Publicidade

Estado de Minas

Agentes internacionais acreditam em alta da inflação


postado em 21/03/2011 17:56

A terceira edição do Monitor da Percepção Internacional do Brasil (MPI-BR), divulgada hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostrou uma sensível piora nas expectativas dos agentes internacionais com relação à inflação no País para os próximos 12 meses.

De acordo com a pesquisa feita com 170 entidades - embaixadas ou consulados, câmaras de comércio, empresas de controle estrangeiro e organizações multilaterais, 72% dos entrevistados responderam que acreditam que a inflação para os próximos 12 meses ficará acima do centro da meta do governo, que é de 4,5%.

Dos 72% que projetam que a inflação ficará acima do centro da meta, 52% esperam algo próximo de 5,5%, e 20% apostam em uma estimativa próxima dos 6,5%. "As expectativas dos agentes internacionais para os próximos 12 meses ainda são bem favoráveis, mas há uma preocupação com a inflação", afirmou o técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea, André Pinelli.

O Monitor do Ipea mostra ainda que 83% dos entrevistados projetam um crescimento econômico entre 3,6% e 6% para os próximos 12 meses. A pesquisa aponta também uma redução na percepção do nível de violência do Brasil. Embora o indicador ainda esteja negativo, em relação à última pesquisa divulgada em outubro, 24% dos que responderam a pesquisa disseram que houve uma redução da percepção de violência. Em outubro, esse porcentual correspondia a 3%.


Câmbio


Além disso, segundo os agentes internacionais, houve uma diminuição da percepção da influência do Brasil em organismos internacionais e na América Latina. Na edição monitor, o Ipea aproveitou para perguntar ainda sobre a tendência de valorização da taxa de câmbio e "guerra cambial".

No caso do câmbio, 38% dos agentes internacionais ouvidos disseram que o governo brasileiro tem demorado a intervir, apesar de as medidas tomadas terem sido corretas e suficientes para deter a excessiva valorização do real. Para outros 21%, que também consideram que o governo foi lento, as medidas até agora implementadas foram insuficientes.

Já 41% dos que responderam disseram que o governo tem agido no tempo certo, embora três quartos destes acreditam que sejam insuficientes as medidas anunciadas até o momento para evitar uma apreciação demasiada da taxa de câmbio. Sobre a afirmação de que está em curso uma "guerra cambial" com diversos países manipulando suas taxas de câmbio de forma a estimular suas economias e tornarem-se mais competitivos, 68% mostraram-se de acordo e 32% consideraram a afirmação improcedente.

O Monitor de Percepção Internacional do Brasil é calculado trimestralmente pelo Ipea com base em um questionário preenchido eletronicamente por 170 entidades cadastradas. A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 22 de fevereiro.


Publicidade