de 6,2% frente a 2011. Balanço da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) aponta que de janeiro a novembro do ano passado o segmento agrícola faturou R$ 9,7 bilhões, crescimento de 6% sobre igual período de 2011.

As usinas de açúcar e etanol são um dos mais fortes símbolos das mudanças no campo. Em oito anos, o plantio e a colheita, que eram 100% feitos a partir do trabalho dos cortadores de cana, já estão 80% mecanizados em Minas. Até 2014, nos locais onde for possível introduzir máquinas, não vai haver trabalho humano. Os semeadores e cortadores de cana que representavam 60% dos empregos gerados no setor, sendo alvo de discussões sociais que envolviam o trabalho exaustivo e até denúncias de trabalho escravo, hoje estão reduzidos a cerca de 25%.

Mário Campos, secretário-executivo interino do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool em Minas Gerais ( Siamig), observa que a cadeia ampliou o número de empregos gerados em outras colocações, o que teria compensado o espaço ocupado pelas máquinas. “Hoje muitos cortadores de cana foram treinados e ocupam funções que exigem uma maior qualificação”, explica. Segundo o executivo, entre 2004 e 2011, com a ampliação do plantio no estado, o número de empregos diretos saltou de 35 mil para 80 mil.

APAGÃO
Rosemeire dos Santos, superintendente técnica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), afirma que o apagão da mão de obra que desafia os centros urbanos chegou ao campo, onde, apesar das máquinas, o trabalhador é disputado. “A mecanização é positiva para o país. Gera escala tanto para a agricultura de commodities quanto para a produção familiar.” Alavancando a produtividade, a tecnologia faz a economia girar, esquentando a oferta de empregos. Números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad/IBGE) de 2011, os últimos dados disponíveis, apontam que a taxa de desemprego no campo era de 2,6%, percentual bem menor que o das regiões metropolitanas (7,4%).

"Muitos deles (trabalhadores rurais) são agora tratoristas. Treinamos o pessoal para ser operadores de máquinas, trabalhando em uma situação melhor, inclusive com arcondicionado", diz Jonada Ma, agricultor (foto: MARIA TEREZA CORREIA/EM/D.A PRESS - 26/7/12)
Longo caminho pela frente

Nesta safra, o agricultor Jonada Ma, um dos proprietários da empresa de agronegócio MA Shou Tao, vai colher em Uberaba, no Triângulo Mineiro, 150 mil toneladas de cana-de-açúcar e 3 mil toneladas de grãos (soja e milho). A lavoura de grãos é 100% mecanizada há mais de três décadas, assim como a cana-de-açúcar, onde as máquinas chegaram há pouco mais de cinco anos. Na colheita da cana, Jonada já empregou 150 homens, mas explica que hoje esses trabalhadores foram absorvidos em outras funções que exigem mais conhecimento e também pelos centros urbanos. “Muitos deles são agora tratoristas. Treinamos também o pessoal para ser operadores de máquinas, trabalhando em uma situação melhor, inclusive com ar-condicionado.”

O agricultor explica que a tecnologia influencia diretamente no rendimento da lavoura, mas que o Brasil, apesar dos avanços, ainda tem um bom caminho a percorrer se quiser se tornar mundialmente mais competitivo. “A média de renovação das máquinas nos Estadas Unidos é de três anos. No Brasil, ultrapassa nove anos”, diz Jonada Ma.

Em Minas, maior produtor nacional de café, aumentar a mecanização é o objetivo dos produtores do estado, que torcem pela evolução da indústria, com máquinas capazes de fazer a colheita do grão também em regiões montanhosas, como o Sul de Minas, onde a mão de obra chega a responder por mais de 40% do custo da produção. Atualmente, mais de 50% do café colhido no Cerrado Mineiro é retirado de forma mecânica, enquanto no Sul do estado esse percentual é em torno de 30%. Segundo a Cooxupé, maior cooperativa de café do país, existe potencial para que 70% do café dessa região seja colhido com a ajuda de máquinas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil vai colher uma safra recorde de grãos, leguminosas e oleaginosas, de 162,1 milhões de toneladas.

PREOCUPAÇÃO
Vilson Luiz da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), observa que o desemprego no meio rural ainda é uma questão grave nas regiões mais pobres do estado, como o Norte e Vale do Jequitinhonha. Segundo ele, a mecanização é bem-vinda quando o trabalhador tem a oportunidade de trocar o trabalho exaustivo por funções de melhor qualificação, mas diz que para manter esse status o Brasil tem como desafio a manutenção do crescimento. “Se depois da Copa do Mundo houver uma desaceleração forte, principalmente da construção civil, pode haver muito desemprego nas cidades e no campo. Essa é nossa maior preocupação quanto à substituição do trabalho humano pelas máquinas.” (MC)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade