Publicidade

Estado de Minas

Grupo Ânima se associa ao BR Educacional

Com recursos de R$ 100 milhões do fundo, instituição pode investir em projeto de ampliação, com novas unidades no interior, além de parcerias internacionais, ensino a distância


postado em 15/04/2012 07:38

O Grupo Ânima Educação acaba de se associar ao fundo BR Educacional. Com um aporte de R$ 100 milhões, o fundo de investimentos especializado no segmento passa a ser acionista minoritário da organização. O Ânima controla os centros universitários UNA e Uni-BH, na capital mineira, e Unimonte, em Santos (SP). Com a injeção de recursos, a instituição vai dar fôlego extra ao seu projeto de expansão. A plataforma de investimentos prevê a abertura de unidades no interior de Minas ainda em 2012, e nos próximos anos em outros estados da Federação.

Entre os investimentos na educação superior, destacam-se projeto com lançamento de novas tecnologias, parcerias internacionais e o ensino a distância. A meta da instituição é ambiciosa. Em quatro anos, ela vai saltar dos atuais 42 mil alunos para 100 mil. O número de funcionários deverá dobrar, atingindo 6 mil até 2016. O sistema Ânima de gestão é responsável por 11 câmpus na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e dois câmpus em Santos. Em Minas, o Ânima iniciou suas ações em 2003 a partir da aquisição da UNA. Em 2009 consolidou a compra do Uni-BH. Antes, em 2006, já havia assumido o controle da Unimonte, em Santos.

A participação do fundo BR Educacional nas ações não foi revelada pela instituição, que apontou o sigilo exigido em contrato. Segundo o presidente do Grupo Ânima, Daniel Castanho, o objetivo da parceria é viabilizar uma rede de universidades, tendo Minas como ponto de partida. “A partir da criação dessa parceira, a BR Educacional passa a proporcionar ao Grupo Ânima recursos e tecnologia para permitir a expansão e a revolução da qualidade.”

O diretor de Novos Negócios do Ânima, Marcelo Bueno, reforçou que a parceria com o fundo BR Educacional levou em conta a formação do seu capital, composto por investidores institucionais, como fundos de pensões, assim como sua trajetória, que tem a educação em primeiro plano. “Temos uma visão de longo prazo. Primeiro vamos investir em Minas, a partir do estado, pelo Brasil”, afirmou.

O Fundo BR Educacional, composto por investidores nacionais, está sob gestão do BR Investimentos, banco fundado em 2008 pelo economista Paulo Guedes, um dos fundadores do Ibmec (escola de ensino superior). Segundo Guedes, o BR Investimentos quer aplicar recursos em pontos críticos. “Na sociedade atual, o conhecimento é o principal fator de produção de riqueza e satisfação, por isso a educação é fator decisivo para pessoas, empresas e países”, declarou Guedes, que será um dos membros do conselho de administração da instituição. A presidência fica com Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e atual reitor da Unimonte.

A Hoper Consultoria mapeou seis regiões de Minas, definindo as necessidades e viabilidade do projeto educacional. Segundo o Grupo Ânima, em nove anos as unidades controladas pela entidade apresentaram uma trajetória expressiva de crescimento, tendo multiplicado em mais de 10 vezes o número de alunos nos seus cursos superiores.


Publicidade