Publicidade

Estado de Minas

Dolly e Rede TV! são condenados a pagar R$ 2 milhões à Coca-Cola


postado em 11/04/2012 11:40 / atualizado em 11/04/2012 12:07

A RedeTV!, os refrigerantes Dolly e o empresário Laerte Codonho foram condenados a pagar R$ 2 milhões de indenização por danos morais à Coca-Cola. As duas decisões são de 2ª instância.

Em uma das ações, o Tribunal de Justiça de São Paulo entendeu que o único objetivo do "Programa 100% Brasil", exibido em 2003 pela RedeTV! e patrocinado pela Dolly, era "atacar sistematicamente" e "denegrir a imagem" da Coca-Cola, pois ex-funcionários foram convidados e estes tinham relação com as acusações divulgadas no programa.

Na outra ação, a Justiça afirmou que as empresas ligadas à Dolly (Dettal Participações, detentora da marca Dolly, e a engarrafadora Ragi) e mais o dono da marca, Larte Codonho, teriam promovido campanha difamatória contra a Coca-Cola no jornal americano “The Wall Street Journal” e a concessão de entrevistas com acusações graves no jornal “O Pasquim” e no programa “Repórter Cidadão”, veiculado na Rede TV!. Além disso, teriam sido veiculados anúncios em outdoors com os dizeres: “Coca Cola contém folha de coca? É ilegal? A Coca Cola está acima da lei? Dolly”.

“As provas juntadas ao processo comprovam que o intuito dos réus foi explorar denúncias de irregularidades envolvendo a empresa Coca-Cola para atingir sua imagem perante o público consumidor e, de forma reflexa, incrementar as vendas dos refrigerantes Dolly”, disse o relator do recurso.

Durante o processo, as empresas detendoras da marca Dolly disseram que os entrevistados participaram do programa apenas como especialistas no assunto e não receberam nenhum tipo de orientação prévia. Já a Rede TV! que vendeu o espaço em sua grade de horários, alega sua não-responsabilidade sobre o conteúdo dos programas. Segundo a emissora, a compra do espaço na TV foi acertada entre a Dolly e um terceiro que possuia autorização para comercializar horários na grade de programação da emissora.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade