UAI
Publicidade

Estado de Minas RODA DE CAPOEIRA

Patrimônio da humanidade: capoeiristas resgatam história da luta que é arte

O 2º Encontro de Capoeira Amigos do Parque homenageará mestres capoeiristas, que contam histórias e repassam saberes para as novas gerações


12/11/2021 13:41 - atualizado 12/11/2021 15:27

Capoeirista tocando berimbau em frente ao Museu de Artes e Ofícios, na Praça da Estação no centro de Belo Horizonte
Na capital mineira, a adaptação para o formato de grupos ganhou força e se expandiu pelo país e pelo mundo (foto: Flávio Tavares/Divulgação)

A capoeira é um patrimônio cultural imaterial da humanidade. Parte dessa história é contada no 2º Encontro de Capoeira Amigos do Parque, que homenageia importantes mestres de capoeira. Ao todo serão 25 mestres condecorados, sendo 24 mineiros e também um soteropolitano. Uma homenagem especial a Valtelino Manoel de Oliveira, o Mestre Explosivo, natural de Salvador.

O evento acontecerá de sexta (12/11) a domingo (14/11). Nesta sexta, os capoeiristas fazem  uma roda de capoeira em frente ao Uai, na Praça Sete, às 18h. No sábado, os mestres convidados contam a história da capoeira, no Museu de Artes e Ofício, na Praça da Estação. No domingo, haverá uma roda de conversa com os mestres que contam as experiências. O evento será no condomínio Retiro do Lago, em Itabirito.
 
A roda de capoeira é o momento de encontro, quando os capoeiristas cantam, tocam instrumentos, dançam e fazem o jogo, que mescla golpes, ginga e brincadeiras. As rodas acontecem em todos os espaços e, em Belo Horizonte, os capoeiristas têm a tradição de realizar a roda no Parque Municipal Américo Renné Giannetti. Na capital mineira, os capoeiristas também passaram a se organizar em grupos, um formato que ganhou força e se expandiu pelo país e pelo mundo.
 
Encontro será um importante momento de resgate e registro da  memória dos mestres pioneiros da atividade em Minas. Também contribui para divulgar a história da capoeira, em especial em Belo Horizonte, abordando a evolução e transformação ao longo do tempo. 
 
“Além de ser um registro de história oral importante para preservação do patrimônio histórico e artístico imaterial de Belo Horizonte, também é uma forma de reconhecimento e valorização do saber popular e da cultura afro-brasileira”, declara Vinícius Thiago de Melo, o contra-mestre Meque, pesquisador e um dos organizadores do evento.

Além disso, o foco é na roda de conversa, com reconhecimento do valor dos capoeiristas mais velhos para manter as tradições, como griotes. “Uma forma de trazer a história da capoeira antiga para a nova geração para a história não morrer”, conta Eder Marcos da Silva, mais conhecido como Mestre Shaolin, também organizador do encontro.

Eder conta que é comum fazer homenagens aos mestres que já morreram, mas esse ano o intuito é homenagear os mestres em vida, “Amanhã, vai ser o dia que vão estar todos os mestres presentes, com bate papo e os mestres contando as histórias deles, para não deixar ninguém ser esquecido e a cultura da capoeira não se perca”.

Serviço

Roda de Capoeira na Praça Sete                                               
Dia: 12 de novembro de 2021 (sexta-feira)
Hora: 18 horas
Local: Praça Sete - Em frente ao UAI
 
 
Mesa redonda com mestres pioneiros da Roda do Parque – Encerramento com Roda de capoeira 
Dia: 13 de novembro de 2021 (sábado)
Hora: Das 9h às 18h
Local: Museu de Artes e Ofício (Praça da Estação)
Entrada aberta ao público
 
 
Vivências com os mestres em Itabirito
Dia: 14 de novembro de 2021 (domingo)
Hora: Das 8 às 17 horas
Local: Condomínio Retiro do Lago (Itabirito/MG).
Vagas limitadas!
 
Atenção: O uso de máscara será obrigatório em todos os dias do evento.
 
Mais informações pelo Instagram: @capoeira.do.parque
 
*estagiária sob a supervisão de Márcia Maria Cruz 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade